Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A triste sina de família; que sobrevive com um salário

A triste sina de família; que sobrevive com um salário

27/12/2021 Humberto Pinho da Silva

Subia os Clérigos, quando deparo antigo condiscípulo, companheiro de muitas horas de lazer.

- Há séculos que não te vejo? O que é feito de ti?

- Vivo no interior – respondeu-me o Júlio

- Fizeste bem, há por lá ar mais puro, isento de poluição… 

- Não o fiz por prazer – lamentou-se, mostrando fisionomia tristonha.

- Gostava de viver na cidade, onde tenho velhos amigos. O campo não é bom para mim. Gosto de movimento. Sou citadino por natureza, mas… 

Explicou-me, então, a triste sina. Reformou-se no início do século. Não era muito, mas ia chegando… Com o correr dos anos a reforma degradou-se.

Aumentou a renda da casa, substancialmente; aumentaram os géneros alimentícios… Tudo vai aumentando, menos o que se recebe mensalmente.

Acrescentou, ainda com mágoa: as reformas mínimas têm subido, embora menos do que seria necessário; mas as outras? 

O Júlio, desanimado, comentou de voz apagada, estar arrependidíssimo de não ter tentado lá fora, quando era novo:

- Se tivesse emigrado, quem sabe, se não teria reforma mais confortável, para passar a velhice melhor? Quem sabe?

Ainda quem recebe duas reformas, vai aguentando, mas eu, que nunca quis que minha mulher trabalhasse… Sabes? No nosso tempo os homens não queriam viver à custa das mulheres.

Era ponto de honra. O marido devia sustentar a família. A esposa era dona de casa: cuidava dos filhos e levava a termo o governo da casa.

Tive pena do Júlio. Embora a minha situação não seja muito melhor. Bem sei que na aldeia, como disse o Júlio, a vida é mais simples.

Sempre há lavradores que oferecem punhado de batatas, mão cheia de feijões, e pinga de azeite. Mas é triste chegar a velho e não ter fim de vida sossegado e feliz.

* Humberto Pinho da Silva

Para mais informações sobre salário clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.