Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Alimentação infantil nas férias

Alimentação infantil nas férias

20/01/2019 Tarciana Teixeira

Mudanças no horário das refeições são prejudiciais a crianças, pois afetam o metabolismo infantil.

A flexibilização de horários proporcionada pela chegada das férias de verão pode muitas vezes fazer com que tanto adultos quanto seus respectivos filhos se percam quanto aos horários de dormir e se alimentar. Esse período, que para muitas pessoas pode significar momentos de descanso, brincadeiras e descontração, também dá margem a quebra de hábitos alimentares saudáveis.

O motivo dessa alteração se deve ao fato de que ao acordar mais tarde, - algo que é comum neste período - , as pessoas acabam adiando o horário das refeições ou mesmo não fazendo algumas delas. Apesar de oferecer pequenas consequências a adultos, tais mudanças são prejudiciais a crianças, já que podem afetar o metabolismo infantil.

Ainda que seja o período de férias é necessário que os pais garantam que seus filhos realizem as principais refeições do dia e, preferencialmente, nas faixas de horários habituais. Mesmo que a criança acorde mais tarde, os pais não devem adiantar o almoço e deixar de oferecer o café da manhã.

Para não atrapalhar o ritmo dos pequenos nas férias, ainda é interessante que a família não deixe de se reunir à mesa durante as refeições, pois, esse comportamento torna o momento da alimentação mais agradável e evita distrações como computadores, tablets, celulares, e televisores, que desviam a atenção do ato de comer.

Ao comerem junto dos pais e receberem dos mesmos exemplos de uma boa alimentação, as crianças podem aprender desde cedo a manter uma nutrição regular e balanceada, fazendo com que se tornem adultos mais saudáveis e conscientes. Esse aprendizado irá contribuir para o desenvolvimento físico e criação de bons hábitos de saúde nas crianças, e ainda prevenir problemas recorrentes nas férias, como o aumento da incidência de infecções intestinais, diarreia, enjoos, vômitos e o surgimento de anemias e deficiências vitamínicas e minerais.

Outro comportamento bastante recorrente nas férias, é a ingestão exagerada e sem controle de alimentos pobres em nutrientes e ricos em sódio, açúcares e gorduras. Muitas vezes ao longo dessa temporada de recesso escolar, as crianças substituem as refeições tradicionais do cotidiano por comidas rápidas e com altos níveis de processamento, artificialidade e conservação.

Tais alimentos são de grande perigo para pessoas dessa faixa etária, pois, além de sobrecarregarem o organismo de dopamina e causar a dependência, também podem influenciar negativamente no desenvolvimento do sistema endócrino e a longo prazo provocar o surgimento de um quadro de obesidade.

Para cuidar da alimentação infantil no período de férias é imprescindível ter organização e criatividade. Ao oferecer alternativas de pratos variados e bem coloridos, permitindo que as crianças participem da preparação e combinações dos alimentos, – mas claro, sempre com a aplicação de limites –, os pais podem transformar a hora da refeição em algo divertido, interessante e prazeroso.

Algumas dicas importantes de alimentação para crianças nestas férias é a ingestão de cereais, alimentos integrais, frutas, verduras e legumes, pois, isso pode ajudar no processo de saciedade e fornecimento de nutrientes e energia para o corpo. Ainda é fundamental dar preferência ao consumo de preparações e lanches caseiros.

Para que as crianças desenvolvam o gosto por todas as classes de alimentos, é preciso que os pais sempre introduzam novos sabores aos pratos dos pequenos. Esse tipo de atitude vai contribuir diretamente para a introdução de verduras e legumes na alimentação.

O consumo de água é essencial em todas as épocas do ano, mas no verão com as altas temperaturas, essa necessidade se torna ainda maior, sendo recomendado o consumo mínimo de 1,5 a dois litros por dia. A hidratação do corpo também pode ser mantida com a água de coco e sucos naturais, mas sem o uso exagerado do açúcar.

É indicado que nesta época, os pais limitem o acesso e controlem o consumo de doces e salgadinhos, os oferecendo às crianças em pequenas porções. No entanto, algumas substituições saudáveis podem ser feitas. Doces gelados à base de fruta, biscoitos integrais, sanduíches naturais, geleias naturais, picolés de frutas, oleaginosas e frutas secas, podem ser ótimas opções para refrescar e servir como suporte entre as refeições clássicas.

* Tarciana Teixeira é nutricionista materno infantil da Clínica Penchel.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Os candidatos avulsos e os partidos

Por iniciativa do ministro Luiz Roberto Barroso, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre a discussão sobre a as candidaturas avulsas, onde os pretendentes a cargo eletivo não têm filiação partidária.


Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.