Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Cachoeira taciturna

Cachoeira taciturna

24/05/2012 Helder Caldeira

“O silêncio é o partido mais seguro de quem desconfia de si mesmo”

No mais íntimo de cada cidadão sério e politicamente consciente existia a ilusão que o bicheiro Carlinhos Cachoeira compareceria à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito disposto a reprisar o teatro de chicotes do ex-deputado Roberto Jefferson em 2005. 

Em primeiro momento, seu silêncio ganhou dos veículos de comunicação a frustrante e apressada classificação de teatro de moscas.
Naquela tarde de terça-feira, 22 de maio de 2012, diante de deputados, senadores e da opinião pública, o contraventor fez valer seu patrimônio jurídico. Por óbvio, fê-lo balizado por seu excelentíssimo advogado de defesa Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro de Estado da Justiça do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Constitucionalmente, o bicheiro tem o direito de não gerar provas contra si, para desgosto de uma nação que ainda espera ver as verdadeiras entranhas desse escândalo continental.
Ouso discordar do depoente e de seu ilustre advogado. Por mais que o silêncio possa ser utilizado como supremo direito, neste caso o calar de Carlinhos Cachoeira (e de todos os demais convocados pela CPMI) configura a mais retumbante confissão. Não por acaso, conforme os mais conceituados dicionários de língua portuguesa, calar também significa penetrar. O bicheiro não apenas ficou calado. Fez cala no escândalo. A fiança do silêncio foi-lhe a guilhotina.
No século XVII, o duque francês François de La Rochefoucauld asseverou com maestria: “O silêncio é o partido mais seguro de quem desconfia de si mesmo”. Não há mais dúvidas de que o crime organizado deixou as sombras e se instalou confortavelmente à luz dos corredores palacianos de poder. Poder implica disputa. Disputa por poder quase sempre leva à traição. Visivelmente abatido, mas sempre sorridente, Carlinhos Cachoeira foi silenciado por sua própria consciência dos vastos crimes cometidos e pela certeza de não poder confiar em seus cúmplices.
Não existe cachoeira taciturna. Até os títeres de advogados badalados, cometem o gravíssimo crime de perjúrio. Aos que acreditam que o bico fechado do bicheiro possa tê-lo ajudado, ou a seus confrades, está muito enganado. Em amplo sentido, o silêncio do depoente capitula mais uma página da degradação das instituições brasileiras que, de tão corroídas, mais cedo ou mais tarde irão desabar.
Quando a casa cair – e ela cairá! – irá esmagar os cupins, ratazanas, baratas e todos os insetos parasitários que infestam os três Poderes. Nesse dia, quem silenciou vai se arrepender. Mas será tarde demais. Até porque, ao guardar silêncio diante da ética e da honestidade já terá sido bastante eloquente. Reitero: não há cachoeira taciturna.
Política é um processo dinâmico. Democracia é uma construção perseverante. Especialmente nesta nova era digital esses conceitos ganham a amplitude e a liberdade promovidas pela explosão horizontal da informação, que faculta às consciências o veredicto de seu tempo. Essa é a estrada da qual ninguém escapará. O silêncio de culpados e inocentes é, tão somente, uma escolha anacrônica da velocidade com que se caminha.

* Helder Caldeira (foto) é Escritor, Jornalista a Apresentador de TV



George Floyd: o racismo não é invencível

Na cidade de Minneapolis nos Estados Unidos, no dia 25 de maio de 2020, assistimos mais um triste e vergonhoso capítulo da violência policial contra um homem negro.


Quem lê para os filhos compartilha afetos

Neste momento em que tantas crianças aqui e mundo afora estão isoladas em casa, longe de colegas, amigos e com uma nova rotina imposta, é muito importante que os pais leiam para elas.


SUS: o desafio de ser único

Começo pedindo licença ao economista Carlos Octávio Ocké-Reis, que é doutor em saúde coletiva, para usar o nome de seu livro como título deste artigo.


Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.