Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A triste sina de família; que sobrevive com um salário

A triste sina de família; que sobrevive com um salário

27/12/2021 Humberto Pinho da Silva

Subia os Clérigos, quando deparo antigo condiscípulo, companheiro de muitas horas de lazer.

- Há séculos que não te vejo? O que é feito de ti?

- Vivo no interior – respondeu-me o Júlio

- Fizeste bem, há por lá ar mais puro, isento de poluição… 

- Não o fiz por prazer – lamentou-se, mostrando fisionomia tristonha.

- Gostava de viver na cidade, onde tenho velhos amigos. O campo não é bom para mim. Gosto de movimento. Sou citadino por natureza, mas… 

Explicou-me, então, a triste sina. Reformou-se no início do século. Não era muito, mas ia chegando… Com o correr dos anos a reforma degradou-se.

Aumentou a renda da casa, substancialmente; aumentaram os géneros alimentícios… Tudo vai aumentando, menos o que se recebe mensalmente.

Acrescentou, ainda com mágoa: as reformas mínimas têm subido, embora menos do que seria necessário; mas as outras? 

O Júlio, desanimado, comentou de voz apagada, estar arrependidíssimo de não ter tentado lá fora, quando era novo:

- Se tivesse emigrado, quem sabe, se não teria reforma mais confortável, para passar a velhice melhor? Quem sabe?

Ainda quem recebe duas reformas, vai aguentando, mas eu, que nunca quis que minha mulher trabalhasse… Sabes? No nosso tempo os homens não queriam viver à custa das mulheres.

Era ponto de honra. O marido devia sustentar a família. A esposa era dona de casa: cuidava dos filhos e levava a termo o governo da casa.

Tive pena do Júlio. Embora a minha situação não seja muito melhor. Bem sei que na aldeia, como disse o Júlio, a vida é mais simples.

Sempre há lavradores que oferecem punhado de batatas, mão cheia de feijões, e pinga de azeite. Mas é triste chegar a velho e não ter fim de vida sossegado e feliz.

* Humberto Pinho da Silva

Para mais informações sobre salário clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.