Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As ciências penais do século XXI: os novos desafios profissionais

As ciências penais do século XXI: os novos desafios profissionais

19/01/2021 Luciano Santos Lopes e Daniela Barreiros Soares

Que tipo de profissional da advocacia estaria apto a atuar no cenário jurídico vigente? Quais as habilidades e competências necessárias para o (a) advogado (a) do século XXI?

Três são as análises que devem ser realizadas: técnica, estratégia e operacionalidade da atuação profissional.

Isso, porque além do conteúdo técnico, o profissional deve desenvolver habilidades que, diversas vezes, não são ensinadas dentro da sala de aula tradicional.

Nesse sentido, o agir estratégico se mostra essencial, pois contribui diretamente na tomada de decisão. Uma ferramenta interessante pode ser encontrada na teoria dos jogos.

Certo é que, para a tomada de decisões estratégicas, é importante saber recolher, indexar, avaliar e utilizar todo tipo de informação necessária para planejar uma defesa ou uma acusação.

Importa saber utilizar ferramentas analíticas que sejam capazes de gerar planos de ações adequados, obtendo o maior número possível de informações de cada jogador, principalmente, as da triangularização: advogado, Ministério Público e magistrado – informações do Canal Ciências Criminais.

No entanto, existem outras ferramentas que auxiliam na atuação profissional. Uma delas é a inteligência artificial.

Ainda é insipiente o uso, por exemplo, da jurimetria, que “tem sido utilizada em conjunto com softwares jurídicos num modelo de tentar prever resultados e oferecer (daí a questão estatística) probabilidades e valores envolvidos nestas análises” – segundo publicação presente no site Projuris.

Adiante, ressalta-se que a atuação da justiça penal, hoje, está gradativamente afastando a compartimentalização de saberes.

Em outras palavras, é necessário não ficar preso apenas às questões estritamente criminais na atuação profissional.

É essencial articular e aplicar conhecimentos de outros ramos do Direito. Exemplificando, é importante conhecer as relações do Direito Penal com o Tributário, Ambiental, etc.

Nesse sentido, a justiça negocial é uma realidade. Saber aplicar esse modelo, bem como conseguir evitar os abusos que dele podem surgir é importante.

Contudo, é preciso ressaltar que essas novidades – algumas já são realidades – precisam coexistir com a tradição jurídica.

Em outras palavras, não se pode abandonar o estudo e a aplicação da dogmática do processo penal, com todas as questões conceituais que são tão importantes às ciências penais em um estado democrático de direito.

Percebe-se, então, que a preparação para a prática das ciências penais precisa ser remodelada. Para além da atualização de grade curricular, é importante existir uma mudança de cultura na aprendizagem jurídica.

É fundamental trazer completamente para a realidade extramuros, esse saber teórico-acadêmico – com uma dogmática crítica, reflexiva e apta a dialogar com a contemporaneidade.

Ao invés de rupturas – da tradição com o novo –, propõem-se conversações! Somente assim, será possível formar um profissional das ciências penais apto a enfrentar os desafios do século XXI.

* Luciano Santos Lopes é advogado, professor da Faculdade de Direito Milton Campos, mestre e doutor pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (FDUFMG).

* Daniela Barreiros Soares é bacharel pela Faculdade de Direito Milton Campos e membro da diretoria do Instituto de Ciências Penais Jovem (ICP).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Administração de escritórios de advocacia requer planejamento e controle de fluxos

A maneira como uma corporação é administrada repercute diretamente em sua evolução.


Mortes e vidas virtuais

Um grande empresário da internet divulgou recentemente a criação de um universo totalmente on-line.


Contra a ignorância política e administrativa

A pesquisa da consultoria Quaest, que encontrou, entre os pesquisados, 78% que apenas “já ouviram falar” do STF e 80% do TSE e o não conhecimento das funções daqueles dois órgãos superiores, é a mais escandalosa prova da ignorância do povo que recentemente, em outro levantamento, também mostrou não saber o que faz o Congresso Nacional.


Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.