Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Abortada a importação do arroz

Abortada a importação do arroz

06/07/2024 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

O anúncio feito pelo ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, justifica que os estoques disponíveis são suficientes para o abastecimento, as rodovias por onde a mercadoria trafega já estão restabelecidas e - o que é melhor - o próprio mercado já reconheceu o quadro e vem baixando o preço.

Segundo o ministro, o saco de 5 quilos do arroz, que chegou a ser vendido até por R$ 36,00, como denunciou, indignado, o presidente da República, já podia ser encontrado até por R$ 19,00. Assim sendo, não há razão para buscar o produto no mercado externo.

Viu-se, apenas, no noticiário, um inconveniente ruído entre os ministros da Agricultura e o do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira. O segundo ainda não dava por descartada a operação internacional.

Coisa que o presidente por certo resolverá facilmente com uma simples determinação, mas deveria ter ocorrido antes da divergência tornar-se pública.

E legítima a preocupação governamental de manter os estoques que qualquer mercadoria, especialmente do arroz, item básico do prato brasileiro.

Os órgãos controladores não podem deixá-lo faltar e nem fazer ouvidos surdos aos reclamos do consumidor quanto ao possível abuso nos preços decorrente da escassez.

Para chegar à conclusão de que não há mais necessidade da importação, o Ministério da Agricultura e seus órgãos devem ter auditado os estoques disponíveis nos armazéns oficiais e dos produtores e adotado medidas de controle pois seria pior dispensar a importação agora e, nos próximos meses, o produto sumir do mercado.

A suposta falta do arroz já rendeu desgastes. Primeiro ao ser anunciada pelos setores governamentais ao mesmo tempo em que os produtores gaúchos garantiam haver estoques suficientes para o abastecimento nacional mesmo após as enchentes.

Depois pelo encontro de inconformidades na classificação de empresas – de ramos estranhos à cadeia do cereal – classificadas para fornecer ao governo grandes quantidades do produto.

Tanto que optou-se pela suspensão do leilão, cabeças rolaram e o presidente da República, na sua irritada postura dos últimos tempos, afirmou ter havido “falcatrua”.

Espera-se que, principalmente diante dessa conclusão presidencial, as autoridades de mobilizem para identificar as irregularidades, os falcatrueiros e aplicar-lhes punições pelo menos análogas àquelas que vem se aplicando ao ex-presidente Jair Bolsonaro e seus ex-auxiliares.

A vara que bate em Chico, deve ser a mesma e também bater em Francisco, desde que haja fato concreto a apurar e punir.

Consideramos adequadas as anunciadas providências para a extensão da plantação de arroz a outras regiões do País como meio de evitar os sinistros climáticos.

Não estivessem 70% do mercado arrozeiro dependente do Rio Grande do Sul, certamente a problemática de abastecimento do produto não teria sido levantada e nem as denunciadas irregularidades cometidas.

Mesmo que as outras regiões produtoras um dia sejam também dizimadas por problemas que frustram safras, isso impactará apenas uma parte do parque de produção e não chegará a afetar o mercado.

Louve-se o esforço do governo para conviver bem com o agronegócio, apesar de os arrozeiros reclamarem não terem recebido o aporte econômico que solicitara.

Isso é uma questão de discussão de valores e negociação. O que não deveé ocorrer luta político-ideológica no setor, pois nesse caso, o maior prejudicado é o consumidor.

Finalmente, ainda está em articulação na Câmara dos Deputados, a constituição da CPI do Arroz. Pensamos que, desde que o governo adote as providências adequadas, inclusive quanto aos possíveis errantes do leilão suspenso, os parlamentares nem precisarão abrir o inquérito. Poderão utilizar seu tempo com outros problemas de mais urgência e ainda não solucionados...

Não somos favoráveis nem contrários à importação do arroz. É preciso garantir que o produto não falte no prato da população, venha de onde vier, desde que essa seja a solução.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre agricultura clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no Facebook e no X (antigo Twitter)

Quem somos



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa