Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Autonomia e liberdade: o novo modelo de trabalho ideal?

Autonomia e liberdade: o novo modelo de trabalho ideal?

29/09/2017 Marcelo Vianna

O que você faz para ser feliz? Ou melhor, o que te deixa feliz?

Escutar música, encontrar os amigos, comer algo que gosta... Mas e o trabalho, te faz feliz? A busca pela felicidade foi um quesito unânime entre os mais de 82 mil entrevistados da pesquisa “Carreira dos Sonhos 2017”, realizada pela Cia de Talentos em parceria com a NextView People.

Ser feliz, inclusive, é mais importante do que a estabilidade e o conforto, e mais do que nunca o indivíduo quer se sentir valorizado. Ser empoderado e poder investir na sua evolução dentro da empresa no qual trabalha, é o que os profissionais buscam.

Esse é o 16º ano da pesquisa, mas o segundo desde que seu foco partiu de “Empresa dos Sonhos dos Jovens” para “Carreira dos Sonhos”, uma mudança que alterou inclusive o público-alvo da conversa, que hoje acontece com profissionais jovens, de média gestão e alta liderança.

E embora esse seja só o segundo ano, já é possível ver que o disruptivo, a tecnologia, e os novos modelos de trabalho têm impactado os desejos e os sonhos desse público, que está cada vez menos ligado ao mercado de trabalho tradicional.

Com em 2016, fica claro que o mercado ainda tem muito a aprender, nunca antes estivemos tão conectados a outras pessoas e tão desconectados das instituições, visto que quase 100% dos entrevistados apontou alguma insatisfação com o mercado de trabalho.

Foi o tempo em que vida pessoal e profissional andavam separados, novos modelos devem estimular a autonomia e a liberdade. E um detalhe importante, ainda que satisfeitos, nem todos os profissionais pretendem ficar na sua atual empresa, a satisfação não garante mais o relacionamento.

O tempo voa, e o conhecimento também


Albert Einstein já dizia que "a imaginação é mais importante que o conhecimento", e se em 1931, data da publicação da frase, ele já tinha razão, você vai se surpreender ao saber que nossa nova relação com o conhecimento reduziu a vida útil de nossas habilidades profissionais, que passaram de 30 para cinco anos. Junte a isso o aumento da expectativa de vida, 75 anos e meio, e acredite, nossos filhos e seus descendentes trabalharão cerca de 60 anos.

Onde, como e com quem aprendemos


Em uma análise detalhada, comparando os resultados de 2016 com os desse ano, conseguimos perceber o quanto as referências têm moldado a cabeça dos profissionais, independentemente da idade, seja jovem, média gestão ou alta liderança.

Dentre os principais motivos que atraem os profissionais a uma empresa, citamos duas unanimidades: fazer o que gosta e a busca pelo desenvolvimento profissional. E quando colocamos isso lado a lado aos resultados passados, percebemos que carreira internacional, boa imagem e segmento de atuação estavam no topo da lista.

O que isso significa? Que antes os profissionais estavam preocupados com a empresa – boa imagem e segmento -, mas hoje, essas mesmas pessoas, estão mais preocupadas consigo. Ouso ainda afirmar que o fato de a alta liderança apontar tais fatores, nos leva a crer que esses profissionais buscaram experiências alternativas além da empresa. Lembrando ainda que o item “remuneração” foi citado apenas pela média gestão e em 2016.

Levando em conta as referências, ou melhor, com quem os entrevistados querem aprender, Jorge Paulo Lemann está no topo de todas as gerações, acompanhado de nomes como Bill Gates, Barack Obama Steve Jobs e até Silvio Santos.

Outro detalhe é de os jovens e a média gestão também incluíram professores e chefes como referência. De maneira geral, conseguimos afirmar que a experiência, o fato de alcançarem grandes metas e terem foco, foram os critérios de escolha desses líderes.

Obviamente a pesquisa não deixaria de abordar as empresas dos sonhos de cada geração, e é interessante ver que ainda que todos busquem algo de viés empreendedor, fazer o que se gosta e ao mesmo tempo ter desenvolvimento profissional, as empresas escolhidas são grandes corporações, como Google, Nestlé, Natura e Petrobrás.

Isso demonstra que o fator estabilidade ainda pesa muito. A solução? Volte ao início do estudo, valorize o indivíduo e o empodere, nada melhor do que contar com um colaborador de espírito empreendedor.

* Marcelo Vianna é sócio-diretor da Conquest One, empresa especializada em contratação de profissionais especializados em TI, e CHRO responsável pela área de Pessoas e Compliance.



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.