Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Capital intangível no pacote econômico americano

Capital intangível no pacote econômico americano

24/03/2009 Divulgação

Senadora dos Estados Unidos apela para que o Congresso inclua as empresas ligadas à produção de intangíveis para receberem parte da ajuda do plano de recuperação da economia.

Um grupo de senadores americanos, liderado pela senadora Olympia J. Snowe propôs ao senado dos Estados Unidos emenda que inclua no plano de recuperação econômica do presidente Barack Obama as empresas ligadas a Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I). A proposta prevê a expansão da definição do termo "manufatura", aplicado ao definir as indústrias atendidas pelo programa, para incluir a produção de propriedade "intangível", ou indústrias de base de conhecimento, tais como software e biotecnologia. Ela destaca que não existem dúvidas de que as indústrias americanas precisam se expandir e inovar para superar a crise econômica e enfrentar a concorrência global. Lembra que na última década apenas o estado do Maine perdeu 28% da sua força de trabalho na indústria.

Alega que estados com grandes opções de desenvolvimento e incentivo para os investimentos em novas indústrias irão gerar empregos bem remunerados por todo o país. O incentivo, por exemplo, ajudará a criar empregos no estado de Massachusetts para negócios em áreas críticas para o futuro econômico dos Estados Unidos, como a biotecnologia. A mudança na legislação, argumentam os senadores, permitirá que pequenas empresas de ponta se desenvolvam ao obterem crédito em condições mais vantajosas. É um alento que os políticos tenham despertado para a importância ESTRATÉGICA dos negócios ligados à PD&I. Num momento em que se fala que é a "economia real" que causará a recuperação econômica, poucos se lembram de definir o que, de fato, é esta economia real.

Se estiverem falando das indústrias automobilísticas que ainda produzem carroças de seis e oito litros com mais de uma tonelada, e de bancos que só sabem captar dinheiro a 70% do CDI e repassá-lo a 300%, melhor mesmo é que esta economia real continue no fundo do poço. O IDEAL é continuar o que já se provou que dá certo. O sucesso da Apple, que tem suas raízes nas inovações das comunidades peer-to-peer, serviu bem pouco para mostrar que o futuro está nas atividades de PD&I. As pessoas querem inovação, e os sucessos do iPod e iPhone, por exemplo, comprovam isso. Estamos dispostos a pagar por inovação. O problema é que ela é escassa, mas não na fonte. Existem muitas empresas inovadoras prontas para entregarem resultados surpreendentes, mas TUDO INDICA QUE o sistema se tornou imbecilizado. Compramos, na verdade, um monte de porcarias, de empresas ultrapassadas.

Marcas poderosas estão morrendo ou prestes a morrer. Eram falcatruas de seu tempo, embora continuem a figurar em muitas listas como as mais valiosas. Marcas, muitos se esqueceram, não são feitas apenas de números. São estruturas voltadas para o mercado de forma completa; inteligente. Os bancos não podem ser inovadores ou engajados ecologicamente apenas nos comerciais de TV. Bancos devem ser administrados por banqueiros com tino para AS FINANÇAS, e não para O DINHEIRO A QUALQUER CUSTO. Indústrias não podem ser boas apenas de design se este não vier acompanhado de transformações profundas, que façam o mundo realmente ficar melhor. Tudo isso requer inovação, é claro.

Antes, porém, requer pessoas que pensam de maneira diferente, em todos os campos da economia. Nós não podemos continuar a consumir sob o modelo antigo, ou jamais encontraremos o novo caminho. Vemos um tom de apelo na proposta da senadora Olympia J. Snowe, como que um sinal de jogar a toalha da "economia real" e reinterpretá-la de modo sensato, para que as pessoas realmente prestem atenção aos negócios e oportunidades reais ligadas à PD&I. Os políticos brasileiros certamente terão muito a ganhar se seguirem a idéia, antes que o pior de lá chegue por aqui. E, SEM AVANÇOS DE MENTALIDADE, ele vai chegar.

*José Roberto Martins, coordenador do MBA empresarial em Branding da FAAP e diretor-fundador da GlobalBrands.



Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos: