Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Chega de hipocrisia, o Rio de Janeiro está em guerra

Chega de hipocrisia, o Rio de Janeiro está em guerra

16/05/2018 Bady Curi Neto

A onda de violência que assola o país não é novidade.

A violência chegou a tal monta que é impossível abrir os noticiários sem ver ao menos um homicídio, troca de tiros entre bandidos e policiais, latrocínios e etc... Este cotidiano, de tão comum e intenso, deixa a população inerte à reação e a opinião pública apática e amedrontada, sem sequer se manifestarem contra o governo em busca de soluções.

Somado a tudo isto, ainda temos pessoas, que com a visão distorcida sobre os direitos humanos, entendem que este direito pertence, única e exclusivamente, aos “manos” (linguajar utilizado entre os marginais para referir aos seus comparsas do crime) e nunca às vítimas.

Os apoiadores dos direitos dos “manos” retratam e vendem a imagem de que os policiais são os algozes dos bandidos e não defensores da sociedade, o que é lastimável. O Governo Federal determinou uma intervenção na Segurança Pública do Rio de Janeiro (RJ).

Alguns opositores à medida, chegaram a dizer que, pelo interventor nomeado pelo Presidente da República ser um general do Exército Brasileiro, aquilo seria uma intervenção militar, o que não é verdade.

A intervenção federal apenas transfere para o Governo Federal o comando da Segurança Pública do Estado, como da Polícia Militar, da Polícia Civil e do Corpo de Bombeiros, através de um interventor nomeado, que poderia ser, inclusive, um civil.

Os dados da violência do Rio de Janeiro são estarrecedores, neste mês somou-se 44 policiais militares assassinados, um sargento foi baleado em confronto com traficantes. A favela da Rocinha, no dia 10 deste mês, contabilizou 93 tiroteios este ano (1 a cada 36 horas), a comunidade da Praça Seca teve 117 tiroteios e 121 na Cidade de Deus.

Somente nestas três comunidades ocorreu 1 tiroteio a cada 10 horas, aproximadamente. Chega de hipocrisia, estes dados demonstram que a cidade do RJ está em guerra civil ou urbana, e como tal tem que ser tratada pelas autoridades públicas.

Criminosos ostentam pelas ruas destas e outras comunidades armas de alto calibre, de uso exclusivo das Forças Armadas. Assaltos são realizados em forma de arrastão em vias públicas com criminosos portando metralhadoras e outras armas de alto poder bélico. A Violência no Brasil mata mais do que a guerra na Síria.

A intervenção e a presença de soldados do exército nas ruas não terão o condão de amenizar a criminalidade carioca, principalmente porque não foi dado ao exército o poder de polícia, apenas o apoio às Polícias Estaduais. Tem que deixar o cinismo de lado e reconhecer, efetivamente, que a guerra existente.

O Exército deve abandonar o papel de coadjuvante da PM no RJ e passar a ser o protagonista nesta guerra, autorizando medidas que deem segurança jurídica a tropa e seus comandantes, para que atuem de forma efetiva, como por exemplo, alvejar bandidos que ameaçam a sociedade com armas de guerra, sem o risco de responder por crime de homicídio.

Tais medidas, se necessário, devem ser estendidas a outros Estados, que apesar de não estarem nas mídias nacionais, sofrem do mesmo problema. Parafraseando um político americano: O Rio de Janeiro acaba com a criminalidade ou a criminalidade acaba com o Rio de Janeiro. Tenho dito!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa