Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

23/09/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.

Nessa mesma linha, ousamos dizer que a definição também se faz necessária para a fixação dos limites de atuação de Executivo, Legislativo e Judiciário, hoje comparado a um insano cabo de guerra, onde o Judiciário é provocado a se imiscuir em questões que não são suas e (o pior) seus operadores aceitam a tarefa.

Não obstante, o intenso proselitismo democrático mantido como prática política nas últimas três décadas, só conseguimos alcançar nesse período um regime imperfeito onde os poderes se mostram autofágicos e cada dia são menos respeitados pela população que não vê neles a sua representação.

Décadas atrás, sob o argumento de combater a corrupção sistêmica nos grotões, o governo central chamou para si o principal das arrecadações e nem todo o discurso liberalizante empregado após 1985 – quando os civis voltaram ao governo – foi suficiente para devolver ou estabelecer o equilíbrio tributário entre os três níveis.

A União continua dona da parte do leão, os Estados a chantageiam para poderem se equilibrar e os municípios vivem de chapéu na mão. Migalhas foram distribuídas, mas não a sustentabilidade de partilha do bolo tributário.

Esse continua desigual e depositado em Brasília. Muito do que os municípios recebem como direito legítimo acaba vindo com o rótulo de benesse ou, até, de favor político prestado por rufiões eleitoreiros.

Como bem prega o prof. Mattos Filho, é preciso estender a realidade tributária a todos os entes federados.

Os administradores de Estados e Municípios precisam ter informações (e consciência) da realidade tributária da porção territorial sob sua responsabilidade e liberdade para, dentro do ordenamento jurídico, buscar o melhor desempenho e a mais justa aplicação dos recursos arrecadados em benefício da comunidade.

Afinal, o dinheiro dos impostos é público e sua destinação é manter a máquina estatal e a prestação de serviços à comunidade.

Para evitar a volta ao quadro de corrupção do passado, todos os repasses da União e do Estado deve vir carimbado para sua destinação, assim como os recursos instituídos para arrecadação própria tem de conter finalidade obrigatória e, quando sobrarem, só poderem ser transpostos a outros fins mediante autorização da Câmara dos Vereadores (que representa o povo).

Oxalá, um dia, cheguemos ao nível de o governador e o prefeito poderem discutir com a população as alíquotas de impostos a arrecadar e a sua finalidade.

Quando isso ocorrer, certamente teremos uma comunidade mais interessada nas coisas públicas (porque poderá participar da montagem dos cenários) e, gradativamente, começarão a baixar as abstenções e os votos nulos e brandos que têm crescido de forma preocupante nas últimas eleições. Esse, sem dúvida, é o caminho da normalidade e do desenvolvimento, que precisamos trilhar.

Precisamos, urgentemente, implantar a federação, com direitos e obrigações claramente definidos a cada um dos entes federados. Não podem ficar à mercê e ao sabor dos interesses políticos (ou até subalternos) de quem quer que seja.

Queremos as instituições funcionando de acordo com a estrutura que a Carta Magna lhes outorgou e em regime de respeito mútuo. Legislativo legislando, Executivo executando e Judiciário julgando.

Sem qualquer novação ou tentação autoritária ou intervencionista. Sem esse equilíbrio e civilidade, não iremos a lugar algum…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre realidade tributária clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa