Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Bloqueio na escrita acadêmica?

Bloqueio na escrita acadêmica?

02/11/2017 Wellington Anselmo Martins

A seguir, algumas dicas e empurrões. Não espere pela inspiração!

Você está escrevendo uma Monografia e não poemas vanguardistas para vencer o próximo Nobel de Literatura. Ok? Escrita acadêmica é trabalho! Só isso. Por isso, lute contra a preguiça e procrastinação.

Comece a escrever já! Agora! Jamais espere "estar bem no corpo e na alma" para começar a digitar... Não deixe para depois, para "quando eu tiver uma ideia original". Não seja perfeccionista! O idealismo costuma ser sabotador!

Mais vale um capítulo de artigo já rascunhado na mão do que uma nova tese de doutorado inteira nos seus sonhos. E não romantize a ciência do Brasil. Jamais. Poucas pessoas irão ler o seu trabalho acadêmico. (Na verdade, poucas pessoas no Brasil sabem ler de verdade...). Isso é fato. Pouquíssimas.

Nem a sua mãe vai querer ler a sua dissertação de mestrado... Mas há uma certeza, olha: o seu orientador, sim, este lerá o seu texto! Por isso, quando escrever, pense no seu orientador. Dê preferência para ter um retrato dele logo acima do seu computador. Isso vai ajudar na sua "inspiração". Vai ajudar a não se esquecer de quem realmente lerá a sua pesquisa.

Claro, de novo: não romantize a ciência no Brasil. Pois o seu orientador também é alguém muito ferrado. Ou seja, ele, sim, até que lerá o seu trabalho! Mas não é que vai ler ler mesmo, entende?! Por isso, não fique triste por nem o seu orientador notar aquela metáfora "genial" que você usou no seu texto. Ou aquele exemplo "inovador" que você criou.

Se você ficar muito carente e tiver demasiada certeza de que algum argumento seu merece ser conhecido, apresente-o em comunicações acadêmicas. No Brasil, as pessoas têm mais facilidade para ouvir do que para ler (porque elas não sabem ler, lembra?). Às vezes, é incrível, mas até doutores são assim.

A sua mãe também! Se quer mostrar para ela ou para seus amigos a sua pesquisa, não dê o texto escrito. Fale para eles! Quando você fala, eles têm mais vergonha de rejeitar cabalmente tudo o que você faz da vida. E lá vai uma última dica, esta que contraria tudo o que é conselho comum: você pode continuar usando o Facebook e a Netflix enquanto escreve a mais sofisticada redação acadêmica!

Pois não é a internet que atrapalha a escrita, é a preguiça! É a enrolação pra começar! E, claro, o idealismo! Enfim, pode deixar o Facebook aberto enquanto estiver escrevendo. Pois é mais produtivo escrever picadinho, de pouco em pouco, a cada 20 ou 30 minutos, e fazendo pausas para o café e redes sociais, do que ficar esperando aquele dia mágico em que você irá sentar na frente do seu pergaminho sagrado, durante um retiro longínquo com os monges beneditinos, e desenhará com penas, ininterruptamente por toda uma semana seguida, de um único fôlego, os novos princípios da pós-Física Quântica, que alargarão o estado da arte da condição humana deste terceiro milênio inteiro... Não.

Poxa, é mais simples que isso: apenas sente a bunda na cadeira, agora e escreva! Só escreva! — Seja lá o que você escrever, mais tarde o seu orientador dirá que está tudo meio ruim mesmo.

* Wellington Anselmo Martins é Graduado em Filosofia (USC) e Mestre em Comunicação (Unesp).



Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.