Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Anvisa regulamenta uso de ar condicionado em ambientes fechados

Anvisa regulamenta uso de ar condicionado em ambientes fechados

21/09/2015 Ilanez Pereira

Poucas coisas são tão nocivas à saúde quanto respirar um ar poluído ou contaminado.

Alergias, intoxicações, bactérias e fungos podem causar grandes estragos no nosso sistema respiratório, levando o paciente a um estado grave de saúde ou mesmo à morte.

Para garantir a qualidade do ar que respiramos, a ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, junto com o Ministério da Saúde, regulamentaram a manutenção e limpeza de sistemas de ar condicionado em ambientes com grande circulação de pessoas.

A aplicação da portaria 3523/98, do Ministério da Saúde - que dispõe sobre a qualidade do ar de interiores em ambientes climatizados - junto com a resolução 9, da ANVISA, referente a projetos, manutenção, instalação e elaboração dos sistemas de ar condicionado, podem ser entendidas como o “atestado de saúde” de um sistema de climatização.

Em muitos casos, para garantir que as manutenções estejam em dia e dentro das normas é necessário registrar uma ART - Anotação de Responsabilidade Técnica, junto ao CREA.

Desde que a norma foi regulamentada, os estabelecimentos com grande circulação de pessoas precisam realizar a cada seis meses a limpeza de seus sistemas.

Porém, muitos problemas afetam essa resolução, fazendo com que ela não seja cumprida.

Por parte das empresas são poucas as que seguem ou mesmo as que conhecem as regras, de forma a apresentar com regularidade os certificados de manutenção de seus equipamentos.

Enquanto que, por parte dos órgãos reguladores, existem muitas exigências e pouca fiscalização, fazendo com que grande parte dos sistemas que estão fora das normas não sejam vistoriados e sigam funcionando de forma incorreta.

Já às empresas e aos profissionais autônomos que atuam com manutenção, instalação e limpeza de ar condicionado, falta conhecimento sobre as exigências legais.

Muitas vezes a incompreensão ou inabilidade faz com que o prestador de serviços omita essa informação para o cliente, adiando as intervenções necessárias.

Além dos riscos à saúde, outros problemas comprometem o sistema quando a manutenção não é feita.

Filtros entupidos, trocadores de calor obstruídos e sujeiras em geral sobrecarregam o equipamento, baixam a eficiência e aumentam o consumo de energia, comprometendo também a “saúde do bolso”.

Quando o assunto é qualidade do ar, ainda precisamos evoluir muito e concentrar esforços para melhorar a fiscalização e mão de obra que nos atende.

É certo que a resolução da Anvisa foi um grande passo, mas infelizmente a educação e a falta de conhecimento sobre o tema ainda são os pontos mais fracos para a saúde do nosso ar. A nós, resta disseminar essas informações e zelar pela qualidade do ar que respiramos em ambiente fechados.

* Ilanez Pereira é engenheiro e presidente da Air ClimaClean, franquia de instalação e manutenção de ar condicionado.



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan