Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Venezuela, o Brasil e o caos

A Venezuela, o Brasil e o caos

29/06/2015 Dirceu Cardoso Gonçalves

A Venezuela vive uma situação atípica para um país democrático.

O ocorrido na Venezuela, com os integrantes da Comissão de Relações Exteriores do Senado brasileiro é a demonstração de que, além da crise, ainda se vive o obscurantismo político na América do Sul e que o Brasil, infelizmente, não é respeitado o quanto deveria, mercê das crises e dos desmandos que temos vivenciado.

Os senadores brasileiros – entre os quais aquele que recentemente foi candidato e quase se elegeu presidente da República - foram impedidos de visitar oposicionistas e presos políticos (um deles em greve de fome), e acuados por militares de má vontade e militantes hostis.

Tudo isso num país vizinho classificado como amigo, que recebe o apoio do Brasil e foi, por ação brasileira, admitido ao Mercosul.

Pouco importa se os parlamentares da comitiva hostilizada são de oposição aqui no Brasil. Naquele momento, eram representantes de um país amigo.

Desde os tempos do caricato Hugo Chávez, a Venezuela vive uma situação atípica para um país democrático. Fechou estações de televisão, mobiliza o povo de uma forma perigosa e supostamente incontrolável e afasta, com mão de ferro, os opositores.

O presidente Nicolas Maduro – herdeiro de Chávez – enfrenta muita dificuldade para aplacar a crise econômica e evitar a explosão sócio-política. O melhor que consegue fazer é perseguir os opositores.

Diz-se numa democracia, mas pratica atos ditatoriais, como as prisões políticas. E o pior: tem simpatizantes nos governos dos países vizinhos, inclusive no do Brasil.

Felizmente, o Brasil, apesar dos grandes problemas a resolver, mantém firmes os princípios da democracia. Tanto que há uma cautela responsável quando se trata das propostas de impeachment da presidente e a oposição tem liberdade para atuar e desfraldar suas bandeiras.

A ida dos senadores à Venezuela serve para reafirmar a nossa regularidade democrática e questionar o mesmo em relação ao vizinho país, que vive a convulsão econômico-político-social.

O Brasil democrático precisa rever suas relações não só com a Venezuela, mas com todos os países que desrespeitam a democracia e, principalmente, não admitem o contraditório e encarceram seus opositores.

Se não tiver uma posição firme nessa direção, correrá o risco de, também marchar para o caos político, social e institucional. A autoridade legalmente constituída tem de ser respeitada como tal e conviver pacificamente com aqueles que não a apóiam.

A lei tem de ser cumprida por todos e os atos de rebeldia, mesmo quando praticados sob a bandeira de supostos movimentos sociais, têm de encontrar a justa reprimenda.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso