Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A pior dor do mundo

A pior dor do mundo

02/05/2015 Dr. Eloy Rusafa

Já imaginou sentir uma brisa no rosto e, de repente, ser tomado por uma dor sem igual?

A neuralgia do trigêmeo pode surgir em situações corriqueiras do dia-a-dia, como o vento no rosto, frio, calor, falar, mastigar ou até mesmo tocar a face.

A ‘Neuralgia ou Nevralgia do Trigêmeo’ é um distúrbio neurológico que ganhou maior notoriedade graças a algum espaço conquistado na mídia recentemente, porém continua sendo um tema repleto de dúvidas e questões a serem esclarecidas. O fundamental é ressaltar que não há uma prevenção efetiva e a neuralgia do trigêmeo pode aparecer sem prévio aviso. Conhecida também como a ‘pior dor do mundo’, a neuralgia do trigêmeo consiste em choques agudos na face que geram crises que podem durar de segundos até 30 minutos, mas podem repetir-se de maneira consecutiva até por semanas.

É possível também que a dor ocorra apenas uma vez e nunca mais retorne, porém, qualquer caso deve ter acompanhamento médico. Após uma crise, o indivíduo não fica com sequelas, porém suas dores constantes e incapacitantes causam uma piora significativa na sua qualidade de vida. É uma doença mais comum em idosos, porém, também ocorre em jovens, apresentando quadros mais intensos, mas também com melhores respostas ao tratamento cirúrgico.

O nervo trigêmeo, além de ser responsável pela sensibilidade da face, também inerva a musculatura da mastigação, responsável pelo movimento de abertura e fechamento da boca. Entretanto, esta função, em geral, não é afetada na neuralgia do trigêmeo, apesar da dor poder causar a sensação de assimetria do rosto. Entre as causas da doença estão a compressão do nervo trigêmeo por artérias ou veias na sua saída do tronco encefálico, perda da capa que o recobre o nervo ou mielina, ou até mesmo lesões dentárias tratadas em que houve manipulação da raiz do dente.

Também pode ser causada por doenças do sistema nervoso central, como a esclerose múltipla e o derrame no tronco encefálico. Depois de desencadeado o distúrbio, quaisquer estímulos, inócuos ou dolorosos, são capazes de gerar as crises. Seu tratamento inicial inclui o uso de medicamentos anticonvulsivantes, que apresentam uma boa resposta em até 60% dos pacientes. Em casos mais complexos, sem melhora com medicação, deve ser avaliada a possibilidade de intervenção cirúrgica, que pode ser realizada de diversas maneiras a ser julgada pelo médico que faz o acompanhamento do paciente.

A dor insuportável associada à falta de conhecimento sobre o distúrbio pode levar uma pessoa a confundi-la com os sintomas de um AVC ou da ruptura de um aneurisma, gerando desespero na vítima e familiares. Dessa maneira, faz-se necessário a conscientização da sociedade a respeito da doença, que, infelizmente, não tem uma prevenção, mas deve ser diagnosticada de maneira precoce por um médico especialista para orientação adequada do tratamento.

*Dr. Eloy Rusafa é neurocirurgião e especialista em coluna com técnicas minimamente invasivas. Tem o título de Especialista e Membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.



Uso consciente do crédito pode ajudar a girar o motor da economia

Muita gente torce o nariz quando o assunto é tomar empréstimo, pois quem precisa de crédito pode acabar não conseguindo honrar essa dívida, tornando esse saldo devedor uma bola de neve.


Voltar primeiro com os mais velhos: mais autonomia e continência

Nunca pensei que chegaria esse dia, mas chegou! Um consenso global sobre o valor da escola para as sociedades, independentemente do seu PIB.


Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.