Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Absenteísmo: medidas para evitar o agravamento de custos

Absenteísmo: medidas para evitar o agravamento de custos

11/01/2012 Divulgação

De um modo bastante simples e direto, podemos compreender o absenteísmo como o fenômeno relacionado à ausência do trabalhador. Contudo, é importante estabelecer não se tratar apenas e tão-somente da ausência em si, mas de todas as repercussões que esta provoca no cotidiano da empresa.

Cinco são as espécies de absenteísmo, quais sejam:voluntário, compulsório, legal, por patologia e por doença. Em breve síntese, o voluntário se dá quando o empregado se ausenta sem justificativa qualquer; o compulsório se observa se a ausência se der por motivo alheio à vontade do empregado; o legal envolve as ausências amparadas por lei – a exemplo da licença maternidade -; o por patologia refere-se àquelas ocorridas em razão de doenças profissionais ou acidentes de trabalho e, por fim, o por doenças advém de enfermidades que acometem o empregado ou procedimentos médicos aos quais o mesmo se submeteu. Não importando qual a espécie de absenteísmo, certo é que a não apresentação do empregado ao seu posto de trabalho importa em consideráveis ônus às empresas, trazendo – além de outros - impactos financeiros significativos.

Ocorre, dentre tais espécies há uma que traz maior preocupação, o absenteísmo por doença. Via de regra, nesta hipótese o custo ao empresário é maior do que o salário pago ao trabalhador doente que se ausenta. Ainda, senão houver substitutos de mesmo nível disponíveis, as implicações para a produtividade são bem maiores - é o que acontece de modo especial em organizações nas quais os empregados trabalham em equipes cuja produção tem implicações praticamente imediatas sobre o cronograma. Assim, o tratamento da questão da saúde do trabalhador tem importância fundamental, seja pela própria questão de bem estar do empregado, seja – não se pode deixar de se considerar - para se evitar a assunção pelo empregador de encargos que poderiam ser evitados. Neste sentido é fundamental que o empregador tenha real conhecimento do grau de absenteísmo de seus empregados e, principalmente, a razão dos mesmos.

Assim, devem os empresários desenvolver – urgentemente – um procedimento de obtenção e gerência de informações acerca da ausência de seus empregados, sendo recomendado que a gestão destas informações seja concentrada no Departamento de Recursos Humanos, ao qual caberá, por sua vez, desenvolver a metodologia mais eficaz para a captação destes dados. Ocorre, não é o bastante conhecer o grau e a razão do absenteísmo, sendo este o primeiro passo. É preciso o desenvolvimento de um verdadeiro Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO), capaz de prevenir a ausência dos empregados por motivo de doença. Referido programa há de estabelecer critérios voltados a nortear as condições de trabalho e higiene no ambiente de trabalho, preservando a saúde dos trabalhadores. Em verdade, são medidas simples, dentre as quais citamos a realização dos seguintes exames médicos: admissional, ocupacional, periódico, de retorno ao trabalho, de mudança de função e demissional.

À primeira vista pode parecer ao empreendedor que o custo da realização destes exames médicos não justificaria a adoção de tal medida, mas cabe o nosso alerta no sentido de que se trata de investimento justificável frente à possibilidade de prejuízos sofridos em razão do absenteísmo. Mais do que o cumprimento de norma regulamentadora o empresário deve ter por objetivo exercer o que me atrevo a chamar de verdadeiro controle sobre a saúde de seus empregados de sorte a prevenir as repercussões negativas advindas da ausência de seu empregado. Apesar de ser esta a espécie de absenteísmo que merece mais atenção em razão dos reflexos econômicos, não podemos olvidar as demais espécies,sugerindo aos empresários as medidas que nos parecem mais corretas e eficazes.

Três, pois, são as medidas que em nossa compreensão podem e devem ser utilizadas para se evitar ou ao menos diminuir o alto índice de absenteísmo observado nas empresas brasileiras:

a) Medidas administrativas: o empregador há de se valer da possibilidade de aplicação de sanções disciplinares àqueles empregados que se ausentam injustificadamente,a exemplo da advertência, da suspensão e até mesmo da demissão por justa causa – observados os ditames legais -, da perda de vencimento ou prêmios.

b) Medidas preventivas: orientadas ao empregado (e exemplo dos exames médicos aos quais já nos referimos) ou ao ambiente de trabalho, tanto sob o aspecto físico e ergonômico como sob o aspecto psicossocial. Muitas vezes pequenas alterações no ambiente de trabalho podem ser tão benéficas a ponto de evitar a ausência de trabalhadores, a mero exemplo de uma iluminação correta, aeração adequada e assentos ajustados.

c) Medidas reintegrativas: ações voltadas à reabilitação do empregado no local de trabalho, a exemplo de programas que possibilitem o reengajamento do trabalhador ao grupo e às duas funções.

Sendo o absenteísmo um fenômeno que gera detrimento à atividade empresarial, é imprescindível que os empregadores permaneçam em estado de alerta e adotem, o quanto antes, as medidas de gerenciamento ora sugeridas.



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.