Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Amor antigo ainda mexe comigo

Amor antigo ainda mexe comigo

13/10/2013 Sônia Eustáquia Fonseca

É comum que certas paixões marquem profundamente a vida de uma pessoa e sejam difíceis de serem esquecidas.

Mesmo com um novo amor, às vezes pode rolar uma insegurança quando encontramos ou só de ouvir falar em uma paixão antiga. O que fazer: mexer no passado ou tentar superar? Segundo a sexóloga Sônia Eustáquia não é possível apagar alguém completamente da memória, mas podemos escolher não lembrar constantemente dela.

“A memória é uma condição neurobiológica e é privilegiada nos humanos. Ela serve para guardar o que registramos com os nossos cinco sentidos. Ela nos traz o evento ou sentimento quando o evocamos. A memória realiza uma seleção do que precisamos lembrar e do que podemos deixar bem guardado, como se fosse um livro na última prateleira da estante. Não é possível apagar da memória alguém que fez parte da nossa vida, porém, é possível o guardarmos na última prateleira. E só tirar de lá quando for necessário”, diz.

Ainda de acordo com a sexóloga é preciso lembrar que amamos com o cérebro e não com o coração e o amor também pode ser inteligente. Se a pessoa quiser superar uma separação basta levar essa situação “para a prateleira mais alta da estante”. E ela deve fazer isso. Sônia Eustáquia alerta que o não esquecimento de um relacionamento pode virar uma obsessão. Geralmente, isso ocorre quando um da relação não quer mais e o outro insiste em querer. E acaba gerando muito sofrimento para os dois lados. Mas, em alguns casos, é possível sim retomar uma relação.

“Quando um casal briga e se separa por motivos “fúteis”, como o ciúme exagerado, falta de diálogo, ou mesmo quando não conseguem mais ter desejo um pelo outro, prejudicando a relação íntima é mais fácil o casal conseguir discutir isso, fazer uma terapia e retomar a relação. No entanto, é muito grave a agressão verbal e física; o desrespeito e deslealdade de um pelo outro; quando o casal não consegue restabelecer o diálogo; e, principalmente, quando não suportam o contato físico. Existem situações onde se detecta imensa lacuna sobre o pensar o dia a dia, tornando impossível as negociações. Também quando um quer “encostar” no outro, não entendendo e não cumprindo a sua parte do contrato de vida a dois, aí tudo fica muito difícil”, explica Sônia Eustáquia.

A sexóloga ainda alerta que para voltar pro outro só se for com base em novos paradigmas de relacionamento. E, muitas vezes, é necessário a ajuda de um profissional. “Eu vejo casais tentando sozinhos, apenas cedendo ou até mesmo se anulando na relação para que ele possa prosseguir. Isso é um erro, mais cedo ou mais tarde, os problemas voltam e costumam ser mais robustos, dificultando até o trabalho do terapeuta. Também pode acontecer que aquele que fica “engolindo” os problemas para retomar a relação seja mais susceptível ao aparecimento das doenças psicossomáticas”, diz.

*Sônia Eustáquia Fonseca é Psicóloga pós-graduada em Sexualidade Humana. Especialista em Terapia Breve para diagnóstico e tratamentos de conflitos e disfunções sexuais.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.