Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Brasil e a Síndrome do Messianismo

Brasil e a Síndrome do Messianismo

03/09/2014 Natália Vilarouca

Existem algumas coisas que me envergonham no Brasil. Uma delas é o apelo messiânico que a política possui por aqui. Somos uma “nação" tradicionalmente religiosa e com complexo de inferioridade.

O que nos leva a considerar que em algum momento um líder surgirá e acabará com todos os problemas das nossas vidas e colocará o Brasil num cenário de destaque mundial. Somos um país carente que bate palmas para qualquer político chulo que nos encha de esperança e por isso somos tão suscetíveis a promessas. Qualquer um que morre vira ídolo.

Todo aquele que brade “vim de um lugar miserável, mas venci" imprime na mente brasileira a perspectiva de um salvador. Temos a síndrome do messianismo. E nada poderia ser pior para um povo cuja forma de governo é a democracia representativa. É por isso que o brasileiro adora ouvir as palavras “meu povo", “fé", “esperança", "solidariedade", "Brasil melhor", "saúde e educação para todos" e "sonho" (esta última me foi lembrada pelo professor Pedro Cabral).

Não que todas essas coisas não sejam boas, mas vindas de um político deveriam causar, no mínimo, desconfiança. Políticos não são administradores. São indivíduos que, levados por ideias e interesses pessoais, almejam controlar a máquina pública para poderem ajustar a realidade ao seu gosto. Os idealistas colocam-se como a tábua moral e salvação. Invariavelmente criam gosto pela coisa e começam o que eles chamam orgulhosamente de “carreira política".

Ora, vejam só! Estes árduos defensores da “Democracia e da República" falando em carreira política! É um discurso belo. Pena que os próprios conceitos de democracia e república impliquem necessariamente numa rotatividade de poder. Os defensores desse paradoxo dizem que o que é bom não se deve mudar. É que esses esperançosos aguardam ansiosamente a revolução que não chega. Não se muda um país em 4 anos. Não se muda um país em 8 anos. Não se muda um país em 12 anos. Não se muda um país em 16 anos.

As mudanças tardam. Nunca chegam dando nome aos bois: O PT é um partido que fez promessas demais e já vai mostrando claramente o que chamamos de inadimplemento antecipado. Vemos alguns retoques, claro. Uma mão de cal, mas a estrutura encontra-se rachada. Os inúmeros programas sociais revestem-se do que podemos chamar de imediatismo. Uma hora arruma-se a janela, outra hora a porta, mas olvida-se que a casa irá sacudir em algum momento porque a base não é sólida.

Não há um dia que não haja uma brilhante ideia de programa social e destinação de verbas. São os reparos. Infelizmente não serão os programas sociais imediatistas e populistas do PT que irão resolver os paradoxos sociais brasileiros porque temos um problema crônico: O liberalismo econômico nunca deu as caras por aqui.

Não acumulamos capital e, no entanto, acreditamos piamente que podemos importar as legislações de outros países e que o resultado será o mesmo. Sugiro que paremos de esperar o Messias e de invejar o pão alheio. Ele não virá para nos dar o pão, mas nós temos braços e é bom que na primeira chuva arregacemos as mangas para plantar o nosso próprio trigo.

*Natália Vilarouca é acadêmica de Direito da UNIFOR e Colunista do Instituto Liberal.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.