Portal O Debate
Grupo WhatsApp


As pessoas estão abandonando o mundo corporativo

As pessoas estão abandonando o mundo corporativo

13/12/2017 Claudia Regina Araujo dos Santos

Apenas entre 2014 e 2016, 55402 brasileiros optaram por trocar de país.

Com a crise econômica dos últimos anos e as recentes mudanças no mercado de trabalho brasileiro, muitas pessoas estão deixando o mundo corporativo para percorrer novos caminhos profissionais. As carreiras, que antes eram estruturadas e seguiam uma linha ascendente, estão tomando diversas direções e ganhando novos formatos.

Neste cenário, os profissionais com experiência têm saído do Brasil em busca de novos desafios e melhor qualidade de vida. Apenas entre 2014 e 2016, segundo a Receita Federal, 55402 brasileiros optaram por trocar de país – um aumento de mais de 80% em comparação com o ano anterior.

A novidade é que o perfil dessas pessoas têm se transformado nos últimos anos – se antes eram os jovens que buscavam novas experiências no exterior, hoje são os profissionais mais qualificados, com cargos gerenciais e alto poder aquisitivo.

Isso tem contribuído para a fuga de talentos e falta de mão de obra qualificada no país, o que abre espaço para profissionais mais jovens e inexperientes. Por outro lado, um ambiente corporativo que valoriza a cobrança e a busca por resultados, somado a um modelo engessado de gestão de pessoas, também está contribuindo para que os profissionais fujam do escritório tradicional.

Esse cenário não apenas aumentou os casos de estresse, ansiedade e depressão, mas também provocou uma mudança profunda no mercado e nas relações de trabalho. Quando pensamos na nova geração, recém-saída da universidade, essa tendência fica ainda mais nítida.

No passado, as pessoas costumavam delegar as decisões de suas carreiras para as organizações, que traçavam quais seriam os próximos passos a seguir. Hoje, os profissionais procuram fazer o que acreditam e realizar um trabalho com propósito, não apenas pela remuneração e pelo crescimento na carreira. Para muitos deles, é importante encontrar sentido no que se está fazendo e estar profundamente identificado com os seus valores e com a sua missão de vida.

Isso contribui para que eles se afastem, cada vez mais, de companhias onde não se sentem engajados e estimulados. As instituições não são mais a única opção - muitos profissionais têm arriscado criar o seu próprio negócio, trabalhar como autônomos ou virar freelancers. Com o surgimento de novos campos de atuação e uma forte cultura de empreendedorismo, eles passaram a buscar diferentes soluções para realizar seus anseios profissionais.

As mudanças no mundo do trabalho são um caminho sem volta. Com o início da recuperação da economia, as empresas precisam transformar a cultura interna para valorizar e estimular seus funcionários. Trabalhar com o foco apenas em metas e resultados não é suficiente para companhias que desejam crescer e se destacar nos próximos anos.

E investir na área de recursos humanos é fundamental para evitar que as pessoas não abandonem, cada vez mais, o ambiente corporativo.

* Claudia Regina Araujo dos Santos é especialista em gestão estratégica de pessoas, palestrante, coach executiva e diretora da Emovere You.



Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.


Procedimento de segurança

“Havendo despressurização…”, anuncia a comissária, em tom calmo, aos ouvidos dos senhores passageiros daquele voo atrasado, sob a umidade e a monocromia do céu de quase inverno.


Envelhecimento: o tempo passa para todos

Todos nós, em algum momento de nossas vidas, já ouvimos a frase: “o tempo passa para todos”.


Os passos para encontrar a si mesmo e a Deus

Mar da Galileia, Mar de Tiberíades ou Lago de Genesaré, um lugar significativo de tantos milagres e narrativas do Evangelho.


A babá e o beijo

Se eu tinha dúvidas, agora não tenho mais.


A despolitização do Supremo Tribunal Federal

Não pode funcionar bem e com total isenção uma corte ou tribunal de indicação e nomeação política.