Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A primeira tragédia e a segunda comédia

A primeira tragédia e a segunda comédia

26/03/2016 Amadeu Garrido

Análise crítica sobre o atual momento vivido pelo País, um fato que irá ficar marcado na história do Brasil.

Bem reagiu o diretor Cláudio Botelho ao fazê-los lembrar-se (impossível, nem nascidos eram) da interrupção de "Roda Viva", pelo Comando de Caça aos Comunistas (CCC), a mando do Cenimar e de outros órgãos da ditadura militar. CCC da esquerda, um dia viria com seus métodos, quem diria.

Que "golpe"? O que se verifica é um povo inconformado com a maior corrupção já vista no mundo, tanto que a Suíça está para repatriar R$ 800 milhões de dólares ao Brasil, quantia superior às de todos os ditadores do mundo. Ferdinand Marcos e a Família Duvalier, com seu Papa e seu Baby Doc, viraram fichinhas perto da Lava Jato.

Para ocultar essa invasão e apropriação, própria do crime organizado, no Estado e finanças públicas brasileiras, recentemente inventou-se um tal de golpe contra o Estado de Direito Democrático, em razão de procedimentos mal avaliados por juristas de procedimentos do Juiz Moro e da mais expressiva manifestação das ruas de toda a história brasileira, sem o engajamento político e organizacional que se verificou nas minoritárias manifestações favoráveis ao governo.

Curioso Estado de Direito Democrático, em que nem todos são iguais perante a lei, em vista dos privilégios de foro por exercício de função, sob o eufemismo de foro por "prerrogativa", em que ser ou não ser Ministro pode ser definido por Medida Provisória, como ocorreu, entre outras hipóteses de ampliação do conceito de Ministro, com o Chefe da Casa Civil da Presidência da República (MP 1498/96).

Em países democraticamente civilizados, nem mesmo os Chefes de Estado ou de Governo gozam de privilégio de jurisdição pela prática de crimes comuns. Devem enfrentar juízes de primeira instância, como qualquer cidadão comum.

Nossas constituições anteriores não consagravam tal privilégio, uma autêntica derrapagem ética da Constituição Cidadã de 1988. Destarte, acusados criminalmente se homiziam em cargos de cúpula, como o pretenderam a Presidente da República e seus assessores petistas, para blindar o chefe Luiz Inácio.

Blindar não porque o STF careça de credibilidade, como demagogicamente, mais uma vez, distorceu os fatos a Presidente da República. Simplesmente, porque os Tribunais, destinados a julgar processos prontos, não estão aparelhados para promover instruções processuais, ouvir testemunhas, realizar complexas perícias etc.

Não se argumente com o Mensalão, porquanto, no curso da Ação Penal 430, muitos outros processos penais foram sacrificados e prescreveram-se as penas. Do mesmo modo, as estatísticas demonstram que grande parte das ações penais originárias do STF terminaram em prescrição ou absolvição por falta de provas (nesta hipótese, vide caso Collor).

Ante o descalabro, o que pretendiam esses jovens que gozam da possibilidade de frequentar teatros? Que os órgãos da Justiça Brasileira nada fizessem?

Que o povo, em sua maioria, permanecesse apático, porquanto os protestos políticos devem ser exclusivos de uma minoria intelectualizada e politicamente correta? Não se criticou, desde o Império, a apatia política do povo brasileiro, assistente bestializado das ocorrências políticas da Nação, nas palavras de nossos mais insignes historiadores?

Que "golpe"? A imagem terrível do demônio foi inoculada, especialmente por docentes lulopetistas, nas mentes potencialmente brilhantes de nossos jovens estudantes. Veio a esquizofrenia. Há um grupo de inimigos da democracia querendo golpeá-la, não se sabe onde estão ocultos. Não vai haver "golpe". Nem futuro de um país livre, constitucionalizado e ético, sem opressão e assaltos matreiros e sempre negados, não obstante solares evidências.

*Amadeu Garrido de Paula, é um jurista brasileiro com uma visão bastante crítica sobre política, assunto internacionais, temas da atualidade em geral. Além disso, tem um veio poético, é o autor do livro "Universo Invisível". 



A depressão e o desemprego

Em todo país, o desemprego atinge 12,6 milhões de pessoas.


Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.