Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A Violência se tornou banal

A Violência se tornou banal

28/06/2019 Leonardo Torres

Gesto de arminha, policiais agredindo carroceiros, homem violentando sua namorada, quatro indivíduos baleados no Canadá, etc…

Existe uma maior propensão do ser humano em divulgar tragédias do que notícias boas. A violência contagia rapidamente e ela está na mídia. Mesmo que, na melhor das intenções, os veículos divulguem tais fatos como denúncia, eles acabam de certa forma prejudicando.

É necessário informar, alguns diriam. É verdade. Mas, acredito que não adianta divulgar acontecimentos sem desenvolver a consciência do povo, sem fazê-los duvidar, questionar, ter um pensamento crítico dos acontecimentos, dos fatos.

Falta consciência hoje em dia. E isso acontece pela normalização/banalização da comunicação. No caso em questão, da violência.

Pense comigo: qual foi a última vez que você olhou uma fotografia, em casa, e sentiu aquela nostalgia tamanha que lembranças vieram à mente?

Deixamos a missão de guardar as fotos para as redes sociais digitais, e quando elas nos avisam que já se passou um ano, paramos e pensamos rapidamente sobre aquele dia, aquele momento, às vezes bom, às vezes desagradável. Contudo, a vida segue.

O fato é que todo dia é dia de ver imagens, seja de ano passado, seja de ontem, ou de hoje, até mesmo desse exato segundo. Quantas imagens você viu hoje desde a hora que acordou?

Há uma probabilidade grande de, pela manhã, ver primeiro imagens virtuais, memes, acidentes, etc... e somente depois ver o cônjuge ou até nós mesmos no espelho do banheiro de casa. As imagens passam por nós de uma forma banal, assim como seu conteúdo.

Quanto mais imagens de violência passam diariamente, mais elas se tornam comuns, banais, normais. É frequente recebermos conteúdos violentos nas redes sociais.

O massacre de Suzano foi um grande exemplo disso. Antes mesmo de ser divulgado na grande mídia, as redes de mensagens já estavam disseminando fotos das vítimas. Será mesmo que temos consciência para lidar com tudo isso?

Se não tivermos, a humanidade vai apreender a violência por mimese, ou seja, replicando o comportamento e, quando normatizado, tornando isso cada vez mais comum e frequente. É hora de repensar como estamos lidando com a violência na mídia.

* Leonardo Torres é Pesquisador, Professor, Doutorando em Comunicação e Cultura e Pós-graduando em Psicologia Junguiana.

Fonte: R&F Comunicação Corporativa



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.