Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Afinal, qual a função da automação de vendas?

Afinal, qual a função da automação de vendas?

02/07/2012 Enio Klein

Cada um tem uma ideia diferente sobre o que é automação de vendas. Isto porque, nos últimos anos, qualquer software que tenha sido fornecido ao vendedor recebeu o pomposo nome de ‘ferramenta de automação’.

Para alguns, é poder fazer uma apresentação multimídia no notebook. Para outros, é felicitar por e-mail o aniversário de seus clientes. Um gerente talvez veja automação como uma forma de conseguir uma lista consolidada de previsão de vendas todo mês. Para cada definição, há outras vinte.

Em suma, automação de vendas é um termo genérico que reúne todas as formas através das quais a tecnologia possa otimizar as equipes de vendas. Mas parece que precisamos amarrar um pouco melhor estes conceitos, se quisermos ter o vendedor como aliado. Não se melhoram as equipes (ou forças de vendas) sem um apoio eficiente aos esforços de venda do profissional. E é para isso que a automatização existe. Para apoiar esforços e não para criá-los. Também não devemos confundir automação de vendas com CRM.

Embora relacionadas, são disciplinas totalmente diferentes. O “calcanhar de Aquiles” de toda a automação é a pouca atenção para o fato de que incorporar técnicas e ciência estabelecidas e enraizadas nos processos é, na maior parte das vezes, a razão principal do sucesso na atividade e com vendas não é diferente.

Técnicas de vendas são as manobras, estratégias e táticas testadas e aprovadas que garantem a vitória sobre a concorrência. Não estamos falando de sistemas sofisticados, mas sim daquelas regras de vendas tradicionais e garantidamente eficazes. Essas técnicas devem ser adaptadas, refinadas e ajustadas para alavancar os enormes benefícios da tecnologia no processo de vendas. Mesmo não tão frequentes, equipes de vendas participam de programas de treinamento.

Entretanto, mesmo programas de treinamento com conteúdo muito rico e consistente não apresentam resultados práticos no dia a dia da área de vendas se não forem acompanhados de um plano de instrumentalização da força de vendas. Sem a aplicação das técnicas em suas atividades do dia o vendedor simplesmente não as usa, deixando assim de usufruir de seus benefícios diretos.

Antes disto, contudo, é importante consolidar os conceitos do método de vendas a ser adotado. Neste sentido, percebemos como necessário para as organizações não só disseminar os conceitos, mas também criar condições para implementá-los, na prática, no conjunto de atividades de seus vendedores.

Como conseguir isso? Colocando o método de vendas dentro do software de automação a ser utilizado. Com o uso frequente, não há como os vendedores não incorporarem as técnicas básicas. Há, pelo menos, duas razões para considerar a construção de um processo de automação baseado em métodos de vendas: a primeira é disseminar em toda a força de vendas uma cultura de ‘boas práticas’ ao ensiná-la à ferramenta de produtividade que todos querem – o computador.

A segunda razão é fazer com que o computador consiga ajudar os vendedores proativamente em seu dia-a-dia, sugerindo técnicas e habilidades de venda. Se o computador não entender as técnicas e habilidades, como poderá ajudar? Está na hora de reescrever estes conceitos essenciais, a partir da construção de métodos de venda totalmente compatíveis com o computador.

Um método que revele o extraordinário potencial que o computador tem para ajudar a vender melhor.  Com esta boa companhia, a tecnologia trará sim, excelentes resultados.

Enio Klein, gerente geral nas operações de vendas da SalesWays no Brasil e professor nas disciplinas de Vendas e Marketing da Business School São Paulo.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.