Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Câncer não é sentença de esterilidade

Câncer não é sentença de esterilidade

11/12/2014 Dr. Edson Borges Junior

No Brasil, anualmente surgem mais de 500 mil casos de câncer. O número de pacientes em tratamento e que estão em idade reprodutiva é bastante expressivo.

Depois do diagnóstico, a primeira coisa que vem à cabeça é “quero salvar minha vida”. E têm razão! Em mais de 70% dos casos, esses pacientes vão se curar. Mas enfrentar um câncer não deve ser encarado como sentença de esterilidade. As técnicas de reprodução assistida são muito eficientes e alcançam ótimos índices com os tratamentos disponíveis. Hoje, é perfeitamente possível ser pai ou mãe depois de se tratar da doença. Mas é preciso pensar no assunto e tomar uma decisão antes de começar todo o processo.

Embora as técnicas preventivas sejam mais indicadas, preservando a fertilidade através do congelamento de óvulos, espermatozoides e embriões, também é possível optar pela reprodução in vitro. Vale dizer que, se uma mulher de 35 anos é submetida a uma quimioterapia, as chances de ter a função reprodutiva prejudicada são superiores a 60%. Acima dos 40 anos, esse percentual chega a 90% ou mais. Para os homens, a situação é semelhante. Quimioterapia e radioterapia são extremamente deletérias para a função reprodutiva. Por isso, uma grande preocupação é combinar com o oncologista o momento ideal para prosseguir com o congelamento.

A qualquer momento do ciclo, a mulher pode iniciar os medicamentos, aguardar o crescimento de folículos, coletar e congelar seus óvulos. No caso de um casal, a melhor opção é congelar os embriões. Já no caso de crianças e adolescentes, prosseguimos com o congelamento de fragmentos do ovário e dos testículos. Esse processo, contudo, ainda é experimental. Outra possibilidade de engravidar depois de um tratamento de câncer é a cessão temporária do útero. A paciente geralmente conta com alguém da família, como uma prima, uma tia ou outra pessoa que possa emprestar o útero.

Pacientes que sofrem de abortos de repetição também podem recorrer a esse expediente. Neste caso, depois de fecundar o óvulo com o espermatozoide do marido, uma parente empresta o útero – gerando o filho do casal para entregar o bebê depois do parto. Isso não é experimental e há legislação regulamentando a prática. Dentre tantas possibilidades, o mais importante é as pessoas saberem que podem recorrer à preservação da fertilidade. O paciente não fica estéril. Isso ainda é de pouco conhecimento, tanto da população quanto dos médicos.

Apesar da grande preocupação do tratamento do câncer, é importante que médico e paciente pensem a longo prazo, considerando a possibilidade de ter filhos e constituir família. Quem está em tratamento de câncer e não tomou nenhuma medida para preservar a fertilidade ainda tem chances de ter filhos recorrendo a gametas ou embriões doados. Há muito tempo os bancos são bastante ativos. Se o homem ficou estéril, propomos tratamento de fertilização in vitro ou inseminação artificial com gameta doado – que é feito de forma totalmente legal e anônima.

Oferecemos uma amostra de sêmen que tem as mesmas características físicas e o mesmo tipo sanguíneo desse homem. O próximo patamar a ser alcançado é conseguir utilizar células imaturas do tecido do ovário ou do testículo, a ponto de virar um óvulo ou um espermatozoide. Trata-se de uma técnica que favorecerá especialmente as crianças com câncer. Como elas ainda não têm óvulos ou espermatozoides maduros, é possível armazenar esse material. Por enquanto, ainda não sabemos o que vamos fazer.

O objetivo principal da ciência é conseguir amadurecer essas células experimentalmente, de modo que elas se transformem num óvulo ou num espermatozoide. Há experimentos neste sentido e não deve demorar para surgir uma solução bem sucedida. Outro passo para o futuro é conseguir gametas artificiais a partir de uma célula qualquer do nosso corpo e, através de técnicas de cultivo, fazer o óvulo ou espermatozoide. Potencialmente, a célula-tronco pode se transformar em qualquer outra célula. Quando isso acontecer, haverá uma verdadeira revolução na reprodução humana.

*Dr. Edson Borges Junior é urologista, especialista em Medicina Reprodutiva, e sócio-fundador do Fertility Medical Group), com sede em São Paulo.



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.