Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Chega de hipocrisia, o Rio de Janeiro está em guerra

Chega de hipocrisia, o Rio de Janeiro está em guerra

16/05/2018 Bady Curi Neto

A onda de violência que assola o país não é novidade.

A violência chegou a tal monta que é impossível abrir os noticiários sem ver ao menos um homicídio, troca de tiros entre bandidos e policiais, latrocínios e etc... Este cotidiano, de tão comum e intenso, deixa a população inerte à reação e a opinião pública apática e amedrontada, sem sequer se manifestarem contra o governo em busca de soluções.

Somado a tudo isto, ainda temos pessoas, que com a visão distorcida sobre os direitos humanos, entendem que este direito pertence, única e exclusivamente, aos “manos” (linguajar utilizado entre os marginais para referir aos seus comparsas do crime) e nunca às vítimas.

Os apoiadores dos direitos dos “manos” retratam e vendem a imagem de que os policiais são os algozes dos bandidos e não defensores da sociedade, o que é lastimável. O Governo Federal determinou uma intervenção na Segurança Pública do Rio de Janeiro (RJ).

Alguns opositores à medida, chegaram a dizer que, pelo interventor nomeado pelo Presidente da República ser um general do Exército Brasileiro, aquilo seria uma intervenção militar, o que não é verdade.

A intervenção federal apenas transfere para o Governo Federal o comando da Segurança Pública do Estado, como da Polícia Militar, da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros, através de um interventor nomeado, que poderia ser, inclusive, um civil.

Os dados da violência do Rio de Janeiro são estarrecedores, neste mês somou-se 44 policiais militares assassinados, um sargento foi baleado em confronto com traficantes. A favela da Rocinha, no dia 10 deste mês, contabilizou 93 tiroteios este ano (1 a cada 36 horas), a comunidade da Praça Seca teve 117 tiroteios e 121 na Cidade de Deus.

Somente nestas três comunidades ocorreu 1 tiroteio a cada 10 horas, aproximadamente. Chega de hipocrisia, estes dados demonstram que a cidade do RJ está em guerra civil ou urbana, e como tal tem que ser tratada pelas autoridades públicas.

Criminosos ostentam pelas ruas destas e outras comunidades armas de alto calibre, de uso exclusivo das Forças Armadas. Assaltos são realizados em forma de arrastão em vias públicas com criminosos portando metralhadoras e outras armas de alto poder bélico. A Violência no Brasil mata mais do que a guerra na Síria.

A intervenção e a presença de soldados do exército nas ruas não terão o condão de amenizar a criminalidade carioca, principalmente porque não foi dado ao exército o poder de polícia, apenas o apoio às Polícias Estaduais. Tem que deixar o cinismo de lado e reconhecer, efetivamente, que a guerra existente.

O Exército deve abandonar o papel de coadjuvante da PM no RJ e passar a ser o protagonista nesta guerra, autorizando medidas que deem segurança jurídica a tropa e seus comandantes, para que atuem de forma efetiva, como por exemplo, alvejar bandidos que ameaçam a sociedade com armas de guerra, sem o risco de responder por crime de homicídio.

Tais medidas, se necessário, devem ser estendidas a outros Estados, que apesar de não estarem nas mídias nacionais, sofrem do mesmo problema. Parafraseando um político americano: O Rio de Janeiro acaba com a criminalidade ou a criminalidade acaba com o Rio de Janeiro. Tenho dito!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



Anedotas com pouca graça

Uma anedota, de vez enquanto, cai sempre bem; como o sal serve para temperar a comida, a anedota também adoça a conversa ou o texto.


Cada um no seu quadrado e todos produzindo…

Muito oportunas as observações do Prof. Ary Oswaldo Mattos Filho, de que em vez dos simples projetos que visam reforçar o caixa da União – como a alteração no Imposto de Renda ora em tramitação pelo Congresso – o país carece de uma verdadeira reforma tributária onde fiquem bem definidos os direitos e obrigações da União, Estados e Municípios.


Você já respirou hoje?

Diagnóstico e tratamento corretos salvam vidas na fibrose cística.


Jogos para enfrentar a crise

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.


O trabalho de alta performance no Hipismo

O que os atletas precisam para o desempenho perfeito em uma competição? Além do treinamento e esforços diários, eles precisam estar em perfeita sintonia com o corpo e a mente.


Bons médicos vêm do berço

Faz décadas assistimos a abertura desenfreada de novas escolas médicas, sem condição de oferecer formação minimamente digna e honesta.


Wellness tech e a importância da saúde mental dentro das organizações

A pandemia de covid-19 impactou a vida de todos nós, pessoal e profissionalmente.


Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.