Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A pior dor do mundo

A pior dor do mundo

02/05/2015 Dr. Eloy Rusafa

Já imaginou sentir uma brisa no rosto e, de repente, ser tomado por uma dor sem igual?

A neuralgia do trigêmeo pode surgir em situações corriqueiras do dia-a-dia, como o vento no rosto, frio, calor, falar, mastigar ou até mesmo tocar a face.

A ‘Neuralgia ou Nevralgia do Trigêmeo’ é um distúrbio neurológico que ganhou maior notoriedade graças a algum espaço conquistado na mídia recentemente, porém continua sendo um tema repleto de dúvidas e questões a serem esclarecidas. O fundamental é ressaltar que não há uma prevenção efetiva e a neuralgia do trigêmeo pode aparecer sem prévio aviso. Conhecida também como a ‘pior dor do mundo’, a neuralgia do trigêmeo consiste em choques agudos na face que geram crises que podem durar de segundos até 30 minutos, mas podem repetir-se de maneira consecutiva até por semanas.

É possível também que a dor ocorra apenas uma vez e nunca mais retorne, porém, qualquer caso deve ter acompanhamento médico. Após uma crise, o indivíduo não fica com sequelas, porém suas dores constantes e incapacitantes causam uma piora significativa na sua qualidade de vida. É uma doença mais comum em idosos, porém, também ocorre em jovens, apresentando quadros mais intensos, mas também com melhores respostas ao tratamento cirúrgico.

O nervo trigêmeo, além de ser responsável pela sensibilidade da face, também inerva a musculatura da mastigação, responsável pelo movimento de abertura e fechamento da boca. Entretanto, esta função, em geral, não é afetada na neuralgia do trigêmeo, apesar da dor poder causar a sensação de assimetria do rosto. Entre as causas da doença estão a compressão do nervo trigêmeo por artérias ou veias na sua saída do tronco encefálico, perda da capa que o recobre o nervo ou mielina, ou até mesmo lesões dentárias tratadas em que houve manipulação da raiz do dente.

Também pode ser causada por doenças do sistema nervoso central, como a esclerose múltipla e o derrame no tronco encefálico. Depois de desencadeado o distúrbio, quaisquer estímulos, inócuos ou dolorosos, são capazes de gerar as crises. Seu tratamento inicial inclui o uso de medicamentos anticonvulsivantes, que apresentam uma boa resposta em até 60% dos pacientes. Em casos mais complexos, sem melhora com medicação, deve ser avaliada a possibilidade de intervenção cirúrgica, que pode ser realizada de diversas maneiras a ser julgada pelo médico que faz o acompanhamento do paciente.

A dor insuportável associada à falta de conhecimento sobre o distúrbio pode levar uma pessoa a confundi-la com os sintomas de um AVC ou da ruptura de um aneurisma, gerando desespero na vítima e familiares. Dessa maneira, faz-se necessário a conscientização da sociedade a respeito da doença, que, infelizmente, não tem uma prevenção, mas deve ser diagnosticada de maneira precoce por um médico especialista para orientação adequada do tratamento.

*Dr. Eloy Rusafa é neurocirurgião e especialista em coluna com técnicas minimamente invasivas. Tem o título de Especialista e Membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa