Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As marcas de uma marca

As marcas de uma marca

09/05/2018 Adilson Roberto Gonçalves

O dia 4 de maio é tido como o dia de Star Wars (May, the Fourth).

Reflito sumariamente sobre algumas marcas que a saga me trouxe. A simbologia faz com que muitos vão assistir aos filmes trajados como os personagens, segurando sabres de luz, o que não me compraz.

Porém, guardei o ingresso quando da estreia da segunda trilogia (A Ameaça Fantasma), que na verdade é a primeira, exibida depois de 22 anos de Uma Nova Esperança. Essa realocação das trilogias confunde os não aficionados.

Os nomes dos personagens é também uma marca de Star Wars e nem sempre é trivial reconhecê-los. Outro símbolo cultivado é a suposta oposição entre Star Wars e Star Trek. Aquela tida como religiosa, esta como científica. Não comungo dessa opinião e assisto à “concorrente” sem ressentimentos.

Há farta literatura ficcional utilizando o universo desenvolvido na saga, tanto com livros fieis ao enredo mostrado nos filmes, como os chamados spin offs, mantendo esse universo, mas com histórias que derivam – e muito – do que os produtores/diretores estão trazendo a público.

Conseguir ler o conjunto todo é tarefa ingrata não apenas pelo volume, mas também porque se luta contra a decepção com a forma que o autor conduz os personagens, conflitando com alguns cânones.

Rogue One, uma história alocada pouco antes do episódio IV, acabou por ser um filme até melhor que o episódio VII, O Despertar da Força, por não insistir nos atores principais da trilogia que deu origem à saga.

Contou um pedaço importante da forma como os rebeldes conseguiram os planos da Estrela da Morte, apesar de haver um erro de continuidade, pois no episódio IV o comandante dá a entender que a destruição de Alderaan seria a primeira vez do uso da força do aparato, mas a Estrela da Morte já havia sido usada para destruir Scarif, onde estavam armazenados os planos.

Com a morte de Carrie Fisher, a atriz que faz a princesa Leia, a utilização de imagens digitais ou de arquivo poderá deixar as sequências dos filmes mais artificiais, nada que os fãs não superem. Discussões à parte, meu querido Yoda, apenas que gosto afirmar posso!

* Adilson Roberto Gonçalves é pesquisador no IPBEN – Unesp de Rio Claro, membro da Academia Campineira de Letras e Artes e da Academia de Letras de Lorena.

Fonte: Oscar Alejandro Fabian D Ambrosio - ACI



A pandemia e a humanidade

Os últimos dois anos foram muito difíceis para todas as pessoas do planeta.


A pessoa diz não gostar de ler até encontrar um livro que gosta

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Pró-Livro revelou que o brasileiro lê em média 4,96 livros por ano.


Como resolver problemas que parecem impossíveis?

Existe um ditado polinésio que diz o seguinte: você pode estar em cima de uma baleia, mas pescando carpas miúdas.


A queda de 93% no uso do cheque

Na infância e juventude - anos 50 e 60 do século passado - ouvi muitos comentários de que comerciantes, fazendeiros e endinheirados da época lucravam pagando seus compromissos com cheque de outras praças, que demoravam dias para ser liquidados.


Supervisionar ou treinar seu time?

Supervisionar atividades e resultados da equipe é um dos maiores desafios para inúmeros líderes.


Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.