Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As 11 dicas para o varejo aderir ao relacionamento multicanal

As 11 dicas para o varejo aderir ao relacionamento multicanal

16/11/2013 Daniel Domeghetti

Atualmente, o serviço de atendimento ao consumidor (SAC) não se limita mais ao tradicional meio via telefone.

Tanto as empresas quanto os consumidores, principalmente, já perceberam que há outras maneiras mais rápidas e eficazes para estreitar a relação. Neste novo cenário, os canais, em diferentes modelos e formatos, ganham espaço na agenda de prioridades dos executivos de marketing e, consequentemente, tornam-se ferramentas importantes para os consumidores que querem ser ouvidos (e que fazem questão de “gritar” ainda mais alto, quando não obtém retorno).

Antes de inserir o relacionamento multicanal nas estratégias de comunicação, o setor varejista precisa mensurar em proporções iguais quais sãos os desafios e quais são as suas reais perspectivas para colocar em prática mais este viés na comunicação com o cliente final. Para garantir as melhores práticas no diálogo, elenquei os 11 insights do relacionamento multicanal, que surgiram após a realização de uma série de entrevistas com mais de 70 CEOs e presidentes das principais empresas de varejo do País.

Veja abaixo as dicas. Execute-as de acordo com o valor e a missão da sua empresa.

1. A era do consumidor 2.0 será o principal conceito nesta nova forma de comunicar. A relação de lealdade (antes presente na vida da maioria dos consumidores) dá lugar à preferência.

2. O peso, a relevância e o valor do cliente variam de setor para setor, de mercado para mercado, de empresa para empresa... E dever ser assim! O raciocino também é valido para o valor das marcas.

3. As relações expandidas em redes obrigam a empresa a se relacionar com o cliente e todas as suas redes, chamada de “multi-lateralidade”. Nesta corrente é interessante você, empreendedor, se perguntar: “Quem é o cliente, mesmo? Ou prospect? Ou suspect?”.

4. O mundo digital e convergente, avatarizado, complica sensivelmente a gestão de cliente e sua visão única.

5. A nomeada “Hiper-celebrização” das marcas e produtos faz o cliente se apaixonar, mas não casar.

6. As empresas devem fugir da “pegadinha” dos canais gratuitos (principalmente os colaborativos e redes sociais) que, geralmente, os concorrentes têm e os clientes querem. É preciso evitar o dilema “Ou não vai ninguém na sua festa ou vai todo mundo no seu barraco. Ou pior: Vai quem não devia!”. As empresas precisam criar critérios para falar não, evitar o multicanalismo (excesso de canais não integrados) em detrimento de uma correta estratégia de multicanalidade (canais adequados, racionalmente integrados e complementados em propósito, estrutura, tecnologia, gestão e operação)

7. Abrir novos canais sem fechar os já existentes pode duplicar o problema. Neste caso, o determinante essencial é a finalidade. Lembre-se que os clientes usarão todos que quiserem ao mesmo tempo.

8. É fundamental avaliar o custo versus risco de set-up e do carregamento de velhos.

9. Deve ter criatividade na indução de clientes em seu processo de migração de canais mais caros para os mais baratos para a empresa (por exemplo, SAC para Web). Uma boa opção é financiar a escolha por canais mais baratos, premiar o cliente e estimular as CCNs (Customer Care Networks)

10. Nada disso pode ser feito sem um painel com indicadores tangíveis e intangíveis de mensuração e monitoramento de performance, resultado e qualidade.

11. Deve-se ter coragem para fugir do processo de ancoragem eterna em canais que não funcionam. Menos, muitas vezes, é mais.

*Daniel Domeneghetti é especialista em relações de consumo e CEO DOM Stratety Partners, consultoria 100% nacional focada em maximizar geração e proteção de valor real para as empresas.



Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.


Os perigos do Transporte Aéreo Clandestino

Os regulamentos aeronáuticos buscam estabelecer critérios mínimos a serem seguidos pelos integrantes da indústria em questão.


A agenda do dia seguinte

A reforma da Previdência será aprovada no Congresso, salvo fatos graves e imprevistos. A dúvida, hoje, se restringe a quanto será, efetivamente, a economia do governo, em dez anos, já que as estimativas variam entre 500 a 900 bilhões de reais.


Comissão de Justiça e Paz

A CJP de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.


A sabedoria dos mineiros em ajudar os menos favorecidos

Há quatro organizações não governamentais de assistência social situadas em Belo Horizonte que estão fazendo um trabalho maravilhoso para ajudar os menos favorecidos.