Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A revolução do mercado não dá opções: ou muda ou morre!

A revolução do mercado não dá opções: ou muda ou morre!

03/06/2022 Daniel Guimarães

Com o perdão da força de expressão no título deste artigo, é preciso dizer que ele traz mais verdades do que excessos. O mercado mudou radicalmente.

O comportamento dos consumidores não é apenas fruto do que eles mesmos desejam, mas do que a própria indústria tem a oferecer.

Mas quem, efetivamente, oferece? Essa é uma das questões que precisamos considerar pra falar nessa tal revolução.

Porém, antes de qualquer coisa, é preciso abolir a ideia de que é necessário apenas ter um bom produto para entrar no mercado.

Foi-se o tempo – e isso faz 40 anos! – em que a realidade mercadológica era centralizada no que havia de oferta.

Hoje, o mercado de cosméticos, de laticínios, de vestuário e de muitos outros produtos convive com um número imenso de concorrentes se atracando não apenas pela preferência do consumidor, mas pelo próprio acesso ao comércio varejista.

A consequência disso é que as super indústrias investem pesado no produto, na embalagem, nos processos de fabricação, mas também nos lobbies necessários para vencer uma concorrência que vai muito além da qualidade e do preço.

Isso, é claro, dificulta ainda mais o caminho dos pequenos. Mas é impossível vencer os gigantes? A resposta é não. Ainda dá para ganhar um espaço que tende a ser somente deles, mas é preciso adotar estratégias audaciosas.

A primeira coisa é entender que essa estratégia é como um cabo de aço. Quanto mais fios você acrescentar nas amarras, ou seja, quanto mais táticas puder lançar mão, mais resistente será esse cabo.

Portanto, não basta investir somente na qualidade. É preciso compreender bem, minuciosamente, todas as etapas do próprio processo, desde a relação com o seu fornecedor até o contato com o cliente.

Antes disso, ainda deve entrelaçar estratégias pensando nos representantes comerciais e na forma como a marca chega aos olhos e aos ouvidos do varejista.

Outro ponto crucial é saber que não basta ter um portfólio com mais de uma centena de produtos, se a base de vendas se restringe a alguns poucos.

No afã de querer atender às demandas mais pontuais do mercado, às vezes até incoerentes, muitas indústrias abrem mão do próprio porto seguro e se lançam a um mar agitado, como é o mercado, acreditando que o novo produto vai fazer um sucesso estrondoso.

Ora, quais foram os percursos, incluindo pesquisas de mercado e relacionamento direto com os varejistas, que levaram a uma conclusão tão afirmativa?

É perfeitamente admissível considerar que a estratégia não necessariamente esteja na ampliação do leque de ofertas ao mercado, mas na sua redução, concentrando os investimentos nos produtos que são, de fato, os mais importantes do portfólio.

E é preciso que o fabricante encare essa hipótese de frente. O grande desafio desse jogo intenso talvez seja o fato de que ninguém vê todas as cartas que estão sobre a mesa.

Mas, por isso mesmo, o mais recomendável é exatamente não apostar todas as fichas em algo que não é tão tátil quanto parece. O melhor, portanto, é estudar bastante o cenário e tomar as medidas adequadas. Não basta tecnologia.

É preciso considerar a experiência, a inteligência competitiva, o domínio sobre as relações comerciais, e enxergar que os estratagemas hoje estão mais sofisticados.

Mas acredite: tudo isso é bom, desde que se tenha expertise para manusear as armas necessárias para romper com a predileção por uma marca num canal específico do mercado.

Conhecimento é um excelente ativo neste momento. Usá-lo em alta dosagem é o primeiro passo para vencer qualquer concorrência.

Desta maneira, é importante estarem internamente preparados e estudar o mercado com profundidade, o que implica também em conhecer o máximo possível seus concorrentes.

Só com um posicionamento claro é possível conquistar uma vantagem competitiva, ainda que seja num mercado altamente voraz.

Como já ficou evidente, isso é possível. Mas passa pela composição de uma estratégia feita por quem de fato entende dos riscos e, sobretudo, das possibilidades.

Neste contexto é que entram valores inerentes aos cases de sucesso do mundo corporativo. Não basta criar novos produtos cegamente, mas, ao contrário, ter a compreensão plena de como o sistema funciona e a habilidade suficiente para operar com um portfólio concatenado a uma gestão de excelência de ponta a ponta.

É aí o nascedouro de conceitos como branding, marca e posicionamento estratégico. A relação jamais foi só de compra e venda. Se um dia você acreditou nisso, a hora é de esquecer.

* Daniel Guimarães é empresário e CEO da 2DA Negócios + Território.

Para mais informações sobre mercado clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Polícia x Criminalidade

Novamente assistimos pelos jornais de todo o país e nas redes sociais, a nova operação da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro que resultou na morte de 12 pessoas e um policial ferido no olho por estilhaços.


Efeito pandemia: mercado de seguros é alvo da catalização da transformação digital

A pandemia da COVID-19 acelerou novos movimentos de migração de consumidores para o universo online, gerando um salto catalizador para a transformação digital.


Sic transit gloria mundi: o ex-juiz virou réu

Sic transit gloria mundi (toda glória no mundo é transitória), era utilizada no ritual das cerimônias da coroação papal até 1963.


Os riscos do homeschooling para a educação básica no Brasil

O homeschooling ou ensino domiciliar é uma modalidade que se pretende aplicar na educação básica do Brasil.


O futuro já não dura tanto tempo

A situação vivida por uma mulher que, em franco surto psicótico, foi encontrada por seu companheiro mantendo relações sexuais com um homem que vive em situação de rua, dentro de um carro, espalhou-se pelas redes sociais.



Osteopatia: Técnica de medicina complementar é tendência para auto-reparação

A Osteopatia é um método de avaliação e tratamento que busca restabelecer a função da estrutura compreendendo todos os sistemas do corpo sem a utilização de remédios ou intervenção cirúrgica.


Uma imagem vale mil informações

É difícil não se admirar com a quantidade de recursos tecnológicos que temos à nossa mão no mundo contemporâneo.


As inovações e necessidades na retomada dos serviços de campo nos negócios

Quando falamos da necessidade de uma experiência positiva do cliente ao contratar um serviço ou produto, muitas vezes nos referimos à compra e usabilidade, mas não podemos nunca nos esquecer da importância que os serviços de atendimento ao cliente e solução de problemas tem não apenas na fidelização do cliente, mas também na imagem da empresa ao mercado.


A resistência à privatização das estatais

Aprovada na última quarta-feira, pelo TCU (Tribunal de Contas da União), a privatização da Eletrobras causa grande agito nacional.


Conhecimento gera crescimento

O currículo costuma ser a principal referência de uma empresa para entender se um candidato atende ou não aos requisitos que ela necessita para ocupar uma determinada vaga.


Ser mãe é padecer… de cansaço?

Há um ditado que afirma que “ser mãe é padecer no paraíso”, remetendo às contraditórias emoções que seriam desencadeadas pelas vivências cotidianas da maternidade.

Ser mãe é padecer… de cansaço?