Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A Páscoa do Senhor Ressuscitado

A Páscoa do Senhor Ressuscitado

26/03/2018 Padre Wagner Ferreira da Silva

A lógica da Páscoa de Cristo é a lógica do amor, de um amor voluntário, amor que se entrega.

Depois de cinco semanas (Quaresma) de intenso convite da Igreja à conversão, à mudança de mentalidade, o povo de Deus é conduzido a celebrar o mistério pascal a partir do Domingo de Ramos da Paixão do Senhor, início da Semana Santa.

Por sua vez, a Semana Santa nos encaminha para o tríduo pascal, e, finalmente, a noite santa da Vigília Pascal, na qual rompe-se o silêncio da madrugada com o cântico do Aleluia, pois Cristo ressurgiu dentre os mortos.

Na manhã do domingo de Páscoa, assumiremos com mais entusiasmo o dom de uma vida nova, vida de amor e paz. A parábola sobre o grão de trigo caído por terra, utilizada por Jesus para anunciar sua obra redentora, nos transmite a lógica da Páscoa: “Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um grão de trigo; mas, se morre, então produz muito fruto!” (João 12,24).

A morte de Jesus na cruz não pode ser compreendida simplesmente como um assassinato. Na realidade, diz o próprio Jesus, “ninguém me tira a vida, mas eu a dou por própria vontade” (João 10,18). A lógica da Páscoa de Cristo é a lógica do amor, de um amor voluntário, amor que se entrega, que se faz oferta, que morre para produzir frutos de vida nova: solidariedade, compaixão, justiça e paz.

O papa emérito Bento XVI, em sua homilia na vigília pascal de 2012, nos deu uma compreensão preciosa a respeito da graça que nos foi concedida pela ressurreição de Jesus: “Na Páscoa, ao amanhecer do primeiro dia da semana, Deus disse novamente: “Faça-se a luz!”. Antes (da luz) vieram a noite do Monte das Oliveiras, o eclipse solar da paixão e morte de Jesus, a noite do sepulcro. Mas, agora, é de novo o primeiro dia; a criação recomeça inteiramente nova.“Faça-se a luz!”: disse Deus. “E a luz foi feita”. Jesus ressuscita do sepulcro. A vida é mais forte que a morte. O bem é mais forte que o mal. O amor é mais forte que o ódio. A verdade é mais forte que a mentira. A escuridão dos dias anteriores dissipou-se no momento em que Jesus ressuscita do sepulcro e Se torna, Ele mesmo, pura luz de Deus. Isto, porém, não se refere somente a Ele, nem se refere apenas à escuridão daqueles dias. Com a ressurreição de Jesus, a própria luz é novamente criada. Ele atrai-nos a todos, levando-nos atrás de Si para a nova vida da ressurreição e vence toda a forma de escuridão. Ele é o novo dia de Deus, que vale para todos nós”.

Somente o dom da fé pode favorecer o nosso encontro com Cristo Ressuscitado, a ponto de nos tornar criaturas novas, pessoas que vivenciam o evangelho da alegria, da luz, da misericórdia e da justiça. Papa Francisco faz um alerta na exortação apostólica Evangelii Gaudium (A alegria do Evangelho, número 6): “há cristãos que parecem ter escolhido viver uma Quaresma sem a Páscoa”.

O Santo Padre reconhece que “a alegria não se vive da mesma maneira em todas as etapas e circunstâncias da vida, por vezes muito duras”. Somente a graça do encontro de fé com Cristo vivo nos oferece as condições para viver a alegria do Evangelho mesmo em situações onde tudo concorreria para a tristeza, a desolação e o desespero.

O chamado à conversão do tempo quaresmal não somente quis ser apenas um apelo para cada cristão, mas também à inteira sociedade brasileira e, por isso, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) protagonizou uma Campanha da Fraternidade com o tema: “Fraternidade e superação da violência”.

Que os discípulos do Ressuscitado sejam corajosos em testemunhar o evangelho da paz, de modo a contribuir com a superação de toda forma de violência e promover uma vida social onde se proclame: Ele está no meio de nós!

* Padre Wagner Ferreira da Silva é doutor em Teologia Moral e membro da Comunidade Canção Nova.

Fonte: Imprensa Canção Nova



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.