Portal O Debate
Grupo WhatsApp


As pessoas estão abandonando o mundo corporativo

As pessoas estão abandonando o mundo corporativo

13/12/2017 Claudia Regina Araujo dos Santos

Apenas entre 2014 e 2016, 55402 brasileiros optaram por trocar de país.

Com a crise econômica dos últimos anos e as recentes mudanças no mercado de trabalho brasileiro, muitas pessoas estão deixando o mundo corporativo para percorrer novos caminhos profissionais. As carreiras, que antes eram estruturadas e seguiam uma linha ascendente, estão tomando diversas direções e ganhando novos formatos.

Neste cenário, os profissionais com experiência têm saído do Brasil em busca de novos desafios e melhor qualidade de vida. Apenas entre 2014 e 2016, segundo a Receita Federal, 55402 brasileiros optaram por trocar de país – um aumento de mais de 80% em comparação com o ano anterior.

A novidade é que o perfil dessas pessoas têm se transformado nos últimos anos – se antes eram os jovens que buscavam novas experiências no exterior, hoje são os profissionais mais qualificados, com cargos gerenciais e alto poder aquisitivo.

Isso tem contribuído para a fuga de talentos e falta de mão de obra qualificada no país, o que abre espaço para profissionais mais jovens e inexperientes. Por outro lado, um ambiente corporativo que valoriza a cobrança e a busca por resultados, somado a um modelo engessado de gestão de pessoas, também está contribuindo para que os profissionais fujam do escritório tradicional.

Esse cenário não apenas aumentou os casos de estresse, ansiedade e depressão, mas também provocou uma mudança profunda no mercado e nas relações de trabalho. Quando pensamos na nova geração, recém-saída da universidade, essa tendência fica ainda mais nítida.

No passado, as pessoas costumavam delegar as decisões de suas carreiras para as organizações, que traçavam quais seriam os próximos passos a seguir. Hoje, os profissionais procuram fazer o que acreditam e realizar um trabalho com propósito, não apenas pela remuneração e pelo crescimento na carreira. Para muitos deles, é importante encontrar sentido no que se está fazendo e estar profundamente identificado com os seus valores e com a sua missão de vida.

Isso contribui para que eles se afastem, cada vez mais, de companhias onde não se sentem engajados e estimulados. As instituições não são mais a única opção - muitos profissionais têm arriscado criar o seu próprio negócio, trabalhar como autônomos ou virar freelancers. Com o surgimento de novos campos de atuação e uma forte cultura de empreendedorismo, eles passaram a buscar diferentes soluções para realizar seus anseios profissionais.

As mudanças no mundo do trabalho são um caminho sem volta. Com o início da recuperação da economia, as empresas precisam transformar a cultura interna para valorizar e estimular seus funcionários. Trabalhar com o foco apenas em metas e resultados não é suficiente para companhias que desejam crescer e se destacar nos próximos anos.

E investir na área de recursos humanos é fundamental para evitar que as pessoas não abandonem, cada vez mais, o ambiente corporativo.

* Claudia Regina Araujo dos Santos é especialista em gestão estratégica de pessoas, palestrante, coach executiva e diretora da Emovere You.



Startups ampliam o mercado de trabalho jurídico

Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), temos atualmente no Brasil 12.700 dessas empresas, número 20 vezes superior se compararmos com 2011, quando eram contabilizadas 600.


Aprendizados durante a pandemia e a importância da inovação para o mercado

O momento atual tem sido de muito aprendizado para todos.


Eca 30 anos: o que mudou nas nossas vidas?

No bojo da redemocratização do país nas décadas de 1980, 1990, muitas mudanças ocorreram para a melhoria da sociedade que vivemos.


Como músico, advogado e padre, saíram de boa

Quando, em 1945, os americanos ocuparam Garmish, um jeep, cheio de soldados, estacionou, à porta da casa de Richard Strauss.


Queremos mesmo extinguir o dinheiro?

Com o aumento do uso de meios de pagamentos digitais, não raras vezes se ouve no debate público a afirmação de que, no futuro, o ideal seria extinguir o dinheiro em espécie.


Assalto a banco, prisão perpétua e pena de morte

O país volta a ser sacudido pelos ataques de grupos armados a agências bancárias, transportadoras de valores, carros-fortes e outros lugares onde são armazenadas elevadas somas em dinheiro.


Empresas existem para cuidar das suas comunidades

Certa vez, me pediram para dar aula de Teoria Geral da Administração para uma turma de 1º ano de graduação.


Como fazer o planejamento financeiro pós-pandemia e para 2021

O planejamento financeiro tornou-se fundamental no mundo pós-pandemia.


Pandemia, juros baixos e a retomada do setor imobiliário

Assim como em outros setores, entre a segunda quinzena de março e o fim de maio, ocorreu um bloqueio total do mercado imobiliário por conta do desconhecimento da pandemia.


Feliz Dia do Síndico

Em comemoração ao Dia do Síndico, este artigo de opinião procura estimular uma profunda reflexão sobre o verdadeiro papel do síndico e do próprio comportamento na figura do representante do condomínio junto à sociedade.


A saúde mental dos seus colaboradores pede atenção

O ano de 2020 foi muito conturbado, com diversos acontecimentos.


A diferença entre o artista e o empresário

Em primeiro lugar, deixe-me esclarecer: quando se fala em artista no mundo dos negócios, se fala no profissional ou técnico que tem determinado conhecimento específico ou habilidade.