Portal O Debate
Grupo WhatsApp


As Redes Sociais no e-commerce

As Redes Sociais no e-commerce

06/02/2013

O assunto mais comentado na Internet são as Redes Sociais. Cada vez mais, o brasileiro está inserido nessas plataformas.

O Facebook cresce de forma avassaladora no Brasil e já somos o segundo país com mais acessos. O Twitter está em um momento delicado, mas LinkedIn, Pinterest, Foursquare, YouTube e Instagram crescem a cada dia, não na mesma velocidade do Facebook, mas esse é um canal de ajuda para que os outros cresçam.

Já vemos casos como Netshoes e Dafiti, dois fenômenos do e-commerce, vendendo pelas redes e não apenas pelo Facebook. A Netshoes, por exemplo, possui uma loja interessante no Pinterest. Algumas marcas já estão trabalhando Foursquare e Instagram como forma de divulgação de produtos e não vai demorar muito para que essa onda de vender por essas redes chegue ao gosto popular.

O crescimento do mobile no Brasil é algo que só vem impulsionar as redes. Se por um lado, falar de mobile parece não ter nada a ver com esse artigo, por outro lado, ele tem tudo a ver. Estudos mostram que o crescimento das Redes Sociais no país passa pelo mobile.

Quando entendemos que cada vez mais o consumidor está comprando pelo celular e cruzamos essas duas frentes de consumo, conseguimos analisar o potencial de compras pelas redes, entretanto, é preciso entender que o princípio básico das redes é o relacionamento e nem só de promoção se sustenta uma Fan Page ou Social Commerce.

Social Commerce é um assunto totalmente ligado às Redes, afinal, se as marcas querem vender pelas redes, esse conceito é o caminho mais próximo, entretanto, ele ainda não decolou no país. O estudo que a ABComm pensa em fazer logo no começo de 2013 visa descobrir o porquê de sua não decolagem, porém, algumas hipóteses já podem ser levantadas.

Por exemplo, analisando as Fan Pages de e-commerce, vemos muitas promoções e poucas interações com o consumidor, saber ser muito mais social do que commerce, ou seja, saber que as redes são canais de relacionamento e não apenas de venda é um dos fatores principais para fazer valer a pena.

Quem pensa ser apenas venda, está pensando totalmente errado. As lojas virtuais não têm um vendedor físico, entretanto, a interação nas redes pode, aliás, deve substituir essa figura. Se não há como fazer um atendimento um a um via redes, é preciso saber como fazer isso via inteligência artificial. Talvez valha a pena gastar nisso, pois estudos mostram o quanto as pessoas gostam da atenção das marcas. Virou um diferencial.

Ações inovadoras, usar todas as redes como pontos de contato. Monitorar, entender o que as pessoas falam e como agir. São ações que muitos falam, poucos fazem. Monitorar as redes tem sido importante tanto para o institucional como para o varejo, afinal, cada vez mais as pessoas estão se expressando nas redes. Não tem como ficar de fora, pois aqueles que estão fora das redes, estão, literalmente, perdendo dinheiro.

*Felipe Morais, Diretor de Mídias Digitais da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOMM).



Privatização das estatais

Positiva ou não para o país?


50 Anos de Internet e o mundo se comunica cada vez menos

Neste ano de 2019, a internet fará 50 anos.


Woody Allen e Dylan Farrow

A possível síndrome de falsas memórias.


A CPMF e a saída do seu autor

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um.


CPMF: o que foi e como poderá ressurgir na reforma tributária

O Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) poderá ser a recriação antiga CPMF.


O Brasil e a agropecuária sustentável

A pecuária brasileira tem se pautado ao longo dos anos pela sustentabilidade em toda cadeia produtiva e pela qualidade e segurança dos alimentos.


“Tô de férias, cadeia é férias pra mim”

É uma vergonha que delinquentes ainda venham desdenhar do sistema carcerário e das autoridades penais.


Locações de curta temporada em aplicativos

Saiba os direitos e deveres da propriedade imobiliária.


O Século das Cidades

“Não somos melhores, nem piores, somos iguais… melhor mesmo é a nossa causa…” (Thiago Mello)


Hollywood e o mundo real

Uma abordagem psiquiátrica do filme Gente como a Gente.


A liderança feminina e seus potenciais

Companhias que possuem, pelo menos, uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas.


A bolsa brasileira é a bola da vez

O ano de 2019 tem sido de recordes para o investidor brasileiro.