Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A quebra da matriz energética

A quebra da matriz energética

09/02/2014 Dirceu Cardoso Gonçalves

A Petrobras reclama prejuízos porque o governo a obriga vender a gasolina mais barato do que compra.

Os produtores de álcool dizem que o setor está em crise e tende a diminuir a produção. A frota nacional, a que se destinam os combustíveis, cresce vertiginosamente, impulsionada pelos esforços do governo na manutenção dos empregos na indústria automobilística.

As falhas na distribuição de água e eletricidade irritam o consumidor, que já parte para protestos violentos. Verifica-se, ainda, a escassez de água nos reservatórios, que já obriga o pedido de economia e até o racionamento do precioso líquido e certamente terá repercussão na geração energética, obrigando o sistema a produzir eletricidade a partir de termoelétricas, mais caras e poluentes que a fonte hidráulica.

A Petrobras, criada em 1953, por Getúlio Vargas, era tida como a salvação energética do Brasil e pode até ter sido durante muito tempo, mas hoje acusa problemas de fluxo de caixa. As dificuldades do mercado de combustíveis, água e eletricidade, coincidentemente, nos remetem a 1954, ainda sob Getúlio, quando a marchinha de carnaval “Vagalume” cantava o Rio de Janeiro como “cidade que nos seduz, de dia falta água, de noite falta luz".

Essa condição, hoje, é aplicada a muitas cidades, até regiões inteiras e com uma diferença fundamental. A falta que eletricidade, principalmente, fazia há 60 anos era infinitamente menor que a de hoje, quando tudo depende de comunicação, computador e outros equipamentos elétricos. Sem eletricidade tudo para... Um olhar mais abrangente sobre as crises setoriais e sua somatória, nos enche de preocupação.

Os diferentes setores da economia não podem operar indefinidamente “no vermelho”. Se isso continuar ocorrendo, logo não teremos mais combustíveis em volume compatível com a frota e o abastecimento de água e eletricidade será, também, insuficiente à demanda.

É preciso a adoção, rápida, de medidas que equilibrem os setores e, de preferência, não provoquem a volta da inflação, cujo controle tem sido o grande trunfo nacional dos últimos 20 anos. A tarefa é grande e de alta relevância nacional. Os candidatos às próximas eleições – independente do partido – deveriam se interessar por essa problemática, antes que a escassez se transforme em crise econômica e social...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.