Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A situação do Ensino Superior brasileiro e o silêncio da UNE

A situação do Ensino Superior brasileiro e o silêncio da UNE

09/06/2015 Bruno Kazuhiro

Os governos precisam atuar de maneira a buscar avanços e melhorias nesse setor, que é definidor do futuro do país.

O acesso de todos os brasileiros à educação de bom nível e à qualificação profissional configura demanda histórica da nossa sociedade.

Contudo, a situação precária atual das universidades federais e as medidas recentes tomadas pelo governo petista de Dilma Rousseff no que diz respeito ao aumento do preço da taxa de inscrição para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e às dificuldades impostas para os jovens que necessitam do Programa de Financiamento Estudantil (FIES) vão na contramão da promoção de uma educação superior de qualidade e acessível.

Não há dúvidas de que o reajuste da taxa de inscrição do ENEM para um valor que representa quase o dobro do anterior, a redução do número de isenções no que diz respeito a esta taxa e a nova configuração do FIES são grandes equívocos e só trazem malefícios, já que prejudicam em demasia os estudantes e, ao mesmo tempo, não auxiliam de forma relevante a situação fiscal do país, que passa por ajustes exatamente pela má gestão e pela corrupção empreendidas nos governos petistas anteriores.

Ao mesmo tempo, a realidade das universidades federais piora ainda mais o cenário, com atividades paralisadas por problemas financeiros, administração errônea dos recursos, falta de condições mínimas de segurança e de limpeza e alunos sem aulas.

Enquanto isso, a União Nacional dos Estudantes, que deveria denunciar estes erros e defender os jovens brasileiros, nada faz, nada diz, nada propõe.

A instituição se vê paralisada, inerte e calada, provavelmente por ser hoje dominada de forma nociva por um partido político que faz parte da base de apoio do governo e que, portanto, impede que a UNE cumpra seu legítimo papel de representante das demandas estudantis e deixa a impressão de que a entidade nunca mais se desprenderá dos interesses de seus indevidos donos, tendo esquecido sua real missão para sempre.

Neste cenário, torna-se natural que a juventude busque outras formas de se ver representada e os movimentos juvenis organizados pelas redes sociais e que pedem ética na política e até mesmo o impeachment de Dilma Rousseff são exemplos disso.

Ao mesmo tempo, diretórios de estudantes e juventudes partidárias que não se aproximam ideologicamente dos que hoje controlam a UNE passam a enxergá-la como envenenada pela parcialidade e ignorá-la como entidade de fato representativa.

Hoje, cabe aos jovens de outros matizes doutrinários e organizados a partir de novas formas fazer aquilo que a UNE, domada e amestrada, não se digna a fazer: demandar aquilo que o jovem brasileiro necessita e apontar os erros do governo petista quanto aos temas que concernem à juventude. Enfim, mostrar, entre outras coisas, o quão falacioso é o lema “Pátria Educadora”.

* Bruno Kazuhiro é Presidente Nacional da Juventude Democratas.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa