Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bonitos no céu, mas perigosos para a audição

Bonitos no céu, mas perigosos para a audição

24/12/2016 Isabela Carvalho

O fim de ano traz de volta um costume comum na hora da virada: a queima de fogos de artifício.

Apesar da explosão de luzes e beleza no céu, os artefatos podem trazer sérios danos à saúde auditiva, além de riscos de acidentes e queimaduras durante o manuseio.

Tradição milenar para celebrar datas especiais, que veio da China há mais de 2000 anos, a queima de fogos produz um barulho intenso; e aí é que está o perigo.

Os vilões são os foguetes e rojões. Eles podem acarretar um trauma acústico ou a perda de audição uni ou bilateral, que pode ser temporária ou, nos casos mais graves, irreversível.

O prejuízo auditivo acontece a quem manipula ou está próximo ao local de detonação porque o forte estampido, principalmente dos rojões, é repentino. O potente som, que pode chegar a uma intensidade de 140 decibéis, percorre todo o ouvido de forma rápida, atingindo as células ciliadas e os nervos internos da orelha, que são os receptores sensoriais do sistema auditivo.

Para se ter uma ideia do quão forte é esse barulho, um avião durante a decolagem produz um som de 130 decibéis. Quando há sequelas, a perda de audição é geralmente unilateral (em um único ouvido) e se inicia com o aparecimento imediato de zumbido, problema que afeta cerca de 28 milhões de pessoas em todo o mundo.

Mas podem surgir também tontura, pressão nos ouvidos e dificuldades para ouvir logo após o estampido. Essa sensação tende a passar naturalmente no decorrer de horas ou dias, mas se os sintomas persistirem é preciso consultar um médico otorrinolaringologista para avaliar se o dano auditivo é temporário ou definitivo, irreversível.

Se tiver havido trauma acústico as consequências são graves. E como se proteger? A melhor forma de prevenção é manter-se distante do local de queima dos fogos e, no caso de festas muito barulhentas, usar protetores auriculares.

Eles reduzem o barulho que entra pelos ouvidos mas permitem que as pessoas escutem os sons ao redor. O fato é que nas comemorações de fim de ano, barulho é o que não falta. Além dos fogos, há muita música, gritos, aparelhos de som e TVs em alto volume.

Nas ruas, buzinas e carros de som. Nas casas e restaurantes, muita algazarra. Tudo isso para celebrar a chegada de mais um ano, com muita alegria. A festa é contagiante, mas barulhenta! E quem mais sofre são os ouvidos. É preciso lembrar que a frequência constante a ambientes barulhentos pode contribuir para uma gradual perda auditiva.

Todo ruído acima de 85 decibéis é prejudicial à audição. E a perda auditiva é cumulativa. Dependendo da frequência, do tempo de exposição ao som elevado e da predisposição, o indivíduo pode sofrer danos auditivos cada vez mais severos, de forma contínua e elevada, ao longo da vida. Por tudo isso, não custa lembrar. Divirta-se, mas tomando certos cuidados, para que você possa ouvir os sons da vida por muitos e muitos anos ainda.

* Isabela Carvalho é fonoaudióloga da Telex Soluções Auditivas, especialista em audiologia.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa