Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A polêmica da legalização das drogas

A polêmica da legalização das drogas

30/07/2010 Bruno de Almeida Rocha

Muitos políticos, tanto de esquerda como de direita, pregam a legalização das drogas com base no fundamento da não-intervenção na liberdade individual, o qual aduz que os indivíduos têm direito ilimitado sobre seus próprios corpos, podendo deles se utilizarem da maneira que bem entenderem.

Todavia, o usuário de drogas não acaba apenas com a sua vida, mas com a de seus amigos, familiares, enfim, daqueles que o cercam, bem como com a de toda a sociedade, vez que seus atos podem gerar efeitos devastadores, como, por exemplo, o usuário que mata outro indivíduo para conseguir dinheiro para adquirir a droga.

Certamente, o nível de dano aumentaria muito mais com a legalização. É sabido que a proibição gera danos sim, pois há o tráfico, porém, a legalização, embora extinga esse comércio ilegal, trará um aumento no índice de outros crimes, haja vista que o usuário ainda precisará comprar sua droga e a sua condição financeira será a mesma, independentemente de sua atitude ser legalizada ou proibida.

Nesse sentido, aquele que não tinha condições econômicas para comprar a droga e roubou dinheiro de alguém, terá a mesma atitude se o uso da substância for permitido. A saída, para a obtenção do dinheiro, será a mesma.

Ainda, a legalização das drogas produziria uma maior oferta, exporia um maior número de pessoas ao consumo e, consequentemente, às suas complicações.

Tantas banalizações ofuscam princípios, tornar tudo comum destrói a barreira dos limites. A legalização seria a maneira mais rápida e eficaz de dizer à sociedade que não existem mais limites para nada, cada um pode fazer consigo e com o outro o que bem entender. Assim, essa solução, se não atinge, ao menos já beira o caos social.

Usar o argumento de que a legalização é uma questão de saúde publica, vez que se assim fosse, haveria uma disponibilização de drogas mais puras, assim como de seringas e agulhas limpas, é algo falho e inconsistente, pois a legalização não torna o produto saudável, como exemplo, o cigarro e o álcool.

Portanto, o fato de legalizar não o torna menos destruidor ao corpo do usuário, bem como não garante uma dose de uso recomendada, pois, como dito anteriormente, elevado é o número de pessoas que, já no primeiro consumo de qualquer droga, tornam-se dependentes.

Precedentes não podem ser abertos, a legalização do uso de drogas seria a legalização de um crime, o que possibilitaria, futuramente, a legalização do furto, do roubo e, quem sabe, do homicídio. A sociedade precisa de freios para poder se desenvolver, para acelerar seu crescimento.

* Dr Bruno de Almeida Rocha e por Gabriel Henrique Pisciotta, do Fernando Quércia Advogados Associados.

Fonte: Floter&Schauff



A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.