Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A queda da taxa de juros e a economia brasileira

A queda da taxa de juros e a economia brasileira

27/10/2016 Pedro Raffy Vartanian

A produção e o emprego reagem positivamente a esse cenário.

O Banco Central do Brasil reduziu a taxa básica de juros da economia para 14% ao ano, de acordo com a expectativa da maior parte dos economistas. Indicadores do mercado futuro também apontavam essa queda.

A redução é compatível com o cenário macroeconômico atual e o início do ciclo de queda dos juros no Brasil se justifica pela retomada do controle da inflação. Vale lembrar que a inflação acumulada de 12 meses ficou em patamares muito elevados em 2015 e 2016, mas o cenário para 2017 é otimista, com a inflação prospectiva muito próxima do centro da meta, de 4,5%.

Vale destacar, ainda, que mesmo que a redução tenha sido de apenas 0,25 p.p., há um efeito importante sobre as expectativas tanto dos consumidores quanto dos empresários, de modo que, mesmo com uma certa defasagem, inicia-se o processo de retomada do consumo e do investimento das empresas com a redução gradual do custo do crédito.

Com o tempo, a produção e o emprego reagem positivamente a esse cenário. Adicionalmente, o último trimestre do ano tem um desempenho melhor em decorrência de 13% salário e das festas de fim de ano, o que significa que a economia brasileira reuniu as condições para a retomada do crescimento econômico.

No entanto, o processo de queda dos juros deve ser parcimonioso, em decorrência de incertezas que podem impactar negativamente a economia brasileira, como o aumento da taxa de juros nos EUA, que tende a provocar uma desvalorização do Real, e as incertezas no campo fiscal, tendo em vista que o Brasil terá déficits significativos em 2016 e 2017, superiores a R$ 100 bilhões.

De todo modo, a experiência brasileira recente confirmou duas grandes questões: Primeiro, a política econômica deve ser cuidadosa com o controle da inflação, dado que o descontrole dos preços acarreta ciclos econômicos indesejáveis, com queda na produção e no emprego.

Em segundo lugar, o processo de elevação da taxa de juros mostrou importância em termos de controle da inflação, o que confirma a relevância da política monetária na estabilidade dos preços.

* Pedro Raffy Vartanian é professor do Mestrado Profissional em Economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie e Pesquisador do Centro Mackenzie de Liberdade Econômica.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.