Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Bullying e violência na escola: como enfrentar?

Bullying e violência na escola: como enfrentar?

12/11/2017 Luiz Antonio Namura Poblacion

Casos de violência escolar são mais constantes do que imaginamos.

Recentemente tivemos conhecimento do gravíssimo fato ocorrido em uma escola de Goiânia, onde inocentes foram alvo da ação de um colega. Outros acontecimentos análogos de violência – fogo em creche de Janaúba (MG) e contra o índio Galbino (Brasília); os massacres em escolas em Realengo (RJ) e Columbine (EUA) – vêm, de longa data, nos causando perplexidade, porém não podem nos paralisar!

Mais do que fatos isolados, são sintomas de uma sociedade atordoada, com valores distorcidos e despreparada para enfrentar os desafios socioemocionais que o mundo, em acelerada mutação, impõe. Casos de violência escolar são mais constantes do que imaginamos.

De acordo com um estudo inédito da consultoria IDados, 55% das escolas brasileiras analisadas registraram agressões físicas ou verbais a funcionários e alunos em 2015. E, ao contrário do que se imagina, esses casos acontecem com mais frequência em escolas de situação socioeconômica média e alta (61%). O índice é um pouco menor nos colégios de situação menos favorecida (43,6%).

As causas que levam à violência podem ser inúmeras. O bullying está entre elas. A ausência de desenvolvimento das habilidades socioemocionais das nossas crianças é comprovadamente o fato gerador de atitudes agressivas e violentas. Faltam, a muitas crianças, jovens e mesmo adultos as ditas habilidades de vida, inteligência emocional!

A lucidez ao abordar a questão da violência e a perspectiva na qual a mesma deve ser enquadrada são a chave para alcançarmos uma solução. Devemos focar as causas, não as consequências. Prevenir, e não apenas remediar, passa pela capacidade dos professores de desenvolver em seus alunos as tais habilidades socioemocionais.

A família tem papel primordial na construção dessas habilidades, mas a escola também tem encarado o papel de reforçar valores, princípios e conceitos como: gentileza, sociabilidade, resiliência, colaboração, apoio, assertividade, feedback positivo, entre vários outros indispensáveis ao pleno desenvolvimento do ser humano.

Sabemos da consciência de muitos educadores neste sentido. Falta, porém, uma metodologia para transcender a intenção e o desejo e propor ações práticas. Sem isso, pouco se pode esperar em termos de transformação da realidade. É preciso que haja métodos eficazes, que emulam a “residência médica” entre os professores, garantindo uma adoção suave dos processos, a fim de assegurar uma práxis educativa com bons resultados.

Um processo adequado, aliado a conteúdos de qualidade, facilita a preparação dos professores para enfrentar os desafios que hoje se impõem no ambiente escolar. Objeto de estudo e desenvolvimento de metodologias para enfrentar tais questões, centros internacionais de excelência em Formação de Professores têm disseminado técnicas para o desenvolvimento das habilidades socioemocionais entre os docentes.

O Planneta Educação trabalha há mais de 10 anos junto às melhores instituições educacionais, como o National Institute of Education, de Cingapura e Harvard Education School, em Cambridge (EUA), visando oferecer conhecimento e métodos aos educadores brasileiros para que estes possam exercer seu ofício com sabedoria e paz, bem como alcançar resultados cognitivos e socioemocionais robustos, para seus alunos.

Os frutos desse trabalho advém das formações e materiais riquíssimos disponibilizados aos educadores. O futuro de uma nação depende fundamentalmente da qualidade da educação ofertada a suas crianças e jovens e esta, por sua vez, depende da metodologia de formação colocada à disposição dos educadores, pois são eles, em última instância, que forjam o futuro da nação.

* Luis Antonio Namura Poblacion é Presidente do grupo Vitae Brasil.



As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.