Portal O Debate
Grupo WhatsApp


A Superpoderosa Dilma

A Superpoderosa Dilma

11/11/2010 Helder Caldeira

A revista norte-americana Forbes divulgou na última quarta-feira, 03 de novembro de 2010, a tradicional lista das 68 pessoas mais poderosas do mundo. Adivinhem?! A nossa presidente recém-eleita Dilma Rousseff já está na 16ª posição, o que faz dela a figura de maior poder na América Latina e a situa entre as cinco pessoas mais poderosas das Américas, à frente da secretária de estado e ex-primeira-dama dos EUA, Hillary Clinton, do presidente da Apple, Steve Jobs, e dos fundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin. A mulher já chegou arrebentando a boca do balão!

O cacife internacional da superpoderosa Dilma já supera, e muito, a imagem de seu padrinho político, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na lista divulgada no ano passado, ele ocupava o 33º lugar, a melhor posição de um brasileiro até então. Antes mesmo de tomar posse, Dilma já desbancou Lula (que sequer é citado na lista), o que tende a ser uma constante em seus primeiros meses de governo. Dilma Rousseff também é considerada pela revista como mais poderosa que o presidente da França, Nicolas Sarkozy, os primeiros-ministros do Japão, Naoto Kan, e de Israel, Benjamin Netanyahu, e até mesmo o fundador da Al Qaida, Osama Bin Laden.

A revista não se furtou a rasgados elogios à primeira presidenta eleita de nossa história, destacando que ela está “tomando as rédeas do Brasil” e que “ainda não é um nome familiar, mas será em breve”, já que ela “comandará a maior economia da América Latina, que se prepara para sediar a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016”, além de ser “o maior exportador de açúcar, suco de laranja, café, carne bovina e aves de criação”. Ainda sobre Dilma, a Forbes descreve-a como “ex-guerrilheira marxista que foi presa e torturada, divorciada duas vezes e que, recentemente, sobreviveu a um câncer linfático”, além, é claro, de narrar sua vitória com 56% dos votos nas eleições.

Outro dado interessante revelado pela Forbes é que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deixou de ser o homem mais poderoso do mundo. Perdeu a primeira colocação do ranking para o presidente da China, Hu Jintao. Derrotado nas eleições legislativas norte-americanas, sofrendo forte rejeição interna e afundando na prometida “change” que nunca aconteceu, Obama já é seguido de muito perto pelo Rei Abdullah, da Arábia Saudita, por Vladimir Putin, primeiro-ministro da Rússia, e até pelo Papa Bento XVI.

Já que o poder feminino nunca esteve tão em alta no Brasil, é bom ressaltar que a lista da Forbes reservou para Dilma Rousseff o assento de 3ª mulher mais poderosa do mundo, atrás apenas da chanceler alemã Angela Merkel e da presidente do congresso indiano Sonia Gandhi. O melhor dessa história toda é ver que os grandes líderes mundiais já devem estar colocando suas barbas de molho (a exemplo de Lula), pois, nessa toada, não demora muito para Dilma assumir o topo da lista e mudar o figurino da Mulher Maravilha para verde e amarelo.

* Helder Caldeira - Escritor, Articulista Político, Palestrante e Conferencista - heldercaldeira@estadao.com.br



A responsabilidade dos adultos: o melhor presente

Um historiador disse certa vez que nossa relação com o tempo se dá em torno de dois campos: a experiência e a expectativa.


Muita tecnologia, pouca sabedoria

No dia 3 de setembro de 1989, o comandante Cezar Garcez pilotava o Boeing 737-200 da Varig, na rota São Paulo-Belém, com 48 passageiros e seis tripulantes.


A pandemia e a salvação nacional

A pandemia do coronavírus é mais um flagelo da humanidade.


A Covid-19 e o saneamento

A pandemia do novo coronavírus assusta o mundo pelos impactos na saúde, economia e no bem-estar social.


Cenários para o Brasil: isolamento vertical ou horizontal?

Nos últimos dias foi estabelecido um debate na sociedade brasileira entre duas opções de combate ao impacto do novo coronavírus no país.


Saiba como não entrar em desespero com as oscilações do mercado financeiro

A história demostra que crises passam e acabam beneficiando aqueles que mantêm a racionalidade no lugar da emoção.


O Diabo: o que foi e o que é

Certa noite de Outono, em amena conversa com familiar, este, declarou-me, parecendo sincero:


Liderança: o eterno desafio

A definição mais divulgada de liderança diz que liderar é a capacidade de influenciar e convencer pessoas.


Os requisitos da opinião

O ignorante tem opinião sobre tudo. O sábio, somente sobre o que ele conhece.


Entre a pandemia e o desemprego

A crise de saúde mundial provocada pelo novo coronavírus, agora assentada no Brasil, com um quadro de evolução severo, tem trazido pânico desmedido a toda população.


Enquanto uns choram, outros vendem lenços. Acima do preço.

“Vendedor acumula 17 mil garrafas de álcool em gel, mas não pode mais vendê-las”, diz a manchete do jornal.


O que podemos aprender com Tom Brady?

Qual o principal atributo de um verdadeiro líder?