Portal O Debate
Grupo WhatsApp

As novas ferrovias. E as antigas?

As novas ferrovias. E as antigas?

18/06/2014 Dirceu Cardoso Gonçalves

As gigantes na produção de grãos unem-se e pretendem investir na construção de seis novas ferrovias, com quase 5 mil quilômetros, que constituirão alternativas para o escoamento das safras.

A noticia é auspiciosa e demonstra que a historia simplesmente se repete, mudando apenas o pano de fundo de cada época. Nos séculos passados, os produtores de café uniram-se e construíram a maior parte das ferrovias de São Paulo, Rio, Minas Gerais e Paraná.

Mas, os revezes da própria economia e os interesses políticos e até estratégicos levaram as estradas ferro a caírem encampadas pelos governos, que as exploraram, sucatearam e abandonaram. Hoje temos vergonhosos cemitérios de trens no lugar da outrora florescente via de transporte e desenvolvimento. A falência das ferrovias é atribuída à opção pelo rodoviarismo e à atuação dos cartéis de caminhões, pneus, combustíveis e outros. Independente do que tenha produzido o abandono, hoje vivemos também o caos rodoviário.

Todas as modernizações do setor têm sido insuficientes para fazer frente aos congestionamentos e ao crescente número de acidentes e prejuízos ao usuário e à economia nacional. Paradoxalmente, ao lado da rodovia congestionada, encontramos o absurdo da ferrovia ociosa. Os trilhos servem apenas para trazer problemas e atravancar os centros urbanos que, no passado, ajudaram a implantar. Os governos atuais – como sucessores daqueles que promoveram o desleixo – precisam encontrar uma solução.

Ainda que não atendam aos saudosistas que pensam no trem de passageiros, é preciso dar uma utilidade ao que ainda resta do vasto patrimônio. Existem mercadorias com perfil adequado para serem transportadas pelo trem e, hoje, seguem em imensos caminhões, meio mais caro de locomoção e prejudicial às nossas estradas.

Os técnicos do setor conhecem muito bem a divisão dos modais e seu funcionamento nas diferentes regiões da Europa e Estados Unidos, de onde derivam nossos serviços de transporte. Para consolidar o desenvolvimento econômico, o Brasil precisa colocar cada carga no seu devido modal e, preferencialmente, fazê-los funcionar de forma integrada. Ferrovia, rodovia, hidrovia, aerovia e cabotagem não podem ser concorrentes. Precisam ser complementares...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira