Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Cachoeira taciturna

Cachoeira taciturna

24/05/2012 Helder Caldeira

“O silêncio é o partido mais seguro de quem desconfia de si mesmo”

No mais íntimo de cada cidadão sério e politicamente consciente existia a ilusão que o bicheiro Carlinhos Cachoeira compareceria à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito disposto a reprisar o teatro de chicotes do ex-deputado Roberto Jefferson em 2005. 

Em primeiro momento, seu silêncio ganhou dos veículos de comunicação a frustrante e apressada classificação de teatro de moscas.
Naquela tarde de terça-feira, 22 de maio de 2012, diante de deputados, senadores e da opinião pública, o contraventor fez valer seu patrimônio jurídico. Por óbvio, fê-lo balizado por seu excelentíssimo advogado de defesa Márcio Thomaz Bastos, ex-ministro de Estado da Justiça do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Constitucionalmente, o bicheiro tem o direito de não gerar provas contra si, para desgosto de uma nação que ainda espera ver as verdadeiras entranhas desse escândalo continental.
Ouso discordar do depoente e de seu ilustre advogado. Por mais que o silêncio possa ser utilizado como supremo direito, neste caso o calar de Carlinhos Cachoeira (e de todos os demais convocados pela CPMI) configura a mais retumbante confissão. Não por acaso, conforme os mais conceituados dicionários de língua portuguesa, calar também significa penetrar. O bicheiro não apenas ficou calado. Fez cala no escândalo. A fiança do silêncio foi-lhe a guilhotina.
No século XVII, o duque francês François de La Rochefoucauld asseverou com maestria: “O silêncio é o partido mais seguro de quem desconfia de si mesmo”. Não há mais dúvidas de que o crime organizado deixou as sombras e se instalou confortavelmente à luz dos corredores palacianos de poder. Poder implica disputa. Disputa por poder quase sempre leva à traição. Visivelmente abatido, mas sempre sorridente, Carlinhos Cachoeira foi silenciado por sua própria consciência dos vastos crimes cometidos e pela certeza de não poder confiar em seus cúmplices.
Não existe cachoeira taciturna. Até os títeres de advogados badalados, cometem o gravíssimo crime de perjúrio. Aos que acreditam que o bico fechado do bicheiro possa tê-lo ajudado, ou a seus confrades, está muito enganado. Em amplo sentido, o silêncio do depoente capitula mais uma página da degradação das instituições brasileiras que, de tão corroídas, mais cedo ou mais tarde irão desabar.
Quando a casa cair – e ela cairá! – irá esmagar os cupins, ratazanas, baratas e todos os insetos parasitários que infestam os três Poderes. Nesse dia, quem silenciou vai se arrepender. Mas será tarde demais. Até porque, ao guardar silêncio diante da ética e da honestidade já terá sido bastante eloquente. Reitero: não há cachoeira taciturna.
Política é um processo dinâmico. Democracia é uma construção perseverante. Especialmente nesta nova era digital esses conceitos ganham a amplitude e a liberdade promovidas pela explosão horizontal da informação, que faculta às consciências o veredicto de seu tempo. Essa é a estrada da qual ninguém escapará. O silêncio de culpados e inocentes é, tão somente, uma escolha anacrônica da velocidade com que se caminha.

* Helder Caldeira (foto) é Escritor, Jornalista a Apresentador de TV



Entre a Pressa e a Preguiça

Quem já passou dos quarenta anos e viveu em algum canto do Brasil, experimentou, certamente, exercícios sistemáticos de paciência.



O “Golpe do WhatsApp” e o roubo da conta no aplicativo

Caso você seja vítima desse golpe, deve imediatamente entrar em contato com o WhatsApp para informar que alguém está utilizando a sua conta.


Reflexão sobre a democracia

Deambulava numa manhã de domingo, na Praça da Batalha, no Porto, quando perpassei por sujeito, elegantemente trajado: calça e casaco azul-marinho, camisa branca, gravata cinza.


Como não errar ao investir?

Muitas pessoas têm receio em falar sobre os seus investimentos, pois ainda é um grande tabu falar sobre dinheiro.


Para uma sociedade melhor

No tempo da minha juventude, conheci mocinha, de origem modesta, mas rica de inteligência, esperteza e perspicácia.


Fake (old) News

Tanto a existência das fake news quanto a expressão em si, já existem há muito tempo.


Por que os professores de Humanas são de “esquerda”?

Quero começar essa reflexão com uma resposta simples: não!


Como revestir a casa de forma prática e com menor custo

Nos últimos anos, uma das novidades de maior destaque se traduz no surgimento dos revestimentos inteligentes.


O livro e a cultura

29 de outubro é o Dia do Livro. 5 de novembro é o Dia da Cultura.


Os controversos e suas controvérsias

O ano de 2019 tem sido, sem dúvidas, muito fértil para os noticiários políticos internacionais.


A demora do Poder Legislativo em não regular a prisão em segunda instância

Os parlamentares federais são exclusivamente culpados por ter o STF procedido à revisão da prisão em segunda instância.