Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A questão da cannabis: Aqui não é o Uruguai, nem lá é o Brasil

A questão da cannabis: Aqui não é o Uruguai, nem lá é o Brasil

11/12/2013 Wellington Fontes Menezes

Vem se criando toda uma prosopopéia, sem eira nem beira, por parte de alguns grupos pró-liberação da maconha que, agora, buscam justificar sua demanda com algo que sequer foi regulamentando no Uruguai.

Lá, o governo do humanitário presidente José Mujica tenta na base de lei governamental liberar o uso da maconha com controle estatal (todavia, ainda sequer foi definido com será tal procedimento e se terá êxito esse processo). Por que o Uruguai não é o Brasil?

Simples: a nação do bom e sincero presidente José Mujica tem uma extensão territorial menor que o Estado do Paraná e um terço da população que tem neste mesmo Estado. As questões problemáticas já começam por aí. Ademais, nenhum país, nem mesmo a tão liberal Holanda teve efeitos duradouros com a liberação massiva de drogas (com idas e vindas em seus estatutos), considerando que lá também é uma espécie de Uruguai européia em dimensão e população.

Portanto, o nível de complexidade da relação Brasil com o Uruguai é drasticamente maior e com maiores impactos sociais. Isto não é apenas retóricas numéricas, há ainda questões voltadas para o conservadorismo de parte significativa da sociedade que é intrínseco a qualquer sociedade (o que pode variar é a intensidade em cada meio social).

Curiosamente, de tantos problemas subst anciais brasileiros, um dos mais irrelevantes (levando em consideração que não são elementos prioritariamente estruturantes, mas que tem seu potencial de sublimação) e que conduz mais níveis de violência se concentra nos vícios privados, enfatizando o desejo pela droga (ou seja, onde há a Lei, funda-se o desejo; na ausência da Lei, há o desapego). Todavia, do ponto de vista de políticas públicas, nem sempre as coisas são tão triviais quanto possam parecer, principalmente, em países com profundos problemas estruturais como é o caso brasileiro.

Sintomaticamente, ainda sobreos problemas latentes na sociedade brasileira, há aqueles que procuram se organizar em grupos para pedir liberação de um bem basicamente supérfluo (o prazer da sublimação), o que caracteriza de imediato a pouca importância pelas demandas urgentes de boa parte dos brasileiros em situações precárias e, seguindo esta linha, de uma profunda natureza narcísi ca de auto-interesse imediatista (fenômenos escancarados na Pós-modernidade).

Questões que também deveriam ser refletidas por tais grupos pró-drogas nesta ficcional Suécia Morena imaginada por eles e onde quase tudo já foi consertado em nosso Éden tropical. Oxalá se fosse tão real assim! Mesmo que liberado a comercialização da cannabis, não deixará de ter o seu "mercado negro" com suas máfias características buscando menores preços que os supostamente praticados pelo controle estatal permitindo e de maior potencial alucinógeno (não vamos esquecer que estamos mergulhados até o pescoço com as leis do mercado e, um bom exemplo de oferta diversificada são os derivados de mudas de maconha transgênica, potencialmente mais forte e viciante).

Salienta-se que se a experiência uruguaia der bons resultados em seu território, isto requer tempo e, provavelmente, é um mérito que deverá ser entendida como apenas um sinal que em comunidades pequenas, a liberação controlada de maconha poderá ter alguns avanços significativos do ponto de vista social. Toda liberação de drogas deveria ao menos ter um olhar prioritariamente de saúde social, é neste campo tão fundamental que raramente é debatido, apenas voltado pelas necessidades consumistas imediatas.

Ademais, poderá ter outras possibilidades de estudar uma abertura para fins supostamente medicamentosos, mas que teria uma forte regularização estatal. Para a classe média branca, bem nutrida e com grana para bancar, sustentar e patrocinar a violência social que tanto ela reclama, parece tudo muito simples. Trocando em miúdos, são os elementos desta mesma classe média q ue busca puxar um fumo sem os constrangimentos legais de ter um policial querendo "cortar o barato".

Para tal grupo que raramente faz questão de olhar para o próprio umbigo (típico das classes pequeno-burguesas), parece simples liberar numa única canetada uma lei qualquer de alforria para drogas e todo o paraíso alucinógeno adjacente como se não tivesse nenhum efeito colateral e fortes impactos sociais de curto à longo prazos. Não é um debate tão simplista e genérico como tenta demonstrar de forma falaciosa a maioria dos que propõem a fazê-lo (naturalmente com interesses de consumir a bendita erva!).

Ademais, já temos um sortilégio de drogas nefastas que são legalizadas causando anualmente um incalculável prejuízo para o Brasil em ordem financeira, material, prisional, médico-psico-hospitalar e, lamentavelmente, em trágicas e inúteis mortes (de forma direta ou indireta por razões ligadas ao consumo de drogas). Mais drogas a d isposição legal na sociedade seria apenas ampliar as velhas e trágicas estatísticas e apenas permite a grande ilusão de criar paraísos artificiais via os fáceis mecanismos alucinógenos.

Liberar mais drogas na sociedade seria apenas criar mais fugas alucinadas para ocupar um espaço em sociedades tão intrinsecamente esvaziadas. Pergunta-se até quando a sociedade quer se ocultar diante desse tipo de debate imediatista, frágil, ralo e insípido de suas querelas existenciais?

*Wellington Fontes Menezes é mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP).



A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.