Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A pandemia, as perdas e o novo mundo

A pandemia, as perdas e o novo mundo

07/07/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.

Por conta de sua letalidade (verdadeira ou suposta), passamos a utilizar mais o comércio eletrônico e outros recursos que a internet e seus serviços proporcionam e eram ignorados por considerável parcela da população.

Impedidos de comparecer às aulas, professores – especialmente os da rede privada que não querem perder alunos e renda – passaram a disponibilizar os ensinamentos pelos aplicativos e redes sociais.

Comerciantes correram para montar lojas virtuais em paralelo às tradicionais colocadas em quarentena. Bancos ampliaram o seu já desenvolvido serviço online.

Artistas descobriram o caminho da “live”, que os livra do severo controle das emissoras de TV, rádio e produtoras. Até o futebol acha na “live” a forma independente de exibir seus jogos ao grande público.

Tudo isso sem falar da infraestrutura que a rede proporciona aos que trabalham em home-office, outro imperativo do período epidêmico.

Não é atoa que enquanto as autoridades de saúde ainda se empenham no controle do desastre sanitário, os estrategistas, tanto do governo quanto do mercado corporativo, já pensam sobre como será o mundo – e particularmente o país – quando o vírus acabar ou pelo menos estiver mais dominado.

Muitos acham que, mercê das dificuldades e descobertas ocorridas no período, boa parte das coisas não voltarão a ser como antes.

Até porque fomos obrigados a, na falta do relacionamento presencial, recorrer a serviços eletrônicos e à distância antes disponíveis mas não acessados por acomodados, incrédulos ou até ignorantes em relação à sua existência. E esses serviços, acabam se aperfeiçoando.

Muito do que era experimental, depois de passado pelo batismo de fogo da quarentena e do isolamento social (por vezes equivocado) tende a ganhar acabamento e formato comercial para todos utilizarem.

Duas décadas atrás se pensava que a TV a cabo com seus múltiplos canais sufocaria a TV aberta. Isso não aconteceu. Hoje temos uma nova vertente do setor, representada pelas “lives” que só têm viabilidade porque boa parte dos receptores ligada à rede mundial de computadores, na primeira massificação da chamada “internet das coisas”.

Mas é bom se preparar para, dentro de poucos anos, ter a geladeira, o ar-condicionado, o forno, o chuveiro, a iluminação, o alarme e tudo o que se utiliza dentro de uma casa ou empresa monitorado remotamente e com eles poder interagir através do telefone celular que, por certo, será mais avançado do que os hoje disponíveis.

Quando a pandemia deixar de matar – e consequentemente estiver extinta – não será difícil que, apesar do sofrimento causado, ela passe para a história como um grande empurrão para a utilização criativa dos recursos proporcionados pelo desenvolvimento tecnológico.

Seu isolamento deve ter antecipado um futuro que, no ritmo anterior dos acontecimentos, só chegaria em cinco ou mais anos.

O mundo, positivamente, não será mais o mesmo. Quem não se preparar para absorver a mudança, poderá perder grandes oportunidades…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Será que o franciscano tinha razão?

Quando estive em Roma, conheci sacerdote, que estava hospedado no Convento anexo à Basílica de Santo António, na via Mariana.


O gestor educacional na era da inovação: lugar da teoria e da prática

Maquiavel em sua obra celebre “O Príncipe” preconiza que para conhecer a natureza do povo é necessário ser príncipe, e para conhecer a natureza dos príncipes é necessário ser do povo.


Desenvolvimento de carreira: cuide sempre de você!

Atuo há mais de vinte anos como headhunter e em projetos de desenvolvimento de lideranças e carreiras com executivos e profissionais especializados.


A ilusão da egolatria: você sabe com quem está falando?

Episódios de pessoas que se julgam superiores e acima da lei, infelizmente têm se tornado comuns na sociedade brasileira.


O rádio, a TV e a “live”

Os brasileiros de média (ou avançada) idade, viveram no tempo em que o rádio era o todo poderoso meio de comunicação.


Tão próximos e tão distantes

Não há dúvidas de que a internet mudou a realidade da maior parte do mundo.


Onde querem colocar o dinheiro da Educação?

No país de bons brasileiros perguntamos: onde querem colocar o dinheiro da Educação?


Um novo normal essencial; um velho normal desejado

Ver sorrisos, estar dentro de abraços, realizar eventos e trazer alegria…


Criptomoedas: O dinheiro do futuro ou o futuro do dinheiro?

Seja qual for futuro dos meios de pagamento, fato é: não podemos desprezar que as criptomoedas mudaram a maneira com que nos relacionamos com o dinheiro.


A polêmica nota de R$200,00

No dia 29 de julho de 2020, foi anunciado pelo Banco Central (BACEN) que, em agosto, será colocada em circulação a nota de R$200,00, que incorporará a imagem do lobo-guará.


Recalibrando sua estratégia de prevenção de fraudes para a nova realidade

Tal qual um automóvel, a detecção de transações criminosas em uma organização deve passar por revisões periódicas para aumentar sua eficiência.


Em tempos de pandemia, gestão de pessoas não é conversa, é ciência

Sou um curioso da gestão de pessoas. Ao longo desses anos como gestor, aprendi muito com os profissionais de recursos humanos com quem tive a honra de trabalhar.