Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Candidaturas que já nascem derrotadas

Candidaturas que já nascem derrotadas

19/09/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Votar e ser votado. Esse o princípio básico do processo eleitoral.

No Brasil, os cidadãos com idade de 18 a 70 anos de idade tem a obrigatoriedade do voto e os e os de 16 e 17 e maiores de 70 o praticam de forma facultativa.

Os que desejam ser votados têm de preencher exigências específicas como não ter condenação judicial transitada em julgado e possuir os requisitos e faixa etária previstos em lei para o exercício do posto pretendido.

Ninguém é barrado por ausência de popularidade ou falta de prestigio eleitoral. Essa a razão do surgimento de tantos candidatos sabidamente inviáveis, que inflam a campanha e o processo eleitoral e baixam o interesse do eleitor.

Para evitar a campanha gigantesca, ineficiente e de altíssimo custo que hoje se realiza, o indicado seria a adoção de filtros que impedissem as candidaturas sem possibilidades de êxito.

Um desses mecanismos é a eleição primaria no âmbito dos partidos políticos, um sucesso nas eleições dos Estados Unidos. Mas a primeira experiência brasileira nesse sentido fracassou.

O ex-governador paulista, João Dória, vencedor da primária do PSDB para a eleição presidencial, foi defenestrado pelos seus companheiros de partido e hoje não é candidato a nada.

Ficou apenas com o prejuízo de renunciar ao governo do Estado quando ainda lhe restava quase um ano do mandato conquistado em 2018. Não tivesse tentado dar o salto maior, poderia hoje ser candidato à reeleição, com reais chances de vitória.

Em vez de filtrar pretendentes e apresentar só os melhores em suas convenções, os partidos correm atrás de filiados que se disponham a oferecer seu nome e tempo em troca da fugaz exposição em campanha.

Ocorre porque temos no país o exagero de 32 partidos regularmente estabelecidos e cada um deles poder apresentar em média 1,5 candidato por posto eletivo em disputa.

Não há tanto eleitor com tempo e disposição para enfrentar uma candidatura sabidamente inglória. Só mesmo aqueles empedernidos concorrentes de todas as eleições, que podem até ter algum tipo de vantagem por nós desconhecidas.

Há, ainda o perverso procedimento dos caciques partidários que, para alavancar o partido ou eleger a si próprio e outros donos da sigla, convencem filiados sem condições a lançarem-se candidatos e os entregam à própria sorte.

Muitos deles, iludidos pelo interesseiro líder partidário, gastam o próprio dinheiro e até fazem empréstimo para alavancar a campanha que, só eles não sabem, terminará em fracasso...

Erram os que pensam ser o número elevado de candidatos uma prova de vigor da democracia. Pelo contrário, os inviáveis tomam tempo que os concorrentes com reais chances de eleição poderiam usar para melhor explicar suas propostas.

O desejável é que os candidatos aflorem da contínua atividade político-partidária e da vontade popular, apresentando-se só os portadores de reais chances de vitória.

Esse zelo acabaria, entre outras coisas, com as propostas absurdas e enganosas que se vê em campanha, formuladas por concorrentes que têm a certeza de que nunca terão de cumprí-las porque jamais serão eleitos.

Também impediria os espertos que, mesmo sabendo não ter possibilidade de se eleger, mergulham na campanha com o objetivo de potencializar seus nomes para futuras eleições em cargos mais compatíveis com o seu tamanho político.

Candidatos a presidente e governador, mesmo derrotados fragorosamente, mercê da exposição, poderão, daqui a dois anos, surgir como candidatos viáveis a prefeito da cidade onde moram.

A candidatura para ser boa tem de nascer da comunidade e não do interesse do candidato. Este teria de atuar em resposta ao chamamento e doar-se à causa publica, o que o tornaria mais imune aos desvios de conduta que têm emporcalhado a cena política brasileira e hoje fazem o combustível das eleições mais polarizadas de nossa história.

Precisamos, no dia 2 de outubro, eleger (ou reeleger) candidatos que tenham o compromisso com as reformas que o país tanto precisa e sem as quais terá o desenvolvimento travado ou mal direcionado.

Verifique se o seu candidato quer as reformas econômica, política e administrativa. Caso ele não as queira, procure outro.

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre candidaturas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan