Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bolsonaro – Aonde está o golpe?

Bolsonaro – Aonde está o golpe?

02/04/2021 Bady Curi Neto

Inicio o presente invocando a Constituição Federal de 1988, precisamente, em seu artigo 84, inciso I e II: “Compete ao Presidente da República: I – nomear e exonerar os Ministros de Estado; II – exercer, com auxílio dos Ministros de Estado, a direção superior da administração pública”.

Em nosso sistema Presidencialista são atribuídos ao Presidente da República de Chefe de Governo (prática de atos de administração e de natureza política, incisos I a VI; IX a XVIII e XX a XXVII) e Chefe de Estado (representando a República Federativa do Brasil nas relações internacionais e, internamente, sua unidade, incisos VII, VIII e XIX do art. 84).

A Constituição Federal ao conceder a escolha privativa dos Ministros de Estado ao Presidente da República, o fez visando a maior governabilidade, certo que não há como dirigir um país com auxiliares que possuem desafinidade de pensamentos, estejam com o desempenho aquém do esperado ou mesmo por uma participação maior da base aliada do representante maior da República.

Por isto não causa estranheza ou não deveria causar a mudança de peças no tabuleiro composto por Ministros de Estado. O ato de nomear ou exonerar Ministros independe de motivação, apenas da conveniência do Presidente da República.

Essa semana, Jair Bolsonaro, agindo de acordo com as atribuições Constitucionais deu início à mudança de Ministros de Estado (modificaram seis peças no tabuleiro), o que levou a oposição e a esquerda, pavorosas, em anunciar que tais medidas, que ocorrem em todo Governo, era a pretensão de um Golpe de Estado.

O novo Ministro da Defesa anunciou que haveria modificação no comando das três Forças Armadas, elevando as especulações falaciosas que haveria uma coaptação de militares a favor do Golpe. Nada mais irreal.

Não há espaço, clima, pretensão governamental e/ou aprovação das Forças Armadas para o fantasioso Golpe alardeado pela oposição.

O vice-presidente da República, General Hamilton Mourão, com a temperança que lhe é peculiar, já se manifestou a respeito, inclusive, sobre as funções Constitucionais das Forças Armadas que não se misturam com política.

Mourão já verbalizou que “Não admitimos política nos quartéis, pois isso acaba com pilares básicos da instituição, a disciplina e a hierarquia”, e completou, em recente entrevista, quanto a mudança dos Comandantes das três Forças Armadas: “Essa aí foi uma mudança mais abrupta, mas está dentro do previsto, vamos dizer assim. Comandantes não têm mandato”.

E em sábias palavras, firmou: “Pode botar quem quiser, não tem ruptura institucional. Forças Armadas vão se pautar pela legalidade”.

Falar em Golpe de Estado, devido ao fato de o Presidente da República ter exercido sua prerrogativa Constitucional, é apenas um movimento oposicionista na tentativa de descredibilizar o Governo.

Politicagem sórdida, que não coaduna e não se mistura com as funções, a respeitabilidade e honorabilidade das Forças Armadas do Brasil.

Resta a pergunta: Aonde está o Golpe? Nas atribuições, na competência Constitucional do Presidente em nomear e exonerar seus Ministros?

A caravana passa e os cães ladram. Plagiando, o Presidente governa e a oposição grita seus factoides.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre golpe clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?