Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A renovação de uma economia em cem dias

A renovação de uma economia em cem dias

09/05/2017 Daniel Toledo

Sem dúvida, o governo de Donald Trump é marcado por polêmicas e protestos dos mais variados tipos.

Desde parlamentares a grupos de organizações sem fins lucrativos, há sempre um núcleo que se opõe a suas “iniciativas”. A que mais chamou atenção foi em relação a sua política de imigração, que vem sendo anunciada antes mesmo da sua candidatura.

Ele fechou as fronteiras e passou a mandar de volta quem estava ilegal. Quem tem greencard mas pertence a pais ligado ao terrorismo, teve o seu direto a permanência negado. A princípio, falou-se que o governo iria expulsar somente aqueles que possuíam fichas criminais, mas quem estava acompanhando essas pessoas também foram detidas, culminando em uma série de prisões e deportações em massa.

Hoje, o número de pessoas que retornam é histórico. E essa conduta não irá, e nem deve, parar. Esse grupo compete diretamente com quem está nos Estados Unidos de forma legal e principalmente com o jovem americano, que almeja um emprego estável para iniciar seus planos.

O objetivo claro desta medida é construir uma pátria forte e justa para os contribuintes que possam colaborar, de forma efetiva, para o seu crescimento. Infelizmente, não vemos essa mesma conscientização no Brasil, o que já seria uma mudança favorável para aqueles que sofrem com uma das maiores cargas tributárias.

O projeto de lei de migração número 2.516/15 foi aprovado no começo de mês de abril pelo plenário da Câmara dos Deputados. O dispositivo versa sobre os direitos e deveres do imigrante e do visitante, regula a sua entrada e estada no país e estabelece princípios e diretrizes sobre as políticas públicas.

Entre os princípios está a garantia ao imigrante da condição de igualdade com os nacionais, a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade e o acesso aos serviços públicos de saúde e educação, bem como registro da documentação que permite ingresso no mercado de trabalho e direito à previdência social e a permissão de exercer cargo, emprego e função pública.

Isso, sem dúvida, coloca o brasil na vanguarda os direitos humanos, mas a que custo? Basta analisarmos o alto índice de desemprego, péssimas condições de serviço público de educação, um déficit de moradia batendo na casa dos 6,2 milhões, segundo dados do IBGE, sem falar na saúde, políticas de incentivo ao esporte, cultura e laser onde todos os setores são corrompidos.

Dentro desde cenário caótico, como abrir fronteiras e atender a todos? Se nem a lição de casa estamos fazendo? Como que o brasileiro vai sustentar essa demanda? Com o slogan make america great again, faça a américa grande novamente, ele adotou uma estratégia agressiva e inteligente. Não vou entrar na questão se tudo o que ele faz é certo ou não, mas todos já sentem a economia crescendo. E muito.

Emprestar para o político o que há muito tempo já faz na vida de empresário, fazer a coisa acontecer, tem sido excelente para a economia americana. E ainda faz. As movimentações financeiras de Trump têm garantido aos bancos um panorama estável. O crédito está cada vez mais acessível e a possibilidade de financiamentos e credito são imensas, o que é ótimo para quem deseja empreender.

Passou a atrair investidores estrangeiros, oferendo facilidades, aumentando a taxa de juros, o que gera interesse em investimento, segurança jurídica nos contratos, fruto das mudanças na legislação para facilitar as negociações. Na etapa seguinte, praticamente jogou os impostos no chão reduzindo até 70%.

Alguns foram cortados em 1/3, o que significa uma entrada significativa de dinheiro, resultando em mais pessoas trabalhando, empregos garantidos, gerando consumo e garantindo impostos em outros pontos, que acabam reportando para os cofres públicos. Não há mais as cotas de cortes de isenção como existe no Brasil.

Todos pagam e recebem os mesmos benefícios para custear as despesas com filhos, manutenção entre outros milhares de itens que envolvem o dia a dia de uma família, resultando um em equilíbrio nas contas. Entre todas essas medidas visam o incentivo à economia e o gasto dos americanos.

Passou a construir para o mercado americano e para quem está legal. Como consequência, vai aumentar a renda per capita e o PIB, resultando em uma melhor condição de vida, o que já está muito claro para quem está nos EUA. Outro ponto que merece destaque: a indústria bélica americana, que é a maior do mundo.

Com uma economia sólida, fronteiras fechadas, crescimento de todos os setores, o país entra na guerra, o que vai injetar ainda mais dinheiro com a venda de armamento permitindo uma grande captação de recurso nos próximos dois anos.

Em cem dias, o presidente Trump conseguiu criar uma estrutura como se fosse uma grande empresa, para que agora, seja possível captar dinheiro.

* Daniel Toledo é graduado em direito pela Universidade Paulista.



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.