Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A universidade, formadora e sem militância política

A universidade, formadora e sem militância política

08/07/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Criadas sob inspiração liberal, com a finalidade de ensejar o desenvolvimento, as universidades vieram para reunir e qualificar os profissionais que o mercado necessita.

Têm a dupla função de preparar a mão-de-obra que os empreendimentos exigem e, na outra ponta, oportunizar aos cidadãos e cidadãs as condições para preencherem as vagas laborativas tanto no setor público quanto no privado.

Ao sair das escolas, os novos profissionais concorrem e preenchem as vagas dos concursos públicos e nos postos oferecidos pelas empresas dos diferentes ramos.

Existem no país 2.537 instituições, entre universidades, centros universitários, faculdades, institutos federais e centros de educação tecnológica.

Nelas estudam 6,5 milhões de alunos, dos quais 175 mil em pós-graduação. Formam-se anualmente 900 mil alunos (686 mil no ensino superior e os restantes no médio e tecnológico).

Mesmo assim, os cursos disponíveis não têm conseguido ajustar a oferta à demanda do mercado, registrando-se sobra de formados em algumas áreas e falta em outras.

A formação demora de três a seis anos de estudos, dependendo do ramo e sua complexidade. Há, ainda, ocupações que exigem pós-graduação e especializações, podendo o apronto do profissional ultrapassar uma década.

O ensino é caro, tanto para os alunos das escolas privadas que pagam altas anuidades quanto para a União e os Estados que mantêm as escolas públicas.

O sistema é imprescindível tanto para as atividades governamentais e econômicas quanto à população que carece de emprego e renda e, por conta da disputa e da escalada tecnológica, tem de se preparar melhor a cada dia que passa.

Além da tarefa formadora da mão-de-obra nacional, a universidade e os centros tecnológicos também prestam serviços de ponta até que estes tenham executores privados em condições de assumir a demanda.

É uma importante atividade dentro de um país em frequente desenvolvimento e da chegada das novas tecnologias.

Porém, com toda essa importante e inadiável missão educacional, social e econômica, o meio sofre o indevido aparelhamento político-ideológico.

A esquerda infiltrou-se na universidade e em muitos casos atrapalha sua função quando, profissionais cooptados, em vez ou ao lado de formar o aluno nas áreas para as quais os cursos foram criados, insistem em transformá-los em militantes políticos.

Não raramente, a formação de militantes é tratada com o mesmo ou até maior empenho que a curricular.

Ao ser criado, todo curso tem seu programa e objetiva a formação profissional. Até o ensino de ciência política é organizado de maneira a informar genericamente o aluno para que, com o conhecimento adquirido, exerça suas atividades profissionais e, se esse for seu desejo, faça sua opção política e milite pelas causas que vier a escolher.

Não é missão do professor imprimir viés ideológico às aulas. Quando ocorre, é uma grave distorção que tem de ser denunciada e combatida.

Todo tempo empregado para difusão ideológica é perdido e certamente faz falta na formação do aluno dentro da carreira que abraçou.

O professor, o servidor e até mesmo o aluno têm o direito de atuar politicamente, mas nunca na sala de aula.

O correto é escolherem o partido com que se identifique e participar de suas atividades, sem a promiscuidade com o sagrado templo do ensino.

É difícil identificar com certeza desde quando os esquerdistas tentam fazer da universidade o quintal de suas casas.

Há quem diga que eles chegaram a esse ponto em razão de um cochilo ou falta de interesse da direita que, se tivesse feito o mesmo, teria garantido pelo menos o contraponto.

É, acima de tudo, injusta a politização da universidade e do ensino como um todo, pois a escola se destina a toda a população e deve estar acima da partição ideológica. É importantíssima para o desenvolvimento.

Basta lembrar a potência em que se transformou a Coréia do Sul depois de sofrer uma devastadora guerra e optar por investir massivamente em Educação.

O Brasil, que investe alto no setor, assim como a família que gasta elevadas somas para estudar os filhos, perderão muito se, em vez de profissionais, eles saírem diplomados e feitos militantes (não importa se de direita ou esquerda).

O aluno tem de ser qualificado profissional e não politicamente. Sem isso, com todos os diplomas, continuará desempregado...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre universidades clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.