Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Anda divagando muito? Saiba os prós e contras

Anda divagando muito? Saiba os prós e contras

19/12/2017 Prof. Dr. Mario Louzã

A divagação pode prejudicar o rendimento de algumas atividades, principalmente as intelectuais.

Anda divagando muito? Saiba os prós e contras

Quando deixamos de prestar atenção em algo e nos permitimos divagar (“mind wandering”, divagação ou devaneio da mente), algumas áreas cerebrais especificas são ativadas, constituindo a chamada “rede de modo padrão” (“default mode network”).

Grosseiramente falando, seria algo como o “ponto morto” no câmbio do carro; o motor está ligado, mas o carro está parado. A rigor, não ficamos sem pensar em nada, mas os pensamentos fluem sem uma direção especifica, de modo solto, “flutuando”, “viajando”.

Dentro de certos limites, o cérebro humano tem capacidade de fazer o sistema ligado à atenção e a rede de modo padrão funcionarem em paralelo. Eles não são mutuamente excludentes. Muitas vezes, estamos concentrados em algo e, ao mesmo tempo, nossa mente está divagando, seja de forma consciente ou não.

Por exemplo: estou escrevendo este texto e, ao mesmo tempo, pensando que daqui a alguns dias é aniversário de uma pessoa amiga, e que tenho que comprar um presente, etc. Na realidade, o cérebro é programado para funcionar por um certo período de tempo, durante o qual estamos acordados. O descanso principal do cérebro ocorre quando dormimos. Nesse período, ele se refaz, organiza e consolida memórias.

Quando estamos em um momento de lazer, por exemplo, muitas vezes não estamos concentrados em algo especifico que demanda muito do cérebro. Com isso, a possibilidade de divagações passa a ser mais possível. No entanto, a divagação pode prejudicar o rendimento de algumas atividades, principalmente as intelectuais, como estudo ou trabalho.

A possibilidade de deixar o cérebro divagar durante o período de trabalho depende muito da própria atividade que a pessoa desempenha. Além disso, há indivíduos que têm mais facilidade para se distrair com qualquer coisa. Estes devem ficar mais atentos nos momentos em que a concentração é fundamental.

Mas se você é daqueles que, quando necessário, consegue foco total no que está fazendo, não há nada de mal em tirar umas pausas para divagar um pouco, desde que consiga finalizar a tarefa a tempo! Na rotina frenética em que vivemos, fazer pausas ao longo do dia, nos momentos certos, é benéfico para mente e corpo.

O famoso “dolce farniente” (do italiano, “doçura de não fazer nada”) é como dar fôlego ao cérebro e, também, ao organismo todo.

* Prof. Dr. Mario Louzã é médico psiquiatra e psicanalista, Doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, Alemanha.



Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.