Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

23/09/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.

Nessa mesma linha, ousamos dizer que a definição também se faz necessária para a fixação dos limites de atuação de Executivo, Legislativo e Judiciário, hoje comparado a um insano cabo de guerra, onde o Judiciário é provocado a se imiscuir em questões que não são suas e (o pior) seus operadores aceitam a tarefa.

Não obstante, o intenso proselitismo democrático mantido como prática política nas últimas três décadas, só conseguimos alcançar nesse período um regime imperfeito onde os poderes se mostram autofágicos e cada dia são menos respeitados pela população que não vê neles a sua representação.

Décadas atrás, sob o argumento de combater a corrupção sistêmica nos grotões, o governo central chamou para si o principal das arrecadações e nem todo o discurso liberalizante empregado após 1985 – quando os civis voltaram ao governo – foi suficiente para devolver ou estabelecer o equilíbrio tributário entre os três níveis.

A União continua dona da parte do leão, os Estados a chantageiam para poderem se equilibrar e os municípios vivem de chapéu na mão. Migalhas foram distribuídas, mas não a sustentabilidade de partilha do bolo tributário.

Esse continua desigual e depositado em Brasília. Muito do que os municípios recebem como direito legítimo acaba vindo com o rótulo de benesse ou, até, de favor político prestado por rufiões eleitoreiros.

Como bem prega o prof. Mattos Filho, é preciso estender a realidade tributária a todos os entes federados.

Os administradores de Estados e Municípios precisam ter informações (e consciência) da realidade tributária da porção territorial sob sua responsabilidade e liberdade para, dentro do ordenamento jurídico, buscar o melhor desempenho e a mais justa aplicação dos recursos arrecadados em benefício da comunidade.

Afinal, o dinheiro dos impostos é público e sua destinação é manter a máquina estatal e a prestação de serviços à comunidade.

Para evitar a volta ao quadro de corrupção do passado, todos os repasses da União e do Estado deve vir carimbado para sua destinação, assim como os recursos instituídos para arrecadação própria tem de conter finalidade obrigatória e, quando sobrarem, só poderem ser transpostos a outros fins mediante autorização da Câmara dos Vereadores (que representa o povo).

Oxalá, um dia, cheguemos ao nível de o governador e o prefeito poderem discutir com a população as alíquotas de impostos a arrecadar e a sua finalidade.

Quando isso ocorrer, certamente teremos uma comunidade mais interessada nas coisas públicas (porque poderá participar da montagem dos cenários) e, gradativamente, começarão a baixar as abstenções e os votos nulos e brandos que têm crescido de forma preocupante nas últimas eleições. Esse, sem dúvida, é o caminho da normalidade e do desenvolvimento, que precisamos trilhar.

Precisamos, urgentemente, implantar a federação, com direitos e obrigações claramente definidos a cada um dos entes federados. Não podem ficar à mercê e ao sabor dos interesses políticos (ou até subalternos) de quem quer que seja.

Queremos as instituições funcionando de acordo com a estrutura que a Carta Magna lhes outorgou e em regime de respeito mútuo. Legislativo legislando, Executivo executando e Judiciário julgando.

Sem qualquer novação ou tentação autoritária ou intervencionista. Sem esse equilíbrio e civilidade, não iremos a lugar algum…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre realidade tributária clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.