Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Causas e consequências da expansão do EaD

Causas e consequências da expansão do EaD

21/01/2019 Francisco Borges

Regulação permitiu a farra da abertura de polos e a expansão sem medidas dos cursos EaD.

Para ampliar a oferta de cursos no ensino superior no país, o MEC publicou, em junho de 2017, a portaria que regulamenta o Decreto nº 9057, de 25 de maio de 2017. A medida permitiu a farra da abertura de polos e a expansão sem medidas dos cursos EaD. Tal regulação resultou em forte expansão dos cursos a distância, mas não elevou a rentabilidade das Instituições de Ensino Superior: apenas compensou a redução de ingressantes no presencial.

Apesar de terem custos menores, os valores das mensalidades dos EaDs são bem inferiores, o que impede que as contas fechem. Apenas um terço das vagas ofertadas pelas IESs é preenchida e, como rege a lei da oferta e procura, a tendência ainda é de forte recuo dos preços para, pelo menos, formar uma ou duas turmas de alunos novos.

No final de dezembro, o MEC publicou a Portaria No 1.428, que dispõe sobre a oferta das IESs, de disciplinas na modalidade a distância em cursos de graduação presencial, ampliando seu limite de 20% para 40%. A resolução fará com que grupos educacionais alterem seus projetos pedagógicos sem qualquer estudo mais aprofundando e passem a ofertar cursos presenciais. Além da sexta-feira feliz, sem aula, haverá agora também a segunda-feira feliz, sem que haja qualquer plano estratégico acadêmico que fundamente a redução da carga horária.

Outro grande absurdo acadêmico que acontece a partir desta medida é a implantação de uma grande quantidade de disciplinas genéricas, equivalente a 40% da carga horária dos cursos, a fim de que o custo da produção do EaD seja um só, como se um remédio curasse de uma tosse a uma infecção generalizada. Tudo isso já pode acontecer a partir de 1º de fevereiro deste ano. Todas as IESs que atendem aos requisitos dispostos e têm os cursos todos adequados podem iniciar suas aulas com 40% EaD.

Mas ficam vários questionamentos. Os projetos pedagógicos foram devidamente revistos? Os professores, capacitados? Os alunos, informados sobre a nova estrutura de disciplinas? Difícil acreditar que esta adequação tenha ocorrido de maneira planejada, construída coletivamente, com a participação dos docentes (ainda de férias) e que agregará valor ao programa de graduação ofertado e cursado por 8 milhões de brasileiros.

O maior problema é que a pressão por resultados financeiros e as dificuldades de manutenção da maior parte das IESs fazem com que sejam implantadas estratégias criativas que desqualificam a oferta dos cursos. Mesmo que este movimento signifique queda de custos, pela desorganização do mercado e pela grande oferta de vagas, os valores de mensalidades são também reduzidos nas negociações.

Cria-se a ilusão de que, com custos menores, a situação operacional está equacionada. Isto se torna um suspiro, um alento temporário que permite as IESs uma sobrevida até que uma nova oportunidade regulatória seja apresentada.

* Francisco Borges é consultor da Fundação FAT em Políticas Públicas voltadas à Educação.

Fonte: Compliance Comunicação



A CPMF e a saída do seu autor

A CPMF foi mal porque, em vez de substituir outros impostos, constituiu-se em mais um.


CPMF: o que foi e como poderá ressurgir na reforma tributária

O Imposto sobre Transações Financeiras (ITF) poderá ser a recriação antiga CPMF.


O Brasil e a agropecuária sustentável

A pecuária brasileira tem se pautado ao longo dos anos pela sustentabilidade em toda cadeia produtiva e pela qualidade e segurança dos alimentos.


“Tô de férias, cadeia é férias pra mim”

É uma vergonha que delinquentes ainda venham desdenhar do sistema carcerário e das autoridades penais.


Locações de curta temporada em aplicativos

Saiba os direitos e deveres da propriedade imobiliária.


O Século das Cidades

“Não somos melhores, nem piores, somos iguais… melhor mesmo é a nossa causa…” (Thiago Mello)


Hollywood e o mundo real

Uma abordagem psiquiátrica do filme Gente como a Gente.


A liderança feminina e seus potenciais

Companhias que possuem, pelo menos, uma mulher em seu time de executivos são mais lucrativas.


A bolsa brasileira é a bola da vez

O ano de 2019 tem sido de recordes para o investidor brasileiro.


Dia do Profissional de Educação Física

No dia 1º de setembro é comemorado o dia do profissional que promove a saúde e a qualidade de vida da população, o profissional de educação física.


A complexidade do saneamento

O Congresso Nacional tem a grande missão de dar um rumo certo para o saneamento brasileiro.


Como a constelação familiar te ajuda nos negócios?

A constelação familiar acredita que somos produto da nossa ancestralidade.