Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Brasil vive a marcha da insensatez. Até quando?

Brasil vive a marcha da insensatez. Até quando?

05/03/2018 Celso Luiz Tracco

A marcha da insensatez – de Tróia ao Vietnã, de Bárbara Tuchman.

Neste livro a autora faz uma análise, profunda e brilhante, sobre grandes eventos da humanidade que, pela insensatez dos governos e governados, levaram povos a guerras, destruições e enormes sofrimentos.

Sirvo-me deste título para refletir sobre o momento atual de nossa sociedade, que está vivendo um período de calamidades crescentes e pouco, ou nada, faz para mudar um destino que parece cada vez mais sombrio e mais próximo.

Parece estar claro que o maior entrave para o crescimento sustentado do Brasil é seu atual sistema político e isto já é consenso entre alguns políticos conscientes. Para dizer o mínimo, é um sistema anárquico. Começando pela arrecadação de impostos: do total arrecadado, cerca de 57% vai para a união, 25% para os estados e 18% para os municípios.

Ora, as pessoas vivem nos municípios e precisam mais de "brasis" do que de Brasília. Dos 5570 municípios brasileiros, em torno de 65% deles não fecharam suas contas em 2017, a maioria dos estados está com sua situação financeira caótica, o déficit federal só cresce. Como disse recentemente a Ministra Carmen Lúcia, presidente do STF, "o cidadão está cansado de todos nós", referindo-se a que o povo brasileiro está cansado da ineficiência das instituições governamentais.

O que fazer? Bem, parece claro: ou tornamos as instituições eficientes ou acabamos com elas. Manter o status quo não parece ser muito sensato. Hoje dispomos de uma ferramenta poderosa: a internet, ela é democrática. Como sugestão acesse: www.mudamos.org e conheça seu conteúdo. Baixe o aplicativo em seu celular, é gratuito e permite que qualquer cidadão proponha, participe, assine projeto de iniciativa popular que pode tornar-se lei e transformar nossa realidade caótica. É um instrumento de cidadania.

A sociedade pode e deve participar e não apenas em ano de eleição. Afinal o país que desejamos depende de nós. Exemplo: algumas escolas de samba cariocas demonstraram toda sua indignação com as mazelas governamentais no principal desfile de carnaval do país.

Participar é decisivo, ou devemos usar nosso poder apenas para escolher o eliminado em realities shows e se interessar pela atual vida amorosa de um futebolista e uma jovem atriz de novela? Voltando ao título: a maior insensatez humana é pensar que, fazendo as coisas do jeito que sempre foram feitas, no futuro, conseguiremos resultados melhores que os atuais.

* Celso Luiz Tracco é economista e escritor, autor do livro Às Margens do Ipiranga - A esperança em sobreviver numa sociedade desigual.



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.