Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A tragédia da vida ecoa na arte

A tragédia da vida ecoa na arte

03/02/2020 Paulo Stucchi

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.

Em meio à acalorada discussão sobre um mundo que pende perigosamente para os extremos, a comovente história do senhor Andor Stern veio à tona no fim do ano passado. Stern é o único brasileiro vivo sobrevivente do holocausto.

Uma prova viva de que a guerra vai além de seus horrores inerentes – vidas perdidas, destruição, crises humanitárias –, e tem uma face ainda mais perversa: a morte não somente física, mas também psicológica daqueles que por ela são dragados.

Histórias de reencontros de descendentes de irmãos, pais, filhos, amantes… separados pelo campo de batalha ou pelos muros e grades dos Campos de Concentração e Trabalhos Forçados ainda gera grande comoção, mesmo depois de 75 anos da Segunda Grande Guerra.

Casos reais, que renderiam roteiros emocionantes em livros de ficção, mas que, infelizmente, não saíram da mente criativa de um autor, mas da pulsão doentia que disseminou ódio, discriminação e morte.

Histórias como a do senhor Stern, que viu a família ser morta na câmara de gás, e dos irmãos Abram e Chaim, que se separaram em 1939, época da ocupação da Polônia, e morreram sem terem se reencontrado.

Enquanto Chaim fugiu para a União Soviética, Abram foi levado para um Campo de Concentração, ao qual sobreviveu milagrosamente. Em seguida, emigrou para os EUA, onde morreu em 2011. Nunca mais soube do irmão, que faleceu de um tumor cerebral aos 51, na terra de Stálin.

A saga dos irmãos poloneses ganhou conhecimento mundial através de reportagem publicada nos meios de comunicação de Nova Jersey, quando a neta de Abram conseguiu contatar o filho de Chaims utilizando as redes sociais.

Exatamente a mesma trajetória triste de injusta de outros Abrams e Chaims, e também de Josephs, Andrejs, Annas, e tantos outros.

História também compartilhada pelos personagens de “A Filha do Reich” (Ed. Jangada, 2019), minha última obra literária, a qual desemboca no tempo presente e em uma série de reencontros – e desencontros – que têm como de partida o Brasil de hoje.

Para Aristóteles, a arte imitava a vida. Porém, nem o melhor e mais sensível artista do mundo, seja ele um escritor, poeta, pintor ou fotógrafo, conseguiria sintetizar em palavras, paletas de cores e movimentos, a infinita dimensão da dor de se dizer adeus pela última vez àqueles que amamos.

Após 75 anos de tragédias assim, continuamos a repetir os mesmos erros, gerando novos personagens imersos em vivências dramáticas na África, Ásia e em localidades carentes da América Latina.

Os protagonistas desses episódios certamente já aprenderam o que podiam através da dor; resta-nos saber quando a outra parcela do planeta entenderá que a única forma de fugir de tamanho sofrimento é evitá-lo, eliminando o radicalismo e a intolerância.

* Paulo Stucchi é jornalista e psicanalista. 

Fonte: LC Agência de Comunicação



8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa Dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan