Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A perversa admiração pela ditadura cubana

A perversa admiração pela ditadura cubana

29/07/2015 João César de Melo

Na mesma semana em que alguns atletas cubanos desertaram durante a realização dos Jogos Pan Americanos do Canadá, o governo de Cuba reabriu sua embaixada nos Estados Unidos.

A grande mídia, sempre acusada de ser de direita, dedicou-se a publicar matérias enaltecendo a reaproximação entre os dois países como um passo importante para o fim do embarco americano, que “há décadas penaliza o povo cubano”.

Para a grande mídia, quem oprime o povo cubano é o governo dos Estados Unidos! A palavra “ditadura” continua a ser evitada.

Nunca ouvi ou li qualquer matéria levantando as razões do embargo e quais as exigências americanas para o seu fim; nem qualquer matéria lembrando que o rompimento das relações comerciais com os Estados Unidos era uma ideia central da Revolução Cubana; nem qualquer matéria expondo o sistema de escravidão que impera há 50 anos em Cuba; nem qualquer matéria comparando a qualidade de vida dos cubanos antes da revolução com a atual; nem sobre as expropriações, nem sobre as perseguições, nem sobre os fuzilamentos…

Quando alguma matéria faz referência à falta de liberdade civil e de imprensa na ilha, percebe-se um cuidado especial para não dar um tom pejorativo ao regime. As frequentes deserções e fugas de cidadãos cubanos são notícias que não levantam qualquer questionamento sobre as razões de pessoas comuns tentarem a todo custo fugirem do país.

Nenhum jornalista da grande imprensa procurou pelo menos um desses desertores para fazer uma matéria sobre as experiências pessoais que o levaram a pedir asilo. A impressão que tentam passar é que Cuba é uma admirável democracia moldada por um governo honrado e bondoso, onde os cidadãos são felizes sem os confortos e luxos promovidos pelo capitalismo; eaqueles que fogem são desajustados cuja ganância os fazem desejar viver no templo do egoísmo, do consumo e da vaidade.

Certa vez ouvi de um conhecido: “…é um número (referindo-se aos quase 800 cubanos que conseguiram chegar à Flórida em 2014) insignificante se comparado à população cubana, não representa insatisfação popular”. Eis o sentimento de um anjinho socialista em relação a centenas de pessoas que se lançam ao mar em balsas improvisadas, correndo riscos absurdos, só para ter melhores condições de vida.

Este anjinho socialista representa muitos e muitos outros que, do alto de suas vidas burguesas, cultivam a perversão de apoiar uma ditadura. Este anjinho socialista, assim como todos, sequer tenta imaginar que para cada cubano que consegue realizar a travessia, dezenas de outros acabam morrendo pelo caminho; e por trás desses, existe toda uma população que tem plena consciência de que é escrava de uma ditadura e que alimenta o sonho de morar nos Estados Unidos.

A verdade: O cubano comum é tratado como escravo, impedido de ir embora e obrigado a trabalhar para o seu senhor estampando um sorriso de gratidão pela ração que recebe. “Dane-se!”, pensa a mídia, pensam os intelectuais, pensam os artistas, pensam os inteligentinhos nas universidades, no Facebook e nos bares descolados da cidade.

O que importa é a historinha muito bonitinha: Homens abnegados se unem, derrubam um governo corrupto e instauram uma democracia popular, que passa a ser atacada e sabotada pelo todo poderoso império capitalista, mas que resiste heroicamente oferecendo vida digna a toda a população.

As perseguições, as expropriações, os assassinatos, a mão-de-ferro sobre a liberdade das pessoas são “detalhes que não desmerecem o projeto como um todo”, já ouvi. Meses atrás, a Globo News fez uma matéria sobre uma jornalista recém-falecida.

Nesta matéria, reproduziram uma entrevista na qual ela falava sobre o momento de maior gratificação de sua carreira: uma entrevista que fez com Fidel Castro. Impressionante o carinho da jornalista ao se referir ao ditador. Nauseante seu orgulho ao dizer que recebia presentes dele nos meses seguintes à entrevista.

A mesma imprensa que faz o maior auê após a revelação de casos de espionagem dos Estados Unidos, finge que não sabe do sistemático controle da ditadura cubana sobre a vida da população. A mesma imprensa que publica longas matérias sobre a “desigualdade” nos Estados Unidos, país onde faxineiras ganham 4 mil dólares por mês, finge que não sabe das reais condições da “igualdade social” cubana, onde todos são igualmente miseráveis e dependentes dos humores do governo.

O que não falta é literatura e depoimentos sobre os absurdos da ditadura cubana. Um dos livros mais reveladores é A Vida Secreta de Fidel, escrito por Juan Reinaldo Sánchez, que por 17 anos foi o chefe da guarda pessoal do “comandante”.

Em 230 páginas, ele fala sobre sua devoção ao projeto socialista, sobre todas as mordomias e excentricidades de seu chefe e, por fim, sua profunda decepção e revolta ao se ver criminalizado por ousar requerer sua própria aposentadoria. Por isso, foi preso e torturado por alguns anos. Depois de solto, os dez anos seguintes foram dedicados a um único objetivo: fugir do país que ele tanto ama para simplesmente poder viver em paz.

Eis o último parágrafo do livro: “Cometi o erro de dedicar a primeira metade de minha vida à proteção de um homem que eu admirava, em sua luta pela liberdade do país e em seu ideal revolucionário, antes de vê-lo tomado pela febre do poder absoluto e pelo desprezo ao povo. Mais que sua ingratidão sem fim por aqueles que o serviram, condeno sua traição. Pois ele traiu a esperança de milhões de cubanos. E, até o fim dos meus dias, uma pergunta rondará minha mente: Por que as revoluções sempre acabam mal? E por que seus heróis se transformam, sistematicamente, em tiranos piores que os ditadores que eles combateram?”.

* João Cesar de Melo é arquiteto, artista plástico, escritor e colunista do Instituto Liberal.



A comunicação educativa no processo de retomada social

Alguns governos municipais e estaduais, a partir desse mês, começam a criar e implementar um plano de retorno às atividades comerciais, culturais, educacionais, entre outras.


Direita ou esquerda? Atenção aos atalhos!

Você deve estar pensando: lá vem mais um textão sobre reflexões políticas. Mas não é disso que vamos tratar aqui.


George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.