Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Acelerar e implementar a reforma tributária, esse é o caminho para pós-pandemia?

Acelerar e implementar a reforma tributária, esse é o caminho para pós-pandemia?

02/03/2021 Nelson Varandas

É nítido que o ano de 2020 foi repleto de acontecimentos inesperados decorrentes dos efeitos globais da Covid-19 e ainda presentes até que se possa imunizar toda a população mundial.

No caso do Brasil, o planejamento das agendas do Governo Federal sofreu mudanças significativas mediante suprir as necessidades da pandemia, com gastos elevados aos cofres públicos decorrentes de subsídios e medidas emergenciais, similar ao ocorrido em países desenvolvidos, sem levar em consideração o poder econômico de cada país.

Esses gastos adicionais com a pandemia conjugados com a queda na arrecadação decorrente da menor atividade econômica levaram a um incremento da dívida pública bruta em relação ao Produto Interno Bruto (“PIB”), em torno de 15 pontos percentuais no ano de 2020, sendo que a dívida pública bruta se aproximou de 90% do PIB, maior patamar da história do Brasil, sinal mais do que vermelho.

Portanto, quais seriam os caminhos possíveis para adotarmos, evitando que o país ‘quebre’?

A reforma tributária, pacote de emendas e modificações que o atual Governo Federal vem sinalizando desde 2018, deverá ajudar a alterar esse cenário.

Passo importante nesse sentido se deu com a reforma da previdência já implementada, assim como a reforma administrativa que está tramitando na câmara, e que será importante para o processo de desburocratização e redução da máquina do Estado.

Afinal, o que se faz necessário é agilizar os processos para os setores público e privado, visto a enorme quantidade de burocracia, dificuldades de entendimento nos processos e de como as coisas são engessadas.

Antes dessa crise de saúde mundial, já estávamos vivendo uma situação complicada e de fragilidade, agora então a situação é de reconstrução.

Não podemos esquecer que a pandemia ainda não “acabou”. Mesmo com medidas restritivas e o avanço da vacina, estamos longe do risco que ela impõe ao país.

Precisamos então consolidar as reformas, trazendo alívio fiscal e otimizando a balança de gastos e investimentos do Estado, que por consequência irá gerar maiores benefícios para a economia e o setor privado.

O ponto principal de uma eventual reforma tributária, não é aumentar a carga tributária, mas trazer mais eficiência ao atual sistema, que é supercomplicado e burocrático.

Com ganho de eficiência, e eventualmente, de produtividade, poderemos entrar em um ciclo virtuoso da economia, a começar com uma nova onda de investimentos vinda do exterior.

O Brasil não é um lugar com forte investimento de capital estrangeiro pela complexidade de nossos sistemas. Por isso, as reformas tributária e administrativa visam o crescimento ao longo do tempo.

Em um primeiro momento, ajudará na facilitação após esse período conturbado de pandemia. Depois, permitirá que a economia comece a se reestruturar.

É um processo para alguns anos, mas a reforma tributária é extremamente necessária para podermos retomar a confiança interna e de parte dos investidores estrangeiros.

Nesse cenário, o novo presidente da câmara será essencial para o desenvolvimento desse processo. Além da racha política que se instaura na câmara dos deputados, lidar com esses processos de reforma será uma tarefa árdua.

As expectativas são muitas, a reforma da previdência em 2019 já havia atraído os olhos do mercado exterior.

Porém, como admitido pelo Ministério da Economia, a pandemia atrasou a agenda, já que foi necessário investir na população.

Contudo, mais do que nunca, a fim de que o país possa de fato voltar a crescer e ser atrativo, precisamos rapidamente mobilizar a aprovação das reformas tributária e administrativa.

* Nelson Varandas é Sócio da Baker Tilly Brasil, no escritório de São Paulo. 

Para adquirir LIVROS clique aqui…

Fonte: LC4 Marketing



Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?


Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.