Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Análise: Placar de 7 a 1 não é fruto do acaso, mas do descaso

Análise: Placar de 7 a 1 não é fruto do acaso, mas do descaso

10/07/2014 Deutsche Welle

Histórico de má gestão do futebol brasileiro é tão antigo quanto a centenária Seleção.

Atraso estrutural e de mentalidade é consenso há décadas, mas pouco se fez para tornar mais profissional o aclamado "jogo bonito".

Quando os jogadores alemães optaram por palavras como "anormal" e "atípico" para descrever a goleada no Mineirão, estavam sendo mais cordiais com os colegas de profissão do que críticos.

O futebol brasileiro não é, de fato, sete vezes pior que o alemão. Mas perder de 7 a 1 numa semifinal de Copa, ainda que incomum, reflete mais descaso do que acaso.

No país do futebol, a história de má gestão de um de seus maiores patrimônios é tão antiga quanto a centenária Seleção. De longa data existe o debate de que há um atraso estrutural, tático e de mentalidade a ser combatido. Talentos individuais, porém, foram colocando a coisa em segundo plano a cada um dos cinco títulos mundiais.

Enquanto o campeonato nacional e as categorias de base eram sucateados, imperava a noção, inconsciente ou não, de que os craques resolveriam os problemas. Seja o Romário de 1994 – "quem tem que treinar são os outros" – ou o Ronaldo de 2002 – "quando marco gols, fico mais magro".

Quando eles desaparecem, ficam escancaradas as mazelas. Por diferentes fatores, os grandes nomes que deveriam fazer a transição da geração de 2002 para a de 2014 foram se perdendo pelo caminho. Kaká, Robinho, Ronaldinho Gaúcho e Adriano poderiam ser o Ronaldo do Penta e o Romário do Tetra. Não o foram.

E o que foi a campo no Mineirão foi um time exposto ao próprio despreparo, tão desamparado estruturalmente quando a federação que estampa o escudo na camisa que vestiram. Foi da boca de Daniel Alves, talvez por ter visto tudo de fora, que saiu a justificativa mais eloquente para a catástrofe de 8 de julho: "Venho falando isso há muito tempo. O futebol está evoluindo no mundo todo.

Veja a Costa Rica, veja o Chile. Somos o país do futebol, mas não somos o dono dele."

Após o vice mundial de 2002, todos os times da primeira e da segunda divisão da Alemanha foram obrigados a ter centros de treinamento de jovens com certificação da federação. Na seleção que goleou o Brasil, todos, fora Klose, passaram por esses centros. E seis dos que estiveram em campo no Mineirão – Özil, Khedira, Hummels, Höwedes, Boateng e Neuer – foram campeões europeus sub-21 em 2009.

No Brasil, quem forma jogador é a rua. Eles batem aos montes nas portas dos clubes do país pedindo uma chance. Digladiam-se em 15 minutos de uma "peneira" num campo de terra para tentar a sorte. A esmagadora maioria fica pelo caminho. Não é mérito do Santos ter revelado Neymar. É demérito de todos os outros times grandes brasileiros não terem, cada um, um jogador como ele.

Nos anos 1990, quando Romário, Ronaldo, Bebeto e Rivaldo retratavam a fartura de craques na Seleção, estabeleceu-se um clichê de que, se quisesse, o Brasil poderia ser a NBA do futebol – praticamente invencível como até então era o basquete profissional dos Estados Unidos.

Na segunda década do novo século, tem-se um campeonato nacional cujo calendário leva jogadores à estafa física; que comemora quando um clássico leva 30 mil pessoas ao estádio; e em que times como o Flamengo acumulam mais de 700 milhões de reais em dívidas, apesar de seus quase 30 milhões de torcedores.

O despreparo de treinadores faz o Brasil há décadas se limitar a copiar as inovações táticas europeias e a levar nós táticos de seus vizinhos sul-americanos, como contra o Chile nas oitavas de final. Alie a isso uma transição pífia das categorias de base para o profissional, corroída pelos interesses de empresários e de uma federação marcada por denúncias de corrupção, e chega-se aos 7 a 1 do Mineirão.

A improvisação brasileira, aclamada internacionalmente como "jogo bonito", bateu no teto nesta Copa. Não se trata de deixá-la de lado, mas de dar a ela o trato profissional que o país do futebol merece. Países costumam aprender com catástrofes, esportivas ou não.

A história centenária do futebol no Brasil, porém, deixa poucas esperanças.



Lucro do carnaval vale mais que a saúde dos brasileiros?

Parece-nos uma grave insensatez de nossas autoridades governamentais em permitirem a realização dos festejos carnavalescos no país em meio à epidemia do coronavírus.


O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.


Férias: como ficam as crianças de pais separados?

Com o fim de um relacionamento (casamento ou união estável), quando há filhos, os pais buscam constantemente dividir o tempo de convivência com as crianças, pensando no bem-estar delas.