Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A poderosa natureza

A poderosa natureza

25/06/2024 Benedicto Ismael Camargo Dutra

O dinheiro é um vírus que corrompe tudo e quando a pessoa se “infecta”, dificilmente se livra.

O planeta Terra é a grande hospedaria destinada à evolução espiritual. Os homens querem riqueza e poder. O Estado-nação foi travado pelas ambições pessoais e ameaça ruir.

A China, com sua reserva em dólares conquistada com as exportações, tem caixa único e controle. Agora procura ativos rentáveis que possam conservar e ampliar a reserva, enquanto os EUA, envolvidos em guerras, acumulou dívidas e precisa emitir moeda, comprometendo o dólar.

Se a finalidade do planeta tivesse sido seguida, a situação mundial seria amena e pacífica.

Acabou a preocupação, cada um está fazendo o que quer como pode. A licenciosidade sexual posta em prática desde a infância está afetando a maioria dos jovens que se sentem perdidos, sem rumo, pois não receberam a correta educação e não conseguem estabelecer propósitos de vida enobrecedores para seguir em frente como seres humanos de qualidade, fortes, corajosos, autoconfiantes.

Está faltando naturalidade em tudo. Vamos torcer pelo aprimoramento da espécie humana.

Todo mundo precisa abrir o olho para o mundo. As massas se acomodaram. O excesso de circo e pão imbeciliza. Os problemas se acumularam. A casta governante foi deixando para depois, e foi perdendo a credibilidade.

O futuro está chegando, trazendo o acúmulo dos erros da humanidade que se aferrou ao mundo material, deixando de lado o espiritual.

Os acontecimentos dramáticos dão ensejo para refletir sobre a vida e seu significado. O que somos nós?

Os homens querem poder; a sua lógica é a do imediatismo para continuarem se beneficiando. Cada povo e cada nação deveriam estar construindo e melhorando as condições de vida, promovendo evolução e convivência pacífica.

O comércio deveria ser complementar entre as nações, mas o egoísmo criou a geoeconomia, o monopólio dos recursos naturais, o mercantilismo, o que requer armas para os países se imporem. O Ocidente fechou fábricas, perdeu o chão do aprendizado.

No Brasil, a carga tributária está no limite, a economia não suporta aumentos. Os gastos não se reduzem. Seria importante fazer a economia e a produção crescerem, mas não está fácil.

No século 21, vão aparecendo as consequências do atuar da humanidade, nada mais é sagrado. Estamos perdendo a noção do significado da vida e não nos incomodamos se com nossas ações a destruirmos. A justiça da lei maior que deu origem à Criação alcançará a toda a humanidade.

Há uma sensação de desmanche, um desmoronar de amplitude, pois os povos perderam o rumo, se afastaram do real sentido da vida erigindo a civilização em bases artificiais.

A produção de bens deveria estar direcionada para atender às necessidades dos seres humanos, mas o dinheiro e o poder são a prioridade.

A produção se mantém estagnada, falta comida, mas o montante financeiro vai crescendo como bolha. São muitas variáveis interferindo. Atualmente a taxa de juros para o dólar é a preponderante.

Mentiras são fabricadas para serem lançadas sobre o público. O ser humano se afastou daquilo que devia ser e criou o mundo das mentiras. Em geral o viver passou a ser artificial.

Os indivíduos agem como se estivessem interpretando um papel, mas a espécie humana caminha para baixo. As novas gerações deveriam avançar mais do que as anteriores, mas por que estão retrocedendo?

Com a velocidade da luz chegam à Terra as aumentadas descargas de energia lançadas pelo sol. Grandiosa e poderosa é a natureza. É nela que foi depositado tudo que a humanidade necessita para sua sobrevivência.

Os homens não a compreendem, não a preservam. As consequências estão surgindo. Perdido o sentido da vida, tudo se perde.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP.

Para mais informações sobre humanidade clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X

Quem somos

Fonte: Silvia Giurlani



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa