Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A realidade de um trabalhador desempregado

A realidade de um trabalhador desempregado

25/04/2007 Divulgação

Todo dia Antônio acorda pensando se seu dia será diferente amanhã. Mesmo com medo de enfrentar mais um dia de frustrações e rejeições, não desiste, afinal, as contas para pagar só aumentam e o dinheiro que havia garantido em sua demissão, só diminui.

O desemprego pegou Antônio de surpresa, após 20 anos de trabalho em uma mesma empresa, não esperava sua demissão. No início parecia fácil, mas com o tempo, não sabia o que fazer com o tempo livre, e começou a trocar o dia pela noite. Sentindo-se um estranho dentro de sua própria casa, vivendo situações antes inimagináveis, passou a se sentir sozinho e deslocado. A vida social tornou-se um problema e Antônio não sabe mais responder ao questionamento de sua família. É muito difícil enfrentar uma sociedade que julga de maneira negativa o desempregado.

Todos nós crescemos ouvindo que ‘o trabalho enobrece o homem’, que ‘vagabundo é aquele que não trabalha’, e que ‘só não trabalha quem não quer, e com Antônio não foi diferente. A temática da marginalização acompanha o desempregado que tem no tempo seu maior desestabilizador, pois quanto mais o tempo passa, mais difícil retornar ao mercado de trabalho, mais difícil ser aceito nas entrevistas de recrutamento, mais fácil ser rejeitado, mais fácil se sujeitar a qualquer trabalho mal remunerado, mais fácil a família desistir e  principalmente os amigos se afastarem.

Nos caminhos tortuosos da compreensão que o desemprego exige, Antônio tenta compreender o que se passa, porque se sente estranho e porque todos vêem de forma banal seu sofrimento. O problema é que o desemprego não tem data de término, e Antonio não sabe quanto tempo vai durar, o futuro para ele é uma incógnita e a espera só o fragiliza.A partir do momento em que o sujeito está desempregado e quer retornar ao mercado de trabalho, suas aflições passam a ser muitas. Às vezes o medo, às vezes a culpa, às vezes a angústia. Esses são os sentimentos que se misturam no dia-a-dia de Antônio.

O medo é o de não conseguir restabelecer-se. A culpa por se sentir responsável pela perda do emprego, a angustia por não saber como será o seu amanhã. Antônio busca constantemente compreender a demissão, sempre se perguntando: Onde foi que eu errei? É natural buscar razões e motivos para o ocorrido. Quase sempre, quando fazem um balanço de sua história profissional, tendem a culpar-se e a responsabilizar-se pela perda do emprego. Falar sobre isso é falar sobre algo tão importante que pode alterar o modo de relação do sujeito consigo, com sua vida e com os outros.

O desemprego afeta a forma de ser dos indivíduos, as estruturas familiares e sociais. Os trabalhadores demitidos estão diante da ruptura de uma história, questionam-se sobre seus valores, sobre seu futuro, sobre suas vidas. A perda do emprego pode representar para o sujeito não uma, mas inúmeras perdas e rupturas.

A história de Antonio é como muitas outras histórias, de luta e sofrimento. O caminho não é tranqüilo, lidar com o desemprego é sofrer constantes feridas e cicatrizações. Ter que se refazer é o que constantemente tem que se fazer para enfrentar mais um dia. Isso me lembra o próprio Mito de Fênix, ave mitológica que tem o poder de se reproduzir sozinha, após atear fogo em si própria, renasce das suas próprias cinzas.

Enquanto isso... As exigências do mercado, cada vez maiores, e a fragilidade do sujeito, cada vez mais afetada com o passar do tempo, faz com que os sujeitos questionem-se sobre suas capacidades.

O caminho da aceitação parece depender cada vez mais de situações alheias à vontade dos profissionais que estão em busca de um novo emprego. Precisam ser escolhidos e dependem de um olhar avaliativo para isso.

O desempregado, já fragilizado, tem que se deparar com as situações de seleção e avaliações. Isso se complica quando o profissional sente-se, por exemplo: “velho demais”; ou sem uma exigência constante do mercado, como “seu inglês é fluente”?

Além disso, como não considerar um agravante: o tratamento que as empresas e os recrutadores dentro das empresas oferecem aos desempregados?

A maioria dos profissionais que está desempregado reclama do tratamento que recebe nas entrevistas de emprego, muitas vezes relatando histórias de humilhações, desrespeito e preconceito.

Laura Marques Castelhano é Graduada e Mestre em Psicologia pela PUC/SP.



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.