Portal O Debate
Grupo WhatsApp


As pessoas estão abandonando o mundo corporativo

As pessoas estão abandonando o mundo corporativo

13/12/2017 Claudia Regina Araujo dos Santos

Apenas entre 2014 e 2016, 55402 brasileiros optaram por trocar de país.

Com a crise econômica dos últimos anos e as recentes mudanças no mercado de trabalho brasileiro, muitas pessoas estão deixando o mundo corporativo para percorrer novos caminhos profissionais. As carreiras, que antes eram estruturadas e seguiam uma linha ascendente, estão tomando diversas direções e ganhando novos formatos.

Neste cenário, os profissionais com experiência têm saído do Brasil em busca de novos desafios e melhor qualidade de vida. Apenas entre 2014 e 2016, segundo a Receita Federal, 55402 brasileiros optaram por trocar de país – um aumento de mais de 80% em comparação com o ano anterior.

A novidade é que o perfil dessas pessoas têm se transformado nos últimos anos – se antes eram os jovens que buscavam novas experiências no exterior, hoje são os profissionais mais qualificados, com cargos gerenciais e alto poder aquisitivo.

Isso tem contribuído para a fuga de talentos e falta de mão de obra qualificada no país, o que abre espaço para profissionais mais jovens e inexperientes. Por outro lado, um ambiente corporativo que valoriza a cobrança e a busca por resultados, somado a um modelo engessado de gestão de pessoas, também está contribuindo para que os profissionais fujam do escritório tradicional.

Esse cenário não apenas aumentou os casos de estresse, ansiedade e depressão, mas também provocou uma mudança profunda no mercado e nas relações de trabalho. Quando pensamos na nova geração, recém-saída da universidade, essa tendência fica ainda mais nítida.

No passado, as pessoas costumavam delegar as decisões de suas carreiras para as organizações, que traçavam quais seriam os próximos passos a seguir. Hoje, os profissionais procuram fazer o que acreditam e realizar um trabalho com propósito, não apenas pela remuneração e pelo crescimento na carreira. Para muitos deles, é importante encontrar sentido no que se está fazendo e estar profundamente identificado com os seus valores e com a sua missão de vida.

Isso contribui para que eles se afastem, cada vez mais, de companhias onde não se sentem engajados e estimulados. As instituições não são mais a única opção - muitos profissionais têm arriscado criar o seu próprio negócio, trabalhar como autônomos ou virar freelancers. Com o surgimento de novos campos de atuação e uma forte cultura de empreendedorismo, eles passaram a buscar diferentes soluções para realizar seus anseios profissionais.

As mudanças no mundo do trabalho são um caminho sem volta. Com o início da recuperação da economia, as empresas precisam transformar a cultura interna para valorizar e estimular seus funcionários. Trabalhar com o foco apenas em metas e resultados não é suficiente para companhias que desejam crescer e se destacar nos próximos anos.

E investir na área de recursos humanos é fundamental para evitar que as pessoas não abandonem, cada vez mais, o ambiente corporativo.

* Claudia Regina Araujo dos Santos é especialista em gestão estratégica de pessoas, palestrante, coach executiva e diretora da Emovere You.



Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.


Um vazio de lideranças

Qual o paradeiro dos líderes? Eles possivelmente estão por perto, mas nós não os enxergamos.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


No tempo da pandemia

Nesta época de quarentena, assisti, pela rádio, à transmissão de cerimónia religiosa: missa.


O Mal

Agostinho dizia que o mal não é um ente em si, porque não é possível que um D’us bom tenha criado o mal.


As palavras que faltam

Há muitas coisas em falta no mundo.