Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A vingança nas redes sociais

A vingança nas redes sociais

29/04/2016 Bady Curi Neto

Estas atitudes já levaram pessoas a suicidarem pelo excesso de exposição.

Temos assistido atônitos, infelizmente com certa frequência, a bestialidade de certos indivíduos perante suas ex-namoradas, parceiras, esposas, ou mesmo, no linguajar dos mais jovens, “ficantes” de exporem fotos de suas intimidades, sem o consentimento da antiga parceira, na internet e nas redes sociais.

A repugnante atitude demonstra a pequenez moral destes indivíduos, motivados por vingança em razão de um término de relacionamento, ou mesmo num arrobo de falsa masculinidade, escondendo complexos que carregam em sua alma, talvez até mesmo de gênero e, tenta compensá-los torturando, humilhando e expondo a pessoa com quem manteve um relacionamento íntimo.

Hoje em dia com a liberdade sexual e o fácil acesso às redes sociais, tornou-se quase que corriqueiro, entre os mais jovens, tirar fotos nos momentos de intimidade. Mas isto não mitiga o direito da imagem e da privacidade da pessoa fotografada ou filmada, não podendo uma das partes divulgá-la, sem o consentimento expresso da outra, sob pena de indenização no âmbito civil e de responder por um processo crime no âmbito penal.

O responsável pela divulgação, ao ser processado, geralmente alega em sua defesa que a mulher se deixou filmar ou fotografar e, quando recebe fotos de sua companheira imputa a ela conduta desonrosa.

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em recente decisão, condenou o réu (ex-namorado) a indenizar a autora, que após receber fotos íntimas, retransmitiu as imagens da moça pelas redes sociais, internet, chegando a colocar as fotos na sala de informática de uma faculdade.

O Desembargador Wagner Wilson, acertadamente, fez constar em seu voto; “o fato de a embargante (mulher) ter tido vontade em se mostrar nua ao embargado (namorado) pela internet não lhe diminui a moral, absolutamente. A sexualidade faz parte de qualquer tipo de relacionamento amoroso e não existe nada de amoral ou indigno na conduta da autora, que lhe pudesse tornar uma pessoa moralmente menor”.

E concluiu o i. magistrado; “Indigna foi a conduta do embargado. Aliás, indigna só é pouco. É desprezível e merece total repreensão, não só judicial, mas também social, devendo ele arcar com as consequências de ter tratado de forma tão desrespeitosa sua então parceira. ”

A maneira vexatória, desprezível e indigna de expor a ex- parceira demonstra apenas que o indivíduo se acovarda atrás das redes sociais, fingindo ser macho e esquecendo o valor de ser homem na acepção da palavra.

Estas atitudes já levaram pessoas a suicidarem pelo excesso de exposição, a exemplo do que ocorreu no interior do Piauí, com Júlia Rebeca, uma menina de 17 anos, entre tantos outros casos.

É sabido que, quase todas as totalidades dos casos de vazamentos de fotos na web e nas redes sociais são de mulheres, e, para elas, em razão da nossa cultura, a exposição de sua intimidade acarreta uma maior depreciação moral, atingindo não só a sua pessoa, mas seus familiares e todo o círculo de amizade.

O Judiciário deve agir com a firmeza necessária na hora de arbitrar a indenização para coibir a canalhice dos covardes que divulgam fotos íntimas de suas parceiras, não só como forma compensatória da dor da vítima, mas como desistimo-lo a novas ocorrências.

* Bady Curi Neto, advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG)



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa